Mostrando postagens com marcador Enciclopédia da Conscienciologia. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Enciclopédia da Conscienciologia. Mostrar todas as postagens

EQUAÇÃO COGNITIVA (AUTOCOGNICIOLOGIA)


EQUAÇÃO   COGNITIVA
(AUTOCOGNICIOLOGIA)

I.  Conformática

Definologia. A equação cognitiva é a igualdade entre 2 autotrafores, predicados, virtu-
des, atributos, postulados, apresentando-se equivalentes, de igual valor, força e peso, do mesmo
nível de outros atributos ou postulados, do ponto de vista da racionalidade e da lógica, no desen-
volvimento teático da evolução da consciência.
Tematologia. Tema central homeostático.
Etimologia. O termo equação deriva do idioma Latim, aequatio, “igualação; repartição
igual; igualdade”, de  aequus,  “unido; plano; horizontal; igual; justo; imparcial; vantajoso (en-
quanto termo militar, com referência a determinado terreno ou posição); propício; favorável”.
Surgiu no Século XVI. A palavra  cognitiva  procede também do idioma Latim,  cognitum,  de
cognoscere,  “conhecer; adquirir conhecimento; aprender a conhecer; procurar saber; tomar co-
nhecimento de; reconhecer”. Apareceu em 1873. 
Sinonimologia: 01.  Equação intelectiva. 02.  Equação hermenêutica. 03.  Equação ana-
lógica. 04.  Equação exegética.  05.  Equivalência cognitiva. 06.  Equivalência atributiva. 
07.  Equivalência hermenêutica. 08.  Realidades equivalentes. 09.  Significados equivalentes. 10. 
Trafores equivalentes.
Cognatologia.  Eis, na ordem alfabética, 5 cognatos derivados do vocábulo  equação:

EPICONSCIENCIOLOGIA (EVOLUCIOLOGIA)


EPICONSCIENCIOLOGIA
(EVOLUCIOLOGIA)

I.  Conformática

Definologia. A Epiconscienciologia é a Ciência aplicada aos estudos, conhecimentos es-
pecíficos, sistemáticos, técnicos, teáticos ou pesquisas da qualidade, condição ou caráter da cons-
ciencialidade, ainda completamente desconhecida ou inalcançada pela Humanidade Terrestre
atual, da Consciex Livre (CL) e do novo patamar evolutivo obtido pela mesma quando vive, sem
o psicossoma, manifestando-se diretamente pelo mentalsoma o tempo todo.
Tematologia. Tema central homeostático.
Etimologia. O prefixo  epi vem do idioma Grego,  epí,  “em cima; muito perto; depois; 
a seguir; além de; em; no meio de; conforme a; por causa de; com respeito a”. O vocábulo cons-
ciência deriva do idioma Latim,  conscientia,  “conhecimento de alguma coisa comum a muitas
pessoas; conhecimento; consciência; senso íntimo”, e este do verbo conscire, “ter conhecimento
de”. Surgiu no Século XIII. O elemento de composição  logia procede do idioma Grego,  lógos,
“Ciência; Arte; tratado; exposição cabal; tratamento sistemático de 1 tema”. 
Sinonimologia: 1.  Ciência da CL. 2.  Ciência da Consciência Purificada. 3.  Ciência
Megaenigmática. 4.  Policonscienciologia Extrafísica.
Neologia. O vocábulo Epiconscienciologia e as duas expressões compostas Epiconscien-

ENUMERAÇÃO GENERALIZADA (ENUMEROLOGIA)


ENUMERAÇÃO   GENERALIZADA
(ENUMEROLOGIA)

I.  Conformática

Definologia. A enumeração generalizada é a técnica, ato ou efeito de estender a compo-
sição da listagem vertical dos objetos, itens, fatores, elementos, variáveis, interconexões, efeitos 
e contextos de pesquisa identificados, abordados, analisados, observados e investigados pelo pes-
quisador, ou pesquisadora, o tempo todo, como bom hábito pesquisístico.
Tematologia. Tema central neutro.
Etimologia. O termo enumeração vem do idioma Latim, enumeratio, “enumeração; re-
senha; conta por parcelas; ação de rever o número de hipóteses (na argumentação); resumo; reca-
pitulação”. Surgiu no Século XVIII. A palavra  generalizar  procede provavelmente do idioma
Francês, généraliser, “generalizar”, derivada de général, “geral”, e esta do idioma Latim, genera-
lis, “geral”. Os vocábulos generalizar e generalizado apareceram também no Século XVIII.  
Sinonimologia: 01.  Numeração generalizada. 02.  Aparitmese generalizada. 03.  Côm-
puto pesquisístico. 04.  Omnienumeração. 05.  Enumeração urbi et orbi. 06.  Enumeração univer-
sal. 07.  Enumeração ordenada exaustiva. 08.  Contagem numérica; listagem geral. 09.  Inventa-
riologia Técnica. 10.  Levantamento detalhístico.
Neologia. As 3 expressões compostas enumeração generalizada, enumeração generali-
zada primária e enumeração generalizada evoluída são neologismos técnicos da Enumerologia.
Antonimologia: 1.  Pesquisa desorganizada. 2.  Anarquia antitécnica. 3.  Ideias disper-
sas. 4.  Achados dispersos.
Estrangeirismologia: o balanço universal dos findings.
Atributologia: predomínio das faculdades mentais, notadamente do autodiscernimento
quanto às técnicas da Pesquisologia.

II.  Fatuística

Pensenologia: o holopensene pessoal da autorganização técnica; os lucidopensenes; a lu-

ENGANO PARAPSÍQUICO (AUTENGANOLOGIA)


ENGANO   PARAPSÍQUICO
(AUTENGANOLOGIA)

I.  Conformática

Definologia. O engano parapsíquico é a qualidade, estado, reação, distorção, falha, con-
tradição ou interpretação errada da pessoa, homem ou mulher, parapsiquicamente inexperiente, ao
julgar ingênua ou desavisadamente alguma categoria de parafenômenos ou parafatos de bases pa-
raperceptivas.
Tematologia. Tema central nosográfico.
Etimologia. O termo enganar deriva do idioma Latim Vulgar,  ingannare, “escarnecer;
zombar; ludibriar”, de gannire, “latir; ganir (o cão); regougar (a raposa); chilrear (o pássaro); gor-
jear (as aves); murmurar; lamentar; grunhir”. As palavras enganar e engano surgiram no Século
XIII. O elemento de composição para provém do idioma Grego, pará, “por intermédio de; para
além de”. O vocábulo psíquico procede também do idioma Grego, psykhé, “alma, como princípio
de vida e sede de desejos; sopro de vida”. Apareceu no Século XIX. 
Sinonimologia: 01.  Engano por inexperiência. 02.  Engano inconsciente. 03.  Engano
da imaturidade. 04.  Engano da ingenuidade. 05.  Engano por imperícia. 06.  Equívoco parapsí-
quico. 07.  Erro parapsíquico. 08.  Falsa interpretação parapsíquica. 09.  Interpretação parapsíqui-
ca errada. 10.  Análise parapsíquica errônea.
Cognatologia. Eis, na ordem alfabética, 14 cognatos derivados do vocábulo engano: en-
gana-bobo; enganadiça; enganadiço; enganada; enganado; enganador; enganadora; enganar;
engana-tico; engana-tico-tico; engana-tolo; engana-vista; enganosa; enganoso.  
Neologia. As 3 expressões compostas engano parapsíquico, engano parapsíquico indivi-
dual e engano parapsíquico grupal são neologismos técnicos da Autenganologia. 
Antonimologia: 1.  Acerto parapsíquico. 2.  Correção parapsíquica. 3.  Interpretação pa-
rapsíquica correta. 4.  Análise parapsíquica racional.
Estrangeirismologia:  o nonsense parapsíquico; os  experimenter effects; o blackout da
razão.
Atributologia: predomínio das percepções extrassensoriais, notadamente do autodiscer-
nimento quanto à Hermenêutica Parapsíquica.

II.  Fatuística

ENERGOSFERA PESSOAL (ENERGOSSOMATOLOGIA)


ENERGOSFERA    PESSOAL 
(ENERGOSSOMATOLOGIA)

I.  Conformática

Definologia. A energosfera pessoal é a aura (Latim: aura, sopro de ar), campo de natu-
reza desconhecida, com algumas características magnéticas, de aparência luminosa para sensiti-
vos, consciexes e conscins projetadas, em certas oportunidades, cujas cores provavelmente estão
ligadas à energia do campo e às atividades e pensamentos das realidades envolvidas, por exem-
plo, seres vivos, homens, mulheres, crianças, fetos, animais, plantas, minerais, objetos físicos 
e até consciexes (autoluminosidade).
Tematologia. Tema central neutro.
Etimologia. O vocábulo energia provém do idioma Francês, énergie, derivado do idio-
ma Latim,  energia,  e este do idioma Grego,  enérgeia,  “força em ação”. Apareceu em 1563. 
A palavra esfera vem do idioma Latim, sphaera, “esfera, globo”, e este do idioma Grego, sphai-
ra, “todo corpo redondo; bola para jogar; esfera; objetos diversos em forma redonda; globo terres-
tre”. Surgiu no Século XV. O termo  pessoal  procede do idioma Latim,  personalis,  “pessoal”.
Apareceu no Século XIII.
Sinonimologia: 01.  Autopsicosfera. 02.  Aura humana. 03.  Bioaura pessoal. 04.  Bios-
fera pessoal. 05.  Aura de saúde.  06.  Arco-íris humano; atmosfera humana; aura física; aura
magnética; auréola vital; bioaura. 07.  Cartão de visita extrafísico; círculo de radiância; constela-
ção parapsíquica; defensa mental; eletroaura; esfera de sensação. 08.  Ficha médica extrafísica;
fotosfera psíquica. 09.  Glória humana; halo psíquico; luz humana; nebulosa humana; nimbo pes-
soal; oval místico; ovo áurico; psicosfera luminosa; radar psíquico. 10.  Sistema de alerta extrafí-
sico; vestimenta exterior do psicossoma.
Neologia.  As 3 expressões compostas  energosfera pessoal, minienergosfera pessoal 
e maxienergosfera pessoal são neologismos técnicos da Energossomatologia.
Antonimologia: 1.  Holopensene ambiental. 2.  Dimener. 3.  Aura epiléptica. 4.  Arco
voltaico craniochacral. 5.  Energosfera grupal.
Atributologia: predomínio das percepções extrassensoriais, notadamente do autodiscer-
nimento quanto à energossomaticidade.
Unidade. O energopensene é a unidade de medida da evolução consciencial.

ENERGIA CONSCIENCIAL GASTA (ENERGOSSOMATOLOGIA)


ENERGIA   CONSCIENCIAL   GASTA
(ENERGOSSOMATOLOGIA)

I.  Conformática

Definologia. A energia consciencial gasta é aquela dispendida pela conscin, em parti-
cular, aqui, à autoconsciente quanto ao estado vibracional (EV), nos autesforços evolutivos da co-
tidianidade diuturna.
Tematologia. Tema central neutro.
Etimologia. O termo energia vem do idioma Francês, énergie, derivado do idioma La-
tim, energia, e este do idioma Grego, enérgeia, “força em ação”. Surgiu no Século XVI. A pala-
vra  consciência provém do idioma Latim,  conscientia,  “conhecimento de alguma coisa comum 
a muitas pessoas; conhecimento; consciência; senso íntimo”, e esta do verbo conscire, “ter conhe-
cimento de”. Apareceu no Século XIII. O vocábulo gastar procede também do idioma Latim, vas-
tare, “tornar (algum lugar) deserto; deixar sem sinais de vida; pilhar e destruir (algum país); arrui-
nar; devastar; assolar; transtornar; perturbar”. Surgiu no Século XIV. 
Sinonimologia: 1.  Energia consciencial despendida. 2.  EC gasta. 3.  EC queimada. 
Cognatologia.  Eis, na ordem alfabética, 11 cognatos derivados do vocábulo  energia:

ENCONTRO ANTECIPATÓRIO (PROJECIOLOGIA)


ENCONTRO   ANTECIPATÓRIO
(PROJECIOLOGIA)

I.  Conformática

Definologia. O encontro antecipatório é a paravivência alcançada pela conscin parapsi-
quicamente mais lúcida, projetora consciente, quando ainda vivendo nesta dimensão, ou antes da
própria dessoma, da reunião extrafísica com conscins dessomadas – parentes, colegas, conhecidos
– inteirando-se, deste modo, previamente, das condições e dos destinos extrafísicos dos compas-
sageiros evolutivos.
Tematologia. Tema central homeostático.
Etimologia. O termo encontro vem do idioma Latim,  incontrare, composto de  in, “pri-
vação; negação; aproximação; transformação”, e contra, “em frente de”; em oposição a; contra-
riamente a; para com; a respeito de; em frente; defronte”. Apareceu no Século XIV. O vocábulo
antecipatório deriva também do idioma Latim, antipare, “antecipar”. A palavra antecipar surgiu
no Século XV. O termo antecipatório apareceu em 1970.
Sinonimologia: 01.  Encontro antecipado. 02.  Encontro proativo. 03.  Encontro prévio.
04.  Encontro adiantado. 05.  Encontro pré-dessomático; encontro temporão.  06.  Encontro cons-
cin-consciex. 07.  Encontro projetor-consciex. 08.  Encontro projetora-consciex. 09.  Encontro in-
terassistencial. 10.  Encontro extraordinário. 
Cognatologia. Eis, na ordem alfabética, 20  cognatos derivados do vocábulo  encontro:
desencontradiço; desencontrado; desencontrar; desencontro; encontrada; encontradiço; encon-
trado; encontrão; encontrar; encontrável; encontroada; encontroar; encontro-d’água; encontro-
-de-ouro; encontros-verdes; paraencontro; reencontrada; reencontrado; reencontrar; reen-
contro..
Neologia. As 3 expressões compostas  encontro antecipatório, encontro antecipatório

ENCICLOPEDIOMETRIA (REDACIOLOGIA)


ENCICLOPEDIOMETRIA
(REDACIOLOGIA)

I.  Conformática

Definologia. A Enciclopediometria é a Ciência aplicada aos estudos, conhecimentos es-
pecíficos, sistemáticos, técnicos, teáticos ou pesquisas da qualidade, condição ou caráter da elabo-
ração aritmética ou matemática do mensuramento da densidade informacional dos verbetes da
Enciclopédia da Conscienciologia, por meio da dissecção do conteúdo e da forma (confor) pre-
sentes no texto, com o objetivo de explicitar a realidade da consciência, quando abordada de mo-
do integral, e imprimir força à tarefa do esclarecimento (tares) comunicativo.
Tematologia. Tema central neutro.
Etimologia. O termo  enciclopédia  vem do idioma Francês,  encyclopédie,  derivado do
idioma Latim Tardio, encyclopaedia, e este do idioma Grego, egkuklopaiedeía, por egkúklios pai-
deia, “ensino circular; panorâmico”. Surgiu no Século XVIII. O elemento de composição metria
provém do idioma Latim, metrum, “medida de 1 verso”, e este do idioma Grego, métron, “unida-
de de medida; o que mede; instrumento para medir”. 
Sinonimologia: 1.  Estudo da qualidade do verbete. 2.  Estudo da compactação informa-
cional do verbete. 3.  Estudo da complexidade do verbete. 4.  Estudo da conformática do verbete.
5.  Estudo aritmético da Enciclopédia. 6.  Estudo matemático da Enciclopédia.
Neologia. O vocábulo Enciclopediometria e as duas expressões compostas Enciclopedio-
metria Conclusiva  e Enciclopediometria Acrescentadora  são neologismos técnicos da Redacio-
logia.
Antonimologia: 1.  Conscienciometrologia. 2.  Consciencioterapia. 3.  Texto desorgani-
zado.
Estrangeirismologia:  o  ranking  dos verbetes enciclopédicos; o verbete enciclopédico
top de linha.
Atributologia: predomínio das faculdades mentais, notadamente do autodiscernimento

ENCAPSULAMENTO CONSCIENCIAL (ENERGOSSOMATOLOGIA)


ENCAPSULAMENTO   CONSCIENCIAL 
(ENERGOSSOMATOLOGIA)

I.  Conformática

Definologia. O encapsulamento consciencial é a manobra energética, paratécnica,  avan-
çada, própria da conscin lúcida, traquejada com a mobilização das energias conscienciais (ECs),
em si mesma ou extraconsciencialmente, com o isolamento assistencial e a anulação energética,
temporária, das manifestações pensênicas, especificamente intrusivas ou assediadoras, podendo
consistir da consciência individualmente ou em grupo, conscins e / ou consciexes, sadias e / ou
enfermas, a partir da vontade decidida, da intenção firme e da autodeterminação sadia. 
Tematologia. Tema central neutro.
Etimologia. O prefixo en deriva do idioma Latim, in, “em; sobre; superposição; introdu-
ção; transformação”. A palavra cápsula procede também do idioma Latim, capsula, “caixa; cofre-
zinho”. Surgiu no Século XVIII. O termo encapsular apareceu no Século XX. O vocábulo cons-
ciência  provém do mesmo idioma Latim,  conscientia,  “conhecimento de alguma coisa comum 
a muitas pessoas; conhecimento; consciência; senso íntimo”, e este do verbo conscire, “ter conhe-
cimento de”. Apareceu no Século XIII.
Sinonimologia: 01.  Encapsulação consciencial; encapsulamento parassanitário. 02.  En-
capsulamento energosférico; encapsulamento energossomático; encapsulamento psicosférico. 
03.  Autencapsulamento; encapsulamento pessoal; heterencapsulamento. 04.  Encapsulamento ho-
meostático. 05.  Encapsulamento desassediador. 06.  Encapsulamento assediador; encapsulamento
egocêntrico; encapsulamento intrusivo; encapsulamento parapatológico. 07.  Insulamento energé-
tico. 08.  Autoblindagem energética; autodefesa energética; autodefesa holossomática. 09.  Camu-
flagem bioenergética; condição do corpo fechado; manobra da invisibilidade pessoal.  10.  En-
capsulamento grupal.
Cognatologia. Eis, na ordem alfabética, 18 cognatos derivados do vocábulo encapsula-
ção: autencapsulação; autencapsulamento; biencapsulação; desencapsulação; desencapsula-
mento; desencapsular; encapsulada; encapsulado; encapsulador; encapsuladora; encapsulamen-
to; encapsular; heterencapsulação; heterencapsulamento; miniencapsulação; miniencapsula-
mento; megaencapsulação; megaencapsulamento. 
Neologia.  As 4 expressões compostas  encapsulamento consciencial, encapsulamento

ELOGIO CONTROVERTÍVEL (CONVIVIOLOGIA)


ELOGIO   CONTROVERTÍVEL 
(CONVIVIOLOGIA)


Definologia. O elogio controvertível é o julgamento de pessoa, idéia ou realidade apre-
sentado por alguém, murista intelectual, consciente ou inconscientemente, por meio da ambigüi-
dade expressa de maneira tendenciosa, ao mesmo tempo, aplicando o pseudolouvor e a zanga
real, e não alcançando, simultaneamente, a exaltação do factóide nem a exposição exata dos fatos.
Tematologia. Tema central neutro.
Etimologia. O termo elogio vem do idioma Latim, elogium, “inscrição tumular; epitáfio;
anotação; observação; escrita; vontade; decisão;  decreto”. Surgiu no Século XVII. O vocábulo
controvertível deriva também do idioma Latim,  controvertere,  “debater; discutir; ir em direção
oposta”. A palavra controverter apareceu no Século XVIII. 
Sinonimologia:  01.  Elogio ambíguo; encômio dúbio. 02.  Falso elogio; pseudelogio. 
03.  Elogio com dupla intenção; elogio não elogiante. 04.  Elogio duvidoso; elogio suspeito. 
05.  Elogio desconfortável. 06.  Elogio raivoso. 07.  Elogio envenenado. 08.  Elogio zangado. 
09.  Elogio condenatório; elogio destrutivo. 10.  Antiapologia; semicatilinária.    
Cognatologia. Eis, na ordem alfabética, 12 cognatos derivados do vocábulo elogio: an-
tielogio; autelogio; elogiada; elogiado; elogiador; elogiadora; elogiante; elogiar; elogiável; elo-
giosa; elogioso; pseudelogio.
Neologia. As 4 expressões compostas elogio controvertível, elogio controvertível míni-
mo, elogio controvertível médio  e  elogio controvertível máximo  são neologismos técnicos da
Conviviologia.
Antonimologia: 01.  Elogio sincero. 02.  Elogio acrítico. 03.  Elogio explícito. 04.  Elo-
gio real. 05.  Elogio justo. 06.  Elogio confortável. 07.  Enaltecimento merecido. 08.  Apologia
natural. 09.  Elogio rasgado. 10.  Depoimento dignificador.
Estrangeirismologia: o animus diffamandi; o double barreled compliment; o backhan-

ELITISMO CULTURAL (COSMOETICOLOGIA)



ELITISMO   CULTURAL 
(COSMOETICOLOGIA)

                                                                I.  Conformática

Definologia. O elitismo cultural é a condição da conscin pertencer à minoria detentora
do prestígio e do domínio de determinado grupo social com inescondível discriminação.
Tematologia. Tema central neutro.
Etimologia. O termo elitismo deriva do idioma Francês, élitisme, “política objetivando
antes de tudo a formação e seleção da elite intelectual”, de élite, “o que há de melhor”, e este de
élire, “escolher; eleger”. Surgiu em 1971. A palavra cultura procede do idioma Latim, cultura,
“ação de cuidar; tratar; venerar (no sentido físico e moral), e por extensão, civilização”. Apareceu
no Século XV. 
Sinonimologia: 01.  Elite intelectual. 02.  Elite social. 03.  Senso comunitário. 04.  Sen-
so grupal. 05.  Senso cosmopolita. 06.  Aristocracia; esnobismo; pedantismo; pernosticismo. 
07.  Cesarismo. 08.  Esnoberia. 09.  Senso universalista. 10.  Senso humanista. 
Cognatologia. Eis, na ordem alfabética, 20 cognatos derivados do vocábulo elite: antie-
litismo; antielitista; antielitístico; autelitismo; delitismo (delito do elitismo); deselitização; dese-
litizado; deselitizar; deselitizável; elitismo; elitista; elitística; elitístico; elitização; elitizada; eli-
tizado; elitizante; elitizar; elitizável; heterelitismo. 
Neologia. As duas expressões compostas elitismo cultural cosmoético e elitismo cultural
anticosmoético são neologismos técnicos da Cosmoeticologia.
Antonimologia: 1.  Plebe. 2.  Burguesia. 3.  Apedeutismo. 4.  Robéxis.  
Estrangeirismologia: o free shop dos aeroportos internacionais; o American Orient Ex-
press; o hóspede top class; o cream of society; os tycoons (magnatas); o nouveau riche; o Maxi-
proexarium; o Megaconviviarium.

EGOCENTRISMO COMPULSÓRIO (EGOLOGIA)


EGOCENTRISMO   COMPULSÓRIO
(EGOLOGIA)

I.  Conformática

Definologia. O egocentrismo compulsório é a qualidade, condição, estado ou caráter do
percentual inevitável de egoísmo da consciência, homem ou mulher, conscin ou consciex, ou 
o conjunto de atitudes ou comportamentos indicando viver a personalidade evolutiva, sem exce-
ção, subordinada a princípios evolutivos essenciais, determinantes, insubstituíveis e inafastáveis,
neste caso sem relação direta com qualquer manifestação egocêntrica patológica do próprio ego.
Tematologia. Tema central neutro.
Etimologia. O elemento de composição ego vem do idioma Latim, ego, “eu”. Apareceu,
na Linguagem Erudita, a partir do Século XIX. A palavra centro deriva também do idioma Latim,
centrum, “centro; ponta do compasso colocada no centro do círculo que descreve; centro do cír-
culo; nó ou nodosidade na madeira ou mármore”, e essa provém do idioma Grego, kéntron, “agui-
lhão, ponto da lança; ponto central da circunferência; centro; o que serve para picar”. Surgiu no
Século XV. O termo egocentrismo apareceu no Século XX. O vocábulo compulsório procede do
mesmo idioma Latim,  compulsus,  de  compellere,  “impedir; compelir; empurrar; obrigar; cons-
tranger”. Surgiu no Século XVII. 
Sinonimologia: 01.  Egocentrismo imposto. 02.  Egocentrismo inevitável. 03.  Egocen-
trismo inafastável. 04.  Egocentrismo produtivo; egocentrismo virtuoso. 05.  Egocentrismo bom.
06.  Egocentrismo racional. 07.  Egocentrismo sutil. 08.  Egocentrismo teático. 09.  Egocentrismo
autocompreendido. 10.  Exclusivismo evolutivo.
Neologia. As 3 expressões compostas egocentrismo compulsório, egocentrismo compul-
sório ignorado  e  egocentrismo compulsório autoconsciente  são neologismos técnicos da Ego-
logia.
Antonimologia: 01.  Egocentrismo adulto. 02.  Antiegocentrismo; antiegoísmo. 03.  Al-

EGOCENTRISMO (EGOLOGIA)



EGOCENTRISMO    
(EGOLOGIA) 

I.  Conformática

Definologia. O egocentrismo é a qualidade, condição, estado ou caráter de egocêntrico
ou o conjunto de atitudes ou comportamentos indicando viver o indivíduo se referindo essencial-
mente a si mesmo ao determinar as autovivências e atos.
Tematologia. Tema central neutro.
Etimologia. O elemento de composição ego vem do idioma Latim, ego, “eu”. Apareceu,
na Linguagem Erudita, a partir do Século XIX. A palavra centro procede também do idioma La-
tim, centrum, “centro; ponta do compasso colocada no centro do círculo descritor; centro do cír-
culo; nó ou nodosidade na madeira ou mármore”, e esta derivada do idioma Grego,  kéntron,
“aguilhão; ponto da lança; ponto central da circunferência; centro; o que serve para picar”. Surgiu
no Século XV. O sufixo ismo provém do idioma Grego, ismós, “doutrina; escola; teoria ou princí-
pio artístico, filosófico, político ou religioso; ato, prática ou resultado de; peculiaridade de; ação;
conduta; hábito ou qualidade característica de; quadro mórbido; condição patológica”. O termo
egocentrismo apareceu no Século XX.   
Sinonimologia:  01.  Egoísmo; egotismo. 02.  Egolatria. 03.  Egomania. 04.  Egão;
egoconcêntrico. 05.  Autofilismo; egoísmo exacerbado; primazia do egão. 06.  Antiassistenciologia.
07.  Exclusivismo. 08.  Indiferentismo. 09.  Egoteca. 10.  Amor intrusivo.
Neologia. As duas expressões compostas egocentrismo inicial e egocentrismo prolonga-
do são neologismos técnicos da Egologia.
Antonimologia: 01.  Antiegocentrismo. 02.  Antiegoísmo. 03.  Altruísmo. 04.  Desape-

EGOCARMOLOGIA (HOLOCARMOLOGIA)


EGOCARMOLOGIA    
(HOLOCARMOLOGIA) 

I.  Conformática

Definologia. A Egocarmologia  é a Ciência aplicada aos estudos, conhecimentos espe-
cíficos, sistemáticos, técnicos, teáticos ou pesquisas da estrutura, condição ou caráter das relações
dos princípios de causa e efeito, atuantes na evolução da consciência, quando centrados exclusi-
vamente no ego em si, no universo da lei de ação e reação, lei do retorno ou da Holocarmologia.
Tematologia. Tema central neutro.
Etimologia. O primeiro elemento de composição ego vem do idioma Latim, ego, “eu”.
Apareceu, na Linguagem Erudita, a partir do Século XIX. O termo carma deriva do idioma Sâns-
crito, karma-a, “ação; efeito; fato”. Surgiu no Século XVII. O segundo elemento de composição
logia procede do idioma Grego, lógos, “Ciência; Arte; tratado; exposição cabal; tratamento siste-
mático de 1 tema”. 
Sinonimologia: 1.  Autocarmologia. 2.  Egocentrologia. 3.  Autopersonologia.    
Neologia.  As duas expressões compostas  Egocarmologia Instintiva  e  Egocarmologia
Autoconsciente são neologismos técnicos da Holocarmologia.
Antonimologia: 1.  Grupocarmologia.  2.  Policarmologia. 
Estrangeirismologia: o ego-oriented; o alter ego; o estudo do self.
Atributologia: predomínio das percepções extrassensoriais, notadamente do autodiscer-
nimento quanto à holomaturidade evolutiva cosmoética.
Unidade. A unidade de trabalho ou medida da Egocarmologia é o eu.

II.  Fatuística

Pensenologia: o holopensene pessoal da egocarmalidade; os autopensenes; a autopense-
nidade; os evoluciopensenes; a evoluciopensenidade; os lucidopensenes; a lucidopensenidade; os
ortopensenes; a ortopensenidade; os prioropensenes; a prioropensenidade; a forma holopensênica
pessoal.

Fatologia: a vida egóica da consciência; as reações egóicas perante o Cosmos; as rea-

EFICÁCIA EXPLICATIVA (ARGUMENTOLOGIA)


EFICÁCIA    EXPLICATIVA
(ARGUMENTOLOGIA)

I.  Conformática

Definologia. A  eficácia explicativa  é o poder pessoal de argumentar capaz de expor,
com racionalidade e lógica, os pensamentos de modo a informar com clareza e plenitude a estru-
tura das conclusões técnicas quanto ao sentido do assunto sob análise, sem deixar pairar nebulosi-
dades ou quaisquer dúvidas. 
Tematologia. Tema central neutro.
Etimologia. O termo eficácia deriva do idioma Latim, efficacia, “poder; virtude; eficá-
cia”. Surgiu no Século XIV. A palavra explicativa procede também do idioma Latim, explicatum,
supino de explicare, “abrir; desenvolver; desdobrar; desembaraçar; desenredar; acabar; concluir;
explicar; esclarecer; expor”. Apareceu no Século XVIII. 
Sinonimologia: 1.  Eficiência explicativa. 2.  Poder explicativo. 3.  Suficiência explana-
tória.
Cognatologia. Eis, na ordem alfabética, 3 cognatos derivados do vocábulo eficácia: efi-
caciar; eficacidade; eficaz.  
Neologia. As duas expressões compostas eficácia explicativa básica e eficácia explicati-
va evoluída são neologismos técnicos da Argumentologia.
Antonimologia: 1.  Ineficácia explicativa. 2.  Insuficiência explicativa. 3.  Deficiência
explanatória.
Estrangeirismologia: o breakthrough pesquisístico; o acid test da consciência; a happy
hour mentalsomática.
Atributologia: predomínio das faculdades mentais, notadamente do autodiscernimento

EFICÁCIA EVOLUTIVA (EVOLUCIOLOGIA)


EFICÁCIA    EVOLUTIVA
(EVOLUCIOLOGIA)

I.  Conformática

Definologia. A eficácia evolutiva é o poder, talento ou trafor pessoal da conscin lúcida
de imprimir eficiência teática aos próprios esforços de evoluir com racionalidade, lógica e auto-
crítica.
Tematologia. Tema central neutro.
Etimologia. O termo eficácia deriva do idioma Latim, efficacia, “poder; virtude; eficá-
cia”. Surgiu no Século XIV. A palavra evolutivo procede do idioma Francês, evolutif, de évolu-
tion, e este do idioma Latim, evolutio, “ação de percorrer, de desenrolar”. Apareceu em 1873.
Sinonimologia: 01.  Eficiência evolutiva. 02.  Poder evolutivo. 03.  Suficiência evoluti-
va. 04.  Autopotencialização evolutiva. 05.  Competência evolutiva. 06.  Autocatálise evolutiva.
07.  Agilização evolutiva; dinamização evolutiva. 08.  Capacidade evolutiva; efetividade evoluti-
va. 09.  Maximização evolutiva. 10.  Sabedoria evolutiva; validez evolutiva.
Neologia. As duas expressões compostas eficácia evolutiva simples e eficácia evolutiva
sofisticada são neologismos técnicos da Evoluciologia.
Antonimologia: 01.  Ineficácia evolutiva. 02.  Insuficiência evolutiva. 03.  Deficiência
evolutiva. 04.  Incompetência evolutiva. 05.  Inépcia evolutiva. 06.  Estacionamento evolutivo.
07.  Regressão involutiva; retrogradação pessoal. 08.  Apedeutismo evolutivo. 09.  Hibernação
existencial. 10.  Alienação existencial; antiprogressismo pessoal; colapso existencial.
Estrangeirismologia: o breakthrough evolutivo; o upgrade evolutivo.
Atributologia: predomínio das faculdades mentais, notadamente do autodiscernimento
quanto à evolutividade consciencial.
Megapensenologia. Eis 2 megapensenes trivocabulares relativos ao tema: – Evoluímos
sob pressão. Sejamos evolutivamente eficazes.        
  
II.  Fatuística

Pensenologia:  o holopensene pessoal da Evoluciologia; os evoluciopensenes; a evolu-
ciopensenidade; os neopensenes; a neopensenidade; os ortopensenes; a ortopensenidade; os nexo-
pensenes; a nexopensenidade; os lucidopensenes; a lucidopensenidade; os prioropensenes; a prio-
ropensenidade; os cosmopensenes; a cosmopensenidade; a eficácia da autopensenidade.

Fatologia: a eficácia evolutiva; a eficiência pessoal para evoluir; a dinâmica da eficácia
evolutiva; a busca do êxito construtivo no âmbito da evolução consciencial; a agilização da eficá-
cia evolutiva; a eficácia superlativa; a eficácia nas iniciativas pessoais; o senso de auteficácia; 
a eficácia pessoal sem preocupação com a competitividade; as autopriorizações evolutivas; o in-
cremento da eficácia proexológica pessoal; a inteligência resolutiva; a destreza mental; a Presen-
ciologia; a ficha evolutiva pessoal (FEP).

Parafatologia: a autovivência do estado vibracional (EV) profilático; a sinalética ener-
gética e parapsíquica pessoal; a eficácia pessoal na aplicação do arco voltaico craniochacral; a efi-
cácia pessoal na promoção do autencapsulamento; a eficácia no acesso às Centrais Extrafísicas.

III.  Detalhismo

Sinergismologia: o sinergismo vontade–evolução consciencial.
Principiologia: o princípio da evolução consciencial lúcida; o princípio da auteducação
evolutiva; o princípio da eficácia natural.
Codigologia: o código pessoal de Cosmoética (CPC). 
Enciclopédia  da  Conscienciologia

EFEITO DO ESTADO VIBRACIONAL (ENERGOSSOMATOLOGIA)



EFEITO   DO   ESTADO    VIBRACIONAL 
(ENERGOSSOMATOLOGIA)

              I.  Conformática

Definologia. O efeito do estado vibracional (EV) é a conseqüência homeostática da con-
dição técnica de dinamização máxima das energias do holochacra, ou energossoma, por meio da
impulsão da vontade e Parametodologia específica, a fim de manter a Paraprofilaxia na vivência
cosmoética e evolutiva da consciência.
Tematologia. Tema central homeostático.
Etimologia. A palavra efeito vem do idioma Latim, effectum, “efeito; produto de deter-
minada causa”. Apareceu no Século XIII. O termo estado deriva do idioma Latim, status, “modo
de estar; posição; situação; condição”. Surgiu no Século XIII. O vocábulo  vibracional procede
também do idioma Latim, vibrare, “vibrar; agitar”. A palavra vibrar apareceu no Século XVI.
Sinonimologia:  1.  Conseqüência do estado vibracional. 2.  Produto do estado vibra-
cional.  
Cognatologia. Eis, na ordem alfabética, 4 cognatos derivados do vocábulo efeito: efei-
tarrão; megaefeito; miniefeito; paraefeito.
Neologia. As duas expressões compostas efeito do estado vibracional imediato e efeito
do estado vibracional mediato são neologismos técnicos da Energossomatologia.
Antonimologia: 1.  Ausência do estado vibracional. 2.  Ignorância quanto ao EV.
Estrangeirismologia: o antagonismo yin / yang; o breakthrough bioenergético.
Atributologia: predomínio das percepções extrassensoriais, notadamente do autodiscer-
nimento quanto às energias conscienciais (ECs) pessoais.

                II.  Fatuística

EFEI TO DA VERPON (HOLOMATUROLOGIA)



EFEI TO     DA     VERPON
(HOLOMATUROLOGIA) 

I.  Conformática

Definologia. O efeito da verpon  é a consequência direta,  imediata, da autovivência ou
exemplificação das verdades relativas de ponta por parte da conscin lúcida empenhada na recicla-
gem da própria evolução, eliminando definitivamente o bifrontismo, o murismo e as demagogias
de toda natureza.
Tematologia. Tema central homeostático.
Etimologia. A palavra efeito vem do idioma Latim, effectum, “efeito; produto de deter-
minada causa”. Apareceu no Século XIII. O vocábulo verdade deriva também do idioma Latim,
veritas, “verdade; conformidade com o real”. Surgiu no Século XIII. O vocábulo relativa provém
igualmente do idioma Latim, relativus, “relativo a”. Apareceu em 1536. A palavra ponta procede
também do idioma Latim, puncta, “estocada; golpe de ponta”, e esta de pungere, “picar; furar; en-
trar; atormentar; afligir; fazer sofrer; atormentar”. Surgiu igualmente no Século XIII.
Sinonimologia: 1.  Consequência da verpon. 2.  Resultado da verpon. 3.  Produto da ver-
pon. 4.  Efeito da autenticidade. 5.  Efeito do maior esforço.

EFEITO DA AUTOSSERIEXIALIDADE (SERIEXOLOGIA)


EFEITO   DA   AUTOSSERIEXIALIDADE
(SERIEXOLOGIA)

I.  Conformática

Definologia. O efeito da autosseriexialidade é a consequência do ato de a conscin lúcida
prospectar as características precisas e o estudo detalhado, panorâmico, de determinada vida hu-
mana, prévia, pessoal, ou várias existências intrafísicas anteriores, empregando o conjunto de téc-
nicas relativas às pesquisas paragenéticas, holobiográficas, e envolvendo diretamente o grupo
evolutivo ou grupocarma.
Tematologia. Tema central neutro.
Etimologia. A palavra efeito vem do idioma Latim, effectum, “efeito; produto de alguma
causa”. Apareceu no Século XIII. O elemento de composição auto procede do idioma Grego, au-
tós, “eu mesmo; por si próprio”. O vocábulo série provém do idioma Latim, series, “enlaçamento;
encadeamento; fieira; fiada; série de objetos”. Surgiu no Século XVII. O termo existencial deriva
do idioma Latim Tardio, existentialis, “existencial”. Apareceu no Século XIX.   
Sinonimologia: 1.  Efeito da retroprospecção seriexológica. 2.  Consequência da sonda-
gem seriexológica do passado. 3.  Interação analítica, seriexológica, remota. 4.  Produto da pros-
pecção holobiográfica. 
Neologia. As 3 expressões compostas efeito da autosseriexialidade, efeito da autosserie-
xialidade patológico  e  efeito da autosseriexialidade homeostático  são neologismos técnicos da
Seriexologia.
Antonimologia: 1.  Efeito da simulprospecção existencial. 2.  Consequência da prospec-

EFEITO (EFEITOLOGIA)



EFEITO
(EFEITOLOGIA) 

I.  Conformática

Definologia. O efeito é o produto necessário ou fortuito de determinada causa, como re-
sultado de algum ato ou ocorrência qualquer, opondo-se ao conceito de causa, segundo o princí-
pio dual da polaridade.
Tematologia. Tema central neutro.
Etimologia. A palavra efeito vem do idioma Latim, effectum, “efeito; produto de alguma
causa”. Apareceu no Século XIII. 
Sinonimologia:  01.  Consequência. 02.  Decorrência. 03.  Derivação. 04.  Derivante. 
05.  Derivado. 06.  Produto da causa. 07.  Fruto do esforço. 08.  Resultante. 09.  Resultado da
ação. 10.  Realização; reflexo da atividade.
Neologia.  As duas expressões compostas  efeito homeostático  e  efeito patológico  são
neologismos técnicos da Efeitologia.
Antonimologia: 1.  Causa. 2.  Etiologia. 3.  Produtor do efeito. 4.  Fator desencadeante.