ORGULHO TEIMOSO


OR G U L H O  TE I M O S O
(PE R D O L O G I A)
I. Conformática
Definologia. O orgulho teimoso é o posicionamento patológico de persistência irredutí-vel na não admissão de erros autodiagnosticados, com a intenção inoportuna de proteger a autesti-ma, optando-se pela postergação das correções, retratações, reconciliações e / ou retomadas de ta-refasevolutivas, capaz de gerar cadeia de equívocos e multiplicar as demandas para as futuras
restaurações conscienciais.
Tematologia. Tema central nosográfico.
Etimologia. O vocábulo orgulho deriva do idioma Espanhol, orgullo, e este do idioma
Catalão, orgull, “orgulho”. Surgiu no Século XIII. O termo teimaprocede do idioma Latim, the-ma, “tema; proposição; assunto; argumento; matéria”, e este do idioma Grego, théma,“o que se
põe oupropõe”. Apareceu no Século XVII. A palavra teimososurgiu no Século XVI.
Sinonimologia: 01. Orgulho aferrado. 02. Empáfia renitente. 03. Capricho presunçoso.
04. Birra vaidosa. 05. Soberba pirracenta. 06. Amor-próprio tolo. 07. Autestima antievolutiva.
08. Emperramento autevolutivo. 09. Autodesrespeito. 10. Desinteligência evolutiva.
Cognatologia. Eis, na ordem alfabética, 19 cognatos derivados do vocábulo teima: atei-mada; ateimado; ateimar; joão-teimoso; maria-teimosa; sobreteima; teimação; teimado; teima-dor; teimadora; teimante; teim
ar; teimice; teimosa; teimosia; teimosiar; teimosice; teimoso; tira--teima.
Neologia. As duas expressões compostas orgulho teimoso afetivo eorgulho teimoso ide-ológicosão neologismos técnicos da Perdologia.
Antonimologia: 1. Brio cosmoético. 2. Hombridade cosmoética. 3. Empertigamento
evolutivo. 4. Dignidade consciencial. 5. Firmeza proexológica. 6. Autodeterminação evolutiva.
Estrangeirismologia: o stubborn; o adiamento indeterminado do mea culpa; a pose
mantida ad extremum;a cincada sustentada ad eternum;o gap evolutivo crescente com os cole-gas seguindo no rumo certo; a fuga do autodesconforto nas compensações materiais da money so-ciety;a autolucidez anestesiada através do glamour das seduções intrafísicas.
Atributologia: predomínio dasfaculdades mentais, notadamente do autodiscernimento
quanto à Autocriticologia Cosmoética.
Coloquiologia: o ato de bater o pé no errado; o ato de não baixar a crista; o ato de não
dar o braço a torcer; o ato de não baixar a bola; o ato de não desempinar o nariz; o ato de não se
dar por vencido; o ato de não abrir mão de dar a última palavra. Urge pensar sobre o dito popu-lar: “mais vale ficar vermelho cinco minutos, do que amarelo toda a vida”.
II. Fatuística
Pensenologia: o holopensene pessoal da arrogância; os arrogopensenes; a arrogopense-nidade; os egopensenes; a egopensenidade; os patopensenes; a patopensenidade; a autopensenida-de intransigente; a autopensenização monovisiológica; a cisma tenaz em patopensenizações.
Fatologia: o orgulho teimoso; o radicalismo vaidoso; a insistência desarrazoada em er-ros e omissões; a autoconfiança acrítica; a proteção evolutivamente ectópica do amor-próprio; os
arrependimentos inconfessados e majorados dia a dia; as desculpas esfarrapadas para si e para os
demais; a vaidade em manter aparência de infalível; o autengano crasso; a atitude antiproéxis;
a melex anunciada; o antiexemplo evolutivo.
Parafatologia: o desleixo quanto ao estado vibracional (EV) profilático; o ego inflado
por incitações de guias cegos e assediadores extrafísicos; a esnobação aos amparadores intra e ex-trafísicos; o desaproveitamento das lições do Curso Intermissivo (CI) pré-ressomático.
E n c i c l o p é d i a d a C o n s c i e n c i o l o g i a 42
III. Detalhismo
Principiologia: o princípio do tempo limitado para a consecução da autoproéxis;
o princípio popular “o tempo não pára”; o princípio da inseparabilidade grupocármica; o prin-cípio da evolução conjunta interassistencial; o princípio cosmoético de objetivar o melhor para
todos; o princípiodo“se algo não presta, não adianta fazer maquilagem”; o princípio de ser
preferível dar 1 passo atrás para depois avançar no caminho correto.
Codigologia: os códigos sociais nem sempre evolutivos.
Teoriologia: a teoria das interprisões grupocármicas; a teoria da maxiproéxis.
Tecnologia: a técnica da autorreflexão de 5 horas aplicada à análise da proéxis e da
conjuntura existencial no momento evolutivo; a técnica do sobrepairamento analítico aplicada
à checagem realista da autocondição atual e à mensuração dos danosevolutivos reparáveis e irre-paráveis; a técnica de mais 1 ano de vida aplicada ao acerto do ponteiro consciencial e à consecu-ção de pendentes proexológicos; as técnicas conscienciométricas aplicadas à identificação de tra-fares e trafais indutores ao afastamento do prioritário; as técnicas conscienciológicas aplicadas
à anulação de trafares, aquisição dos trafais e reforçamento de trafores; as técnicas de desenvolvi-mento parapsíquico favorecendo a visão multidimensional de pessoas, grupos, atividades econ-textos; as técnicas energéticas permitindo a sustentação dos autoposicionamentos cosmoéticos.
Laboratoriologia: o laboratório conscienciológico da proéxis; o laboratório conscien-ciológico doEV; o laboratório conscienciológico da sinalética energética e parapsíquica; o la-boratório conscienciológico das retrocognições.
Colegiologia: o Colégio Invisível dos Intermissivistas; o Colégio Invisível dos Proexólo-gos; o Colégio Invisível dos Conscienciometrologistas.
Efeitologia: o efeito travão dos erros reafirmados; o efeito dominó das inutilidades, in-sensibilidades, emocionalidades, irracionalidades e imaturidades mimetizadas; o efeito bumeran-gue das omissões deficitárias; o efeito bola de neve da procrastinação das obrigações pessoais;
o efeito avalanche dos atos interpresidiários; o efeito ralo de desperdícios dos autopotenciais
evolutivos; os efeitos regressivos do orgulho impedindo a assunção das próprias falhas perante
as evidências incontestáveis.
Ciclologia: a necessidade premente do ciclo de reflexões autocríticas;o inevitável ciclo
erro-retificação-acerto para a autevolutividade lúcida; o ciclo de mentiras motivado por tentati-vas de escondimento das faltas pessoais; a autointoxicação holopensênica pela inaptidão no ciclo
assim-desassim.
Enumerologia: o ato deobrigar-se a persistir em escolhas equivocadas; o ato deopor-se
a aceitar os deslizes óbvios; o ato defurtar-se a enxergar as oportunidades imperdíveis; o ato de
engambelar-se a satisfazer os caprichos egóicos; o ato denegar-se a pedir os auxílios necessários;
o ato deobstinar-se a ter sempre razão; o ato decondenar-se a rebaixar os rendimentos evoluti-vos.A lucidez consciencial obnubilada; o porão consciencial reavivado; o enfrentamento existen-cial postergado; o subnível evolutivo inatacado; a baixa autestima mascarada; o desvio proéxico
agravado; o tempo evolutivo desperdiçado.
Binomiologia: o binômio egão-orgulho; o binômio autassédio-heterassédio; o binômio
melin-melex; a ausência do binômio admiração-discordância; a autoprescrição do binômio hete-roperdoamento-autoimperdoamento.
Interaciologia: a interação cabeça fechada–pensamento torto.
Trinomiologia: as aliciações do trinômio sexo-dinheiro-poder; as inebriações do trinô-mio poder-prestígio-posição; os ofuscamentos do trinômiohomenagens-medalhas-títulos; os en-gessamentos do trinômio tradição-família-propriedade; os desamores do trinômio melindres-má-goas-ressentimentos; as injustiças do trinômio inveja-raiva-ingratidão; as aversões do trinômio
estereótipos-preconceitos-apriorismoses.
Polinomiologia: os autovalores evolutivos sufocados pelo polinômio desafeições ana-crônicas–rivalidades vingativas–desencontros afetivos–interprisões grupocármicas; o polinômio
autassedialidade-autocorrupção-autodesorganização-autoacriticidade.
E n c i c l o p é d i a d a C o n s c i e n c i o l o g i a 43
Antagonismologia: o antagonismo orgulho teimoso / recin; o antagonismo orgulho feri-do / dignidade consciencial; o antagonismo teimosia infantil / obstinação cosmoética; o antago-nismo teimosia intelectual / ousadia verponológica; o antagonismo inflexibilidade / perseverança
evolutiva; o antagonismo senso comum / senso de orientação proexológica; o antagonismo mini-dissidência / maxidissidência; o antagonismo subcerebralidade / paracerebralidade.
Paradoxologia: o paradoxo da lealdade ao próprio egão ser deslealdade à própria
consciência; o paradoxo da opção irrefletida por poupar esforços evolutivos hoje,multiplicar os
esforços exigidos para as mesmas realizações no futuro; o paradoxo do vingativo(a) colocar os
desafetos no papel de protagonistas da própria vida.
Politicologia: as políticas conscienciológicas de acolhimento aos intermissivistas.
Legislogia: o primado da lei do menor esforço evolutivo.
Fobiologia: a neofobia; a recinofobia; a recexofobia; a autocriticofobia; a raciocinofo-bia; a xenofobia; a tanatofobia.
Sindromologia: as carências aclamatórias na síndrome do ostracismo paragenética; as
inconstâncias motivacionais na síndrome da dispersão consciencial; os desvarios emocionais na
síndrome da ectopia afetiva (SEA); as autanulações conscienciais na síndrome da mediocrização;
as recalcitrâncias anticosmoéticas na síndrome da abstinência da Baratrosfera (SAB); as regres-sões místicas na síndrome de Swedenborg; as automortificações vãs na síndrome da autovitimi-zação.
Maniologia: a egomania; a subcerebromania; a apriorismomania; a megalomania; a to-xicomania; a alcoolomania; a tabacomania.
Mitologia: o mito da perfeição.
Holotecologia: a apriorismoteca; a conflitoteca; a belicosoteca; a convivioteca; a psicos-somaticoteca; a assistencioteca; a cosmoeticoteca.
Interdisciplinologia: a Perdologia; a Errologia; a Autenganologia; a Antirrecexologia;
a Autodesviologia; a Autocriticologia; a Autassediologia; a Psicossomatologia; a Grupocarmolo-gia; a Evoluciologia.
IV. Perfilologia
Elencologia: a conscin lúcida; a isca humana lúcida; o ser desperto; o ser interassisten-cial; a conscin enciclopedista; a conscin multívola.
Masculinologia: o ególatra; o vaidoso; o orgulhoso; o emproado; o arrogante; o ofendi-do; o ressentido; o melindrado; o autovitimizado; o teimoso; o cabeça-dura; o cabeçudo; o birren-to; o turrão; o reativo; o defensivo; o juiz do Cosmos; o apedeuta evolutivo.
Femininologia: a ególatra; a vaidosa; a orgulhosa; a emproada; a arrogante; a ofendida;
a ressentida; a melindrada; a autovitimizada; a teimosa; a cabeça-dura; a cabeçuda; a birrenta;
a turrona; a reativa; a defensiva; a juíza do Cosmos; a apedeuta evolutiva.
Hominologia: o Homo sapiens egocentricus; o Homo sapiens immaturus; o Homo sapi-ens conflictuosus; o Homo sapiens acriticus; o Homo sapiens deviatus; o Homo sapiens ectopi-cus; o Homo sapiens autobsidiatus.
V. Argumentologia
Exemplologia: orgulho teimoso afetivo = a desavença aguerrida; orgulho teimoso ideo-lógico= a minidissidência inconformada.
Culturologia: a culturadas aparências da Era das Consréus antípoda àcultura da auto-transparência (glasnost) da Era Consciencial.
E n c i c l o p é d i a d a C o n s c i e n c i o l o g i a 44
Autoconsciência. Segundo a Psicossomatologia, eis, por exemplo, em ordem alfabética,
duas reações não excludentes, observadas nas manifestações doorgulho teimoso:
1.  Ataque: a revolta, a insolência e o combate agressivo ao contexto do erro, na tentati-va de defender e edulcorar as retroposturas equivocadas.
2.  Autexclusão:a autoculpa, o constrangimento e a esquiva do contexto do erro, na ten-tativa de não mais pensar e refletir sobre o tema.
Duração. Concernente à Cronologia,a postura de orgulho teimoso pode se apresentar de
2 tipos básicos:
1.  Breve:a autocrítica é recuperada rapidamente e, assim, se age prontamente para cor-rigir os desacertos, minorar prejuízos, realinhar-se aos objetivos cosmoéticos, reaproximar-se das
companhias evolutivas e retomar as tarefas proexológicas.
2.  Duradoura: a autocrítica é abafada indefinidamente e, assim, se paralisa em justifica-tivas para os desacertos e se incrementa, dia a dia, os prejuízos, os desvios na proéxis, o distan-ciamento e a defasagem do grupo evolutivo, e a dificuldade para as reparações existenciais.
Terapeuticologia. O orgulho teimoso é passível de ser anulado através da autoconscien-tização sobre a inadequação de tal defesa egoica, tornada paradoxal ao piorar a própria condição
consciencial: erros são cronicificados, compassageiros evolutivos são inaproveitados, tempo in-trafísico é desperdiçado e a necessidade do posterior empenho reparativo é multiplicada.
Vontade.Esta conscientização aciona a vontade firme, regrada pela intencionalidade
cosmoética e automotivação assistencial, no enfrentamento dosautesforços para os ressarcimen-tos demandados.
Recomposição. As recomposições podem parecer difíceis se analisadas do ponto de vis-ta presente. Entretanto, conforme as leis da Interprisiologia, sempre será mais fácil agora se com-parado ao futuro, devido às repercussões negativas das atitudes corretoras omitidas.
Ponderação.Eis, por exemplo, em ordem alfabética, 6 questionamentos, a serem res-pondidos com a máxima autocrítica, de preferência com a mente descansada e sem pressa, capa-zes de expandir as ponderações sobre a disfuncionalidade do orgulho teimoso:
1.  Autodessomatologia. Caso dessomasse agora e olhasse para trás, quais produções,
interrelações e reconciliações não foramnegligenciadas? Quais ainda são possíveis?
2.  Coerenciologia. Qual o nível de coerência entre os autovalores atuais e os valores
evolutivos? Há autovaloresretrógrados incompatíveis com o CI?
3.  Grupologia. Vale a pena continuar pagando preços antievolutivos para preservar ilu-soriamente a autoimagem? Discordâncias e antipatias valem o ônus do incompléxis?
4.  Perdologia. Qual o percentual de perdas evolutivas nos aparentes ganhos com a pos-tura orgulhosa? Há algum benefício perene?
5.  Priorologia. Qual o peso das prioridades de hoje para a autevolução daqui a10, 50
e 100 anos? Convém rever as autodecisões primordiais a partir de prioridades evolutivamente
prolíficas?
6.  Voliciologia. Onde errei? Como reparo? Quando começo?
Posturas.Eis, por exemplo, em ordem alfabética, a sugestão de 6 posturas capazes de
auxiliar no recobramento das atividades evolutivas:
1.  Corajosa: recomeçar sem constrangimentos caso precise retroceder em funções.
2.  Objetiva: focar nas requisições autevolutivas e não na opinião alheia.
3.  Pragmática: atuar no presente sem idealizar como seriasem a incorreção.
4.  Proativa: tomar a iniciativa, não esperando passivamente a açãodos outros.
5.  Responsável: honrar os comprometimentos não delegáveis assumidosna fase des-viante.
6.  Traforista: priorizar os propósitos comuns e não as imaturidades alheias.
E n c i c l o p é d i a d a C o n s c i e n c i o l o g i a 45
VI. Acabativa
Remissiologia. Pelos critérios da Mentalsomatologia, eis, por exemplo, na ordem alfabé-tica, 15 verbetes da Enciclopédia da Conscienciologia, e respectivas especialidades e temas cen-trais, evidenciando relação estreita com o orgulho teimoso, indicados para a expansão das aborda-gens detalhistas, mais exaustivas,dos pesquisadores, mulheres e homens interessados:
01. Autassédio: Parapatologia; Nosográfico.
02. Ectopia consciencial: Parapatologia; Nosográfico.
03. Erro crônico: Errologia; Nosográfico.
04. Intermissivista inadaptado: Parapatologia; Nosográfico.
05. Megatrafar antimaxiproéxis: Parapatologia; Nosográfico.
06. Momento da megadecisão: Recexologia; Neutro.
07. Negocinho evolutivo: Evoluciologia; Nosográfico.
08. Pesquisa do erro: Autopesquisologia; Homeostático.
09. Provadoorgulho: Autoconscienciometrologia; Nosográfico.
10. Retomador de tarefa: Recexologia; Homeostático.
11. Sequenciamento imoral: Parapatologia; Nosográfico.
12. Sustentação do erro: Parapatologia; Nosográfico.
13. Tríade da erronia: Parapatologia; Nosográfico.
14. Vaidade: Psicossomatologia; Nosográfico.
15. Viragem do megassediador: Terapeuticologia; Homeostático.
O ORGULHO TEIMOSOSUPERVALORIZA JUÍZOS ALHEIOS
EM DETRIMENTO DE AUTOCOMPROMISSOS EVOLUTIVOS.
É ADEFESA DA AUTOIMAGEM CONSTITUINDO TRAIÇÃO
DE VALORES E APTIDÕESDA AUTOCONSCIENCIALIDADE.
Questionologia. Você, leitor ou leitora, já autodiagnosticou alguma postura de orgulho
teimoso? Breve ou duradoura? Como conseguiu anular esta postura?
Bibliografia Específica:
1.  Vieira, Waldo; Homo sapiens pacificus; revisores Equipe de Revisores do Holociclo; 1.584 p.; 24 seções;
413 caps.; 403 abrevs.; 20 cenografias; 24 discografias; 38 E-mails; 434 enus.; 484 estrangeirismos; 240 filmes; 1 foto; 37
ilus.; 168 megapensenes trivocabulares; 1 microbiografia; 103 musicografias; 25 pinacografias; 240 sinopses; 36 tabs.; 15
websites; glos. 241 termos; 9.625 refs.; alf.; geo.; ono.; 29 x 21,5 x 7 cm; enc.; 3ªEd. Gratuita; Associação Internacional
do Centro de Altos Estudos da Conscienciologia (CEAEC); & Associação Internacional Editares; Foz do Iguaçu, PR;
2007; páginas 193, 230, 358, 413, 498, 565, 594, 786, 787, 984 e 985.
2.  Idem; Homo sapiens reurbanisatus; revisores Equipe de Revisores do Holociclo; 1.584 p.; 24 seções; 479
caps.; 139 abrevs.; 12 E-mails; 597 enus.; 413 estrangeirismos; 102 filmes; 1 foto; 40 ilus.; 3infográficos; 1 microbiogra-fia; 102 sinopses; 25 tabs.; 4 websites; glos. 241 termos; 7.665 refs.; alf.; geo.; ono.; 29 x 21 x 7 cm; enc.; 3ª Ed. Gratuita;
Associação Internacional do Centro de Altos Estudos da Conscienciologia (CEAEC); Foz do Iguaçu, PR; 2004; páginas
531 a 535, 591, 945, 946, 1.025, 1.026, 1.064 a 1.070.
3.  Idem; 700 Experimentos da Conscienciologia; 1.058 p.; 40 seções; 100 subseções; 700 caps.; 147 abrevs.;
1 cronologia; 600 enus.; 272 estrangeirismos; 2 tabs.; 300 testes; glos. 280 termos; 5.116 refs.; alf.; geo.; ono.; 28,5 x 21,5
x 7 cm; enc.; Instituto Internacional de Projeciologia; Rio de Janeiro, RJ; 1994; páginas 278, 403, 466, 511, 533, 562
e 707.
A. L.