MAPEAMENTO DA SINALÉTICA (AUTOSSINALETICOLOGIA)


MAPEAMENTO DA SINALÉT ICA
(AUTOSSINALET ICOLOGIA)
I. Conformática
Definologia. O mapeamento da sinalética é o procedimento paratécnico de identificação,
registro e decodificação da sinalética energética e parapsíquica pessoal, a fim de criar código de
autoparassegurança e comunicação a serviço da interassistência multidimensional.
Tematologia. Tema central neutro.
Etimologia. O termo mapa vem do idioma Italiano, mappa, “mapa”, e este do idioma
Latim, mappa, “toalhinha; guardanapo; representação gráfica de algum terreno”. Apareceu no Século
XVI. O vocábulo sinalética deriva do idioma Francês, signalétique, “que contém a sinalização,
a descrição de alguém ou de alguma coisa; que assinala por qualquer elemento característico”,
e este de signaler, “assinalar”. A palavra sinal surgiu no Século XII.
Sinonimologia: 1. Cartografia parapsíquica pessoal. 2 Topologia dos sinais parapsíquicos.
3. Mapeamento sinalético. 4. Registro da sinalética. 5. Rastreamento da sinalética parapsíquica.
Cognatologia. Eis, na ordem alfabética, 15 cognatos derivados do vocábulo mapa: holomapeamento;
mapeabilidade; mapeação; mapeada; mapeado; mapeador; mapeadora; mapeamento;
mapeante; mapear; mapeável; mapiador; mapiadora; maximapeamento; minimapeamento.
Neologia. As 3 expressões compostas mapeamento da sinalética, minimapeamento da
sinalética e maximapeamento da sinalética são neologismos técnicos da Autossinaleticologia.
Antonimologia: 1. Mapeamento dos parafenômenos. 2. Mapeamento dos chacras.
3. Mapeamento das sensações orgânicas simples.
Estrangeirismologia: o locus minoris resistentiae autoidentificado; o estado de on air
interassistencial full time.
Atributologia: predomínio das percepções extrassensoriais, notadamente do autodiscernimento
quanto à autoparaperceptibilidade.
Megapensenologia. Eis 2 megapensenes trivocabulares sintetizando o tema: – Sinalética:
despertador parapsíquico. Sinalética: parabússola pessoal.
Coloquiologia. Eis 3 expressões do coloquialismo relativas ao tema: – Onde há fumaça,
há fogo. Tem boi na linha. Escutou o galo cantar e não sabe onde.
II. Fatuística
Pensenologia: o holopensene pessoal da autoparaperceptibilidade; os parapensenes;
a parapensenidade; os energopensenes; a energopensenidade; os parapsicopensenes; a parapsicopensenidade;
os ortopensenes; a ortopensenidade; a assinatura pensênica.
Fatologia: o mapeamento dos 11 sentidos somáticos; o mapeamento das zonas erógenas;
a identificação das idiossincrasias; as alergias sendo sinais de alerta somático; a identificação dos
pontos de menor resistência somática; o detalhismo nas observações; a sensibilidade à flor da pele;
a exaustividade da autopesquisa; a sutileza dos sinais somáticos; os pares cranianos; o osso esfenóide;
a atualização contínua do gráfico das sinaléticas pessoais; os 361 pontos clássicos de
acupuntura a partir da Medicina Tradicional Chinesa (MTC); os nadis; os meridianos; as zonas
Head dos órgãos; as zonas de proteção do organismo; os somatótipos; o hábito sistemático da
autoperscrutação
holossomática; o alarme falso; o erro de interpretação; o sinal patognomônico interpretado
como sinalética.
Parafatologia: o mapeamento da sinalética; o mapeamento da sinalética pelo adolescente
inversor existencial; a segunda megaquisição parapsíquica; o mapeamento das percepções exEnci
clopédia da Consci enciologia
32
trassensoriais; o mapeamento dos trafores parapsíquicos; o estudo dos parassinais; a planta baixa
dos sinais parapsíquicos; o conjunto de elementos componentes de determinada sinalética parapsíquica;
o escaneamento holossomático da sinalética; a análise do conteúdo da sinalética; a antecâmara
da assim; o preparo para a iscagem lúcida; a autovivência do estado vibracional (EV) antecipatório;
o rastreamento dos sentidos além do sexto sentido; a sinalética parapsíquica avançada;
o mapeamento dos sinais de contato com o amparo extrafísico de função; as sinaléticas energéticas
e parapsíquicas indicando rotas de investigação; a autoparapercuciência; a sinalética recuperada
de retrovidas; a identificação do megassinal; a matematização da sinalética energética anímico-
parapsíquica pessoal; a aura da projeção lúcida; os sinais admonitórios da projeção lúcida;
o perfil parapsíquico; os sinais da exteriorização de ectoplasma; o sinal de chamamento interassistencial;
o sinal de alerta parafisiológico; a prontidão interassistencial; o plantão 24h interassistencial;
o mapeamento dos sinais da tenepes; a percepção extrassensorial (PES); o serviço de inteligência
parapsíquica; a sinalização parapsíquica; a ampliação da responsabilidade interassistencial;
a possibilidade de mapear centenas de sinaléticas parapsíquicas pessoais; o mapeamento da sinalética
parapsíquica grupal; o escrutínio holossomático; a meticulosidade paraperceptiva; a hiperacuidade;
a incúria impedindo a percepção da sinalética; as repercussões parapatológicas da sinalética
não atendida a tempo; a saída cosmoética do murismo pela tomada de atitude interassistencial
a partir da sinalética atendida; os indicadores característicos da sinalética; o reconhecimento
de sinal típico; a responsabilidade interassistencial predispondo o aumento da hiperacuidade parapsíquica.
III. Detalhismo
Sinergismologia: o sinergismo sinalética-sincronicidade; o sinergismo mapeamento da
sinalética–autodiagnóstico holossomático; o sinergismo conjugação sensorial–coativação atributiva–
composição parapsíquica.
Principiologia: o princípio cosmoético da prontidão parapsíquica.
Codigologia: o código pessoal de Cosmoética (CPC); a codificação da sinalética parapsíquica
pessoal.
Teoriologia: a teoria da sinalética energética parapsíquica pessoal.
Tecnologia: a técnica do EV escaneador energossomático; a técnica das 40 manobras
energéticas.
Laboratoriologia: o laboratório conscienciológico da sinalética energética e parapsíquica;
o laboratório conscienciológico do estado vibracional; o laboratório conscienciológico da
Parageneticologia.
Colegiologia: o Colégio Invisível da Parapercepciologia.
Efeitologia: o efeito das autoconfirmações de sinaléticas registradas; o efeito cumulativo
das sinaléticas na seriexialidade; o efeito precognitivo da sinalética.
Neossinapsologia: a neossinapse a partir da neossinalética energoparapsíquica.
Ciclologia: o ciclo EV–arco voltaico–mapeamento da sinalética–parapsiquismo lúcido.
Enumerologia: o mapeamento da sinalética de base somática; o mapeamento da sinalética
de base energossomática; o mapeamento da sinalética de base psicossomática; o mapeamento
da sinalética de base mentalsomática; o mapeamento da sinalética de base retrossomática;
o mapeamento da sinalética de base terapêutica; o mapeamento da sinalética de base cosmoética.
Binomiologia: o binômio autodefesa-autossegurança; o binômio sinal de alerta–atitude
certa; o binômio sinalética-assertividade; o binômio despertador-disparador; o binômio autoinvestigação-
autoperscrutação; o binômio Paranatomia-Parafisiologia.
Interaciologia: a interação sinalética–chacras–glândulas endócrinas; a interação sinalética–
pontos da acupuntura; a interação sinalética-nadis; a interação sinais fisiológicos–sinais
parafisiológicos; a interação sinais-sinalética-sintomas; a interação sinaléticas-retrossinaléticas.
Crescendologia: o crescendo EV–sinalética energética; o crescendo da Multidimensiologia
aquisitiva–executiva–distributiva; o crescendo evolutivo cascagrossismo energético–
–acervo de sinaléticas energéticas identificadas e aplicadas; o crescendo dicionário sinalético–
Enci clopédia da Consci enciologia 33
–dicionário parapsíquico; o crescendo autossensoriamento energético–esquadrinhamento autoparapsíquico;
o crescendo sinal patognomômico–sinal parapatognomômico–autocura; o crescendo
sinalética–parainterlocução direta–conscienciês.
Trinomiologia: o trinômio sinalética anímica–sinalética bioenergética–sinalética parapsíquica;
o trinômio sinal-resposta-responsividade; o trinômio observação-auscultação-percepção;
o trinômio taquirritmia-hiperacuidade-paraperceptibilidade.
Polinomiologia: o polinômio soma-energossoma-psicossoma-mentalsoma; o polinômio
sinalética somática–sinalética energossomática–sinalética psicossomática–sinalética mentalsomática;
o polinômio percepção-reconhecimento-discriminação-interpretação.
Antagonismologia: o antagonismo sinais externos / sinais internos; o antagonismo
atenção dividida / atenção saltuária; o antagonismo sinalética / sintomas.
Politicologia: a hermeneuticocracia.
Legislogia: a lei do maior esforço no mapeamento da sinalética.
Filiologia: a autoparapercepciofilia.
Mitologia: a eliminação dos mitos relativos aos sinais, marcas e sinaléticas parapsíquicas
pessoais.
Fobiologia: a autoparapesquisofobia.
Sindromologia: a síndrome da dispersão dificultando o mapeamento da sinalética.
Holotecologia: a energoteca; a parapsicoteca.
Interdisciplinologia: a Autossinaleticologia; a Autoparapercepciologia; a Parapercepciologia;
a Energossomatologia; a Multidimensiologia; a Hermeneuticologia; a Parassemiologia;
a Autotaquirritmologia; a Autopesquisologia.
IV. Perfilologia
Elencologia: a conscin lúcida; a isca humana lúcida; o ser desperto; o ser interassistencial;
a conscin enciclopedista; a pessoa antenada; a conscin parapsíquica atilada; a minipeça interassistencial.
Masculinologia: o docente conscienciológico; o inversor; o reciclante; o acoplador;
o coadjutor; o intermissivista; o consciencioterapeuta; o tenepessista; o projetor consciente; o epicon;
o teleguiado autocrítico.
Femininologia: a docente conscienciológica; a inversora; a reciclante; a acopladora;
a coadjutora; a intermissivista; a consciencioterapeuta; a tenepessista; a projetora consciente;
a epicon; a teleguiada autocrítica.
Hominologia: o Homo sapiens parapsychicus; o Homo sapiens energossomaticus;
o Homo sapiens epicentricus; o Homo sapiens attractivus; o Homo sapiens assistens; o Homo sapiens
energoexpositor; o Homo sapiens projectius; o Homo sapiens despertus.
V. Argumentologia
Exemplologia: minimapeamento da sinalética = a autocomprovação dos sinais energéticos
parapsíquicos pela conscin parapsíquica; maximapeamento da sinalética = a autocomprovação
de múltiplos sinais energéticos e parapsíquicos aplicados à tenepes.
Culturologia: a cultura da Parapercepciologia; a cultura da Sinaleticologia; a cultura
do parapsiquismo lúcido.
Taxologia. A partir da Hermeneuticologia, eis 15 categorias de análises, em ordem lógica,
a serem aplicadas na interpretação ou hermenêutica da sinalética percebida, contribuindo no
mapeamento sinalético:
Enci clopédia da Consci enciologia
34
01. Sinal. Registrar exatamente as características da sinalética percebida.
02. Contexto. Registrar o contexto ou a atividade sendo realizada no momento da sinalética.
03. Data. Registrar a data da ocorrência da sinalética.
04. Horário. Registrar o horário exato da percepção.
05. Soma. Registrar a região física ou manifestação fisiológica relacionada com a sinalética
percebida.
06. Companhias. Registrar as companhias no momento da identificação da sinalética.
07. Local. Registrar o local ou ambiente onde a sinalética foi manisfestada.
08. Autopensenidade. Registrar o padrão pensênico antes, durante e depois da identificação
da sinalética.
09. Confirmação. Registrar possível confirmação relativa à sinalética identificada.
10. Repetição. Registrar o número de vezes da mesma sinalética percebida.
11. Padrão. Registrar o padrão comum, repetido, da sinalética.
12. Parafisiologia. Registrar os chacras de maior relação com a sinalética.
13. Informação. Registrar o conteúdo ou a mensagem passada a partir da sinalética.
14. Sincronicidades. Registrar se ocorreu a interação da sinalética com algum tipo de
sincronicidade.
15. Autodiscernimento. Registrar a classificação da categoria da sinalética percebida,
a partir de padrão homeostático ou patológico.
Homeostaticologia. Quanto maior o percentual de homeostasia manifestado pela conscin
parapsíquica, maior é a capacidade de identificar de imediato qualquer tipo de sinalética de
base patológica, devido ao contraste gritante na própria parapsicosfera hígida.
Veredicto. O historiador de arte Bernard Berenson (1865–1959) foi capaz de identificar
obra de arte falsificada por sinal pessoal de tilintar no próprio ouvido, seguido de depressão momentânea.
Ele relatou estes sinais durante o julgamento do caso em tribunal.
Quadro. O ideal é a conscin parapsíquica criar quadro sinóptico das próprias sinaléticas,
compondo mapa detalhado e classificado de sinais, inclusive com a representação gráfica dos indícios
no soma e energossoma.
VI. Acabativa
Remissiologia. Pelos critérios da Mentalsomatologia, eis, por exemplo, na ordem alfabética,
15 verbetes da Enciclopédia da Conscienciologia, e respectivas especialidades e temas centrais,
evidenciando relação estreita com o mapeamento da sinalética, indicados para a expansão
das abordagens detalhistas, mais exaustivas, dos pesquisadores, mulheres e homens interessados:
01. Abordagem extrafísica: Extrafisicologia; Neutro.
02. Autodiscernimento energético: Energossomatologia; Homeostático.
03. Autoparapercepciologia ideal: Autopesquisologia; Homeostático.
04. Banho energético: Energossomatologia; Homeostático.
05. Evolução energossomática: Energossomatologia; Homeostático.
06. Interassistencialidade: Assistenciologia; Homeostático.
07. Maxiconvergência incessante: Evoluciologia; Homeostático.
08. Parapsiquismo: Parapercepciologia; Homeostático.
09. Parapsiquismo despercebido: Parapercepciologia; Neutro.
10. Pararrealidade: Extrafisicologia; Neutro.
11. Ponteiro consciencial: Holomaturologia; Homeostático.
12. Recurso parapsíquico: Parapercepciologia; Neutro.
13. Semiparapercepção: Parapercepciologia; Nosográfico.
14. Sinalética parapsíquica: Parapercepciologia; Homeostático.
Enci clopédia da Consci enciologia 35
15. Sinalizador evolutivo: Evoluciologia; Homeostático.
O MAPEAMENTO DA SINALÉTICA ATESTA A VALORIZAÇÃO
DADA PELA CONSCIN INTERMISSIVISTA AO AUTOPARAPSIQUISMO,
À COMUNICAÇÃO INTERDIMENSIONAL
E À RESPONSABILIDADE INTERASSISTENCIAL EVOLUTIVA.
Questionologia. Você, leitor ou leitora, já mapeou as próprias sinaléticas energéticas
e parapsíquica pessoal? Quais proveitos evolutivos obteve a partir da identificação das mesmas?
Bibliografia Específica:
1. Gladwell, Malcolm; Blink: A Decisão num Piscar de Olhos; 254 p.; 6 caps.; 21 x 14 cm; enc.; Rocco; Rio
de Janeiro, RJ; 2005; páginas 55 a 57.
2. Vieira, Waldo; Homo sapiens reurbanisatus; 1.584 p.; 479 caps.; 139 abrevs.; 40 ilus.; 7 índices; 102
sinopses; glos. 241 termos; 7.655 refs.; alf.; geo.; ono.; 29 x 21 x 7 cm; enc.; 3ª Ed. Gratuita; Associação Internacional do
Centro de Altos Estudos da Conscienciologia (CEAEC); Foz do Iguaçu, PR; 2004; páginas 86, 119, 219, 223, 262, 463,
647, 801 e 820.
S. T.