ESTRATÉGIA DE ENFRENTAMENTO (ETOLOGIA)


ESTRATÉGIA DE ENFRENTAMENTO
(ETOLOGIA)
I. Conformática
Definologia. A estratégia de enfrentamento é o modo ou maneira específica da consciência
responder às ameaças contingentes, percalços, reveses, adversidades, frustrações, estresses
e aos constantes desafios propostos pela Evoluciologia, buscando adaptação e manutenção da integridade
consciencial.
Tematologia. Tema central neutro.
Etimologia. A palavra estratégia procede do idioma Grego, stratégía, “o cargo do comandante
de alguma armada; o cargo ou a dignidade de determinado ministro da guerra na antiga
Atenas; o pretor, em Roma; manobra ou artifício militar”. Surgiu no Século XIX. O termo enfrentar
é constituído pelo prefixo do idioma Latim, en, “em; a; sobre; superposição; aproximação; introdução;
transformação”, e pelo vocábulo do idioma Espanhol, frente, derivado do idioma Latim,
frons, “fronte; testa; rosto; semblante; cara”. Apareceu no mesmo Século XIX.
Sinonimologia: 1. Modo de enfrentamento; resposta de enfrentamento. 2. Estratégia de
manejo. 3. Capacidade de ajustamento. 4. Resposta de adaptação. 5. Comportamento de autoproteção.
Neologia. As duas expressões compostas estratégia de enfrentamento primitiva e estratégia
de enfrentamento avançada são neologismos técnicos da Etologia.
Antonimologia: 1. Mecanismo de defesa do ego (MDE). 2. Esquema cognitivo.
Estrangeirismologia: o coping; o modus operandi; o workaholism; o freezing; a personalidade
com característica de hardiness encarando as demandas cotidianas na forma de desafios
ao invés de ameaças.
Atributologia: predomínio das faculdades mentais, notadamente do autodiscernimento
quanto à Holomaturologia Comportamental.

Megapensenologia. Eis 1 megapensene trivocabular contributivo na compreensão do tema:
– Serenidade: atitude íntima.
Coloquiologia. Eis duas expressões populares referentes à tendência de usar sempre
a mesma estratégia de enfrentamento na solução de problemas e à inabilidade ao lidar com estresse
continuado: – Nem tudo é prego que você dá martelada. Queimar a vela da vida pelas
duas pontas.
Citaciologia: – Perturbam aos homens não as coisas, senão a opinião que delas têm
(Epicteto, 55–135 e.c.).
II. Fatuística
Pensenologia: o holopensene pessoal da holomaturidade evolutiva; os maturopensenes;
a maturopensenidade; os patopensenes; a patopensenidade, os nosopensenes; a nosopensenidade;
os morbopensenes; a morbopensenidade; os toxicopensenes; a toxicopensenidade; os estultopensenes;
a estultopensenidade; os traumatopensenes; a traumatopensenidade; os esquizopensenes;
a esquizopensenidade; o holopensene da irracionalidade; os ortopensenes; a ortopensenidade; os
evoluciopensenes; a evoluciopensenidade.
Fatologia: a estratégia de enfrentamento; o exercício da inteligência evolutiva (IE) no
enfrentamento crítico; o exemplarismo alheio encorajando os autenfrentamentos; as estratégias de
reasseguramento da conscin com ansiedade social; o estratagema recorrente de colocar panos
quentes (evitação); as autofugas através dos comportamentos compulsivos (drogas, alimentação,
consumismo, sexo, Internet, workaholism); a procrastinação estagnante; a experiência pessoal
ampliando a autoconfiança; a postura sadia do professor de Conscienciologia diante dos percalços
e desafios da tares; o curso de Extensão em Conscienciologia e Projeciologia 1 (ECP1); as estraEnci
clopédia da Consci enciologia
9
tégias hipercompensatórias dificultando o autodiagnóstico; a superação da rendição às próprias
vulnerabilidades; as doenças psicossomáticas; a Higiene Consciencial promovendo respostas mais
adaptativas; as repressões infantis moldando modos de enfrentamento; o fenômeno da inatividade
aprendida; o isolamento paralisante na depressão reativa; a automimese existencial dispensável;
o manejo dos estressores psicossociais; o tema existencial recorrente aguardando solução efetiva
da consciência; o alcoolismo resultante de manejo disfuncional do estresse emocional; a adversidade
exigindo as autorreciclagens; os efeitos holossomáticos dos mecanismos de defesa do ego;
as reações às dissonâncias cognitivas promovidas pelas verdades relativas de ponta (verpons);
o cérebro reptiliano ainda embasando as reações humanas; a aprendizagem da modulação do medo;
a estratégia pró-evolutiva da antivitimização diante dos percalços; o transtorno de ansiedade
generalizada (TAG); os módulos de inteligência interna e contextual na seleção de estratégia de
manejo; a tendência ancestral do macho primata de responder às ameaças lutando ou fugindo;
a tendência ancestral da fêmea primata de responder às ameaças formando alianças sociais e cuidando
dos filhotes; o calculismo cosmoético; o sistema de crenças na atribuição de significados
aos fatos e parafatos modulando as respostas de enfrentamento; o procedimento metacognitivo
estruturado na resolução de conflitos; as reações de defesa à autestima; a estratégia de sobrepairar
o momento grave na busca de isenção e equilíbrio; os segundos de impulsividade gerando séculos
de necessidade de recomposição evolutiva; as desdramatizações ampliando a lucidez; as consequências
ambíguas da tendência filogenética de antecipar o pior diante dos desafios e percalços
da vida cotidiana; o falso positivo na avaliação das ameças; a identificação e reestruturação dos
esquemas cognitivos autolimitantes; os fatores conscienciais e holossomáticos da resiliência permitindo
maior equilíbrio e destreza frente às situações estressantes.
Parafatologia: a estratégia da autovivência do estado vibracional (EV) na qualificação
dos enfrentamentos cotidianos; a estratégia do encapsulamento promovida pelo amparador em situações
críticas; a pré-aula do professor itinerante de Conscienciologia; o desequilíbrio energético
gerado pelo ansiosismo; a labilidade parapsíquica; o desassédio extrafísico por meio da projeção
lúcida; as estratégias evolutivas assimiladas no Curso Intermissivo (CI); a rememoração providencial
da mensagem final do Curso Intermissivo definindo o enfrentamento sadio de crise existencial;
os condicionamentos intrafísicos refletindo nas reações extrafísicas da conscin projetada;
os Cursos Intermissivos amenizando características do temperamento; as habilidades de manejo
da isca lúcida.
III. Detalhismo
Sinergismologia: o sinergismo senso de auteficácia elevado–locus de controle interno–
–estilo explicativo otimista no manejo de situações estressantes; o sinergismo relevalidade-desperticidade;
o sinergismo autocosmoética–autocoerência–autodefesa energética.
Principiologia: o princípio profilático de pensenizar antes de agir; o princípio da descrença
aplicado às próprias interpretações dos fatos e parafatos; o princípio da inseparabilidade
grupocármica; o princípio do posicionamento pessoal (PPP); o princípio do exemplarismo pessoal;
o princípio “do chão não passa” na confrontação do medo.
Codigologia: o código pessoal de Cosmoética (CPC) apurando as estratégias de enfrentamento
evolutivas.
Teoriologia: a teoria das interprisões grupocármicas; a teoria do Homo sapiens serenissimus.
Tecnologia: a técnica da invéxis; a técnica da recéxis; a técnica didática de filmar
e analisar as reações da autexposição; as técnicas de manejo de estresse; a técnica comportamental
de exposição e prevenção de resposta de esquiva na superação de transtornos de ansiedade;
a técnica da dessensibilização sistemática; a técnica do cartão de enfrentamento (lembrete);
as técnicas cognitivo-comportamentais no desenvolvimento de habilidades metacognitivas de enfrentamento;
as técnicas de desenvovimento de habilidades sociais; as técnicas de mediação de
conflitos; a técnica etológica do salto baixo; as técnicas paradiplomáticas.
Enci clopédia da Consci enciologia
10
Laboratoriologia: o laboratório conscienciológico da Pensenologia; o laboratório
conscienciológico da imobilidade física vígil (IFV); o laboratório conscienciológico da Cosmoeticologia;
o laboratório conscienciológico da Despertologia; o laboratório conscienciológico Serenarium.
Colegiologia: o Colégio Invisível dos Pesquisadores da Conscienciologia; o Colégio Invisível
da Psicossomatologia; o Colégio Invisível da Recexologia; o Colégio Invisível da Consciencioterapia.
Efeitologia: os efeitos holossomáticos do estresse negativo; os efeitos das carências primárias
não atendidas diante dos desafios existenciais; os efeitos nocivos das ECs patológicas; os
efeitos dos enfrentamentos maduros nas autorreciclagens existenciais frequentes; os efeitos do
Curso Intermissivo no modus operandi da conscin; os efeitos homeostáticos do EV na resolução
de problemas; os efeitos da consciencialidade sobre as decisões de destino.
Neossinapsologia: as neossinapses promovidas pelas neoverpons qualificando as estratégias
de enfrentamento.
Ciclologia: o ciclo de resolução de problemas; o ciclo vicioso esquema cognitivo disfuncional–
distorções cognitivas–estratégias de enfrentamento desadaptativas; o ciclo bloqueio das
energias cranianas–rebaixamento do autodiscernimento–ativação do modo instintivo.
Enumerologia: a estratégia de enfrentamento regressiva; a estratégia de enfrentamento
evitativa; a estratégia de enfrentamento paranoide; a estratégia de enfrentamento depressiva;
a estratégia de enfrentamento antissocial; a estratégia de enfrentamento repressiva; a estratégia
de enfrentamento recicladora; a estratégia de enfrentamento evolutiva.
Binomiologia: o binômio abertismo consciencial–desassombro cosmoético; o binômio
subcérebro abdominal–porão consciencial; o binômio ortopensenidade-resolutividade; o binômio
autassedialidade-heterassedialidade; o binômio algoz-vítima; o binômio falência adaptativa–
transtorno de ajustamento; o binômio descensão cosmoética–autodespojamento; o binômio
inteligência interpessoal–habilidades sociais; o binômio serenidade-benignidade.
Interaciologia: a interação paragenética–genética–mesologia; a interação temperamento
inato–modelos parentais–necessidades primárias–experiências iniciais na modelação inicial
das estratégias de manejo da conscin.
Crescendologia: o crescendo (patológico) reatividade-agressividade-violência; o crescendo
(patológico) omissão deficitária–dissimulação–mentira; o crescendo (doentio) medo-evitação-
fobia; o crescendo (nosográfico) estresse continuado–resistência–esgotamento–depressão;
o crescendo (homeostático) empatia-intercompreensão-anticonflitividade-megafraternidade.
Trinomiologia: o trinômio congelamento-fuga-luta; o trinômio (estilo de enfrentamento)
rendição–evitação–hipercompensação; o trinômio passividade–agressividade–assertividade;
o trinômio evitação cognitiva–evitação emocional–evitação comportamental; o trinômio crise
histérica–chilique–faniquito; o trinômio crise de crescimento–autenfrentamento sadio–reciclagem
intraconsciencial; o trinômio Curso Intermissivo–proéxis–estratégias evolutivas; o trinômio
hoje-aqui-já.
Polinomiologia: o polinômio situação–interpretação–emoção–repercussão energética–
–resposta fisiológica–comportamento; o polinômio estresse negativo–carga alostática–redução
da capacidade cognitiva–aumento da atividade da amígdala cerebral–prejuízo das estratégias de
enfrentamento; o polinômio lavagem paracerebral–lavagem cerebral–genuflexão; o polinômio
paragenética–resiliência–domínio energético–mitridatismo; o polinômio discernimento-eutimia-
-ataraxia-desperticidade.
Antagonismologia: o antagonismo estratégia de manejo (coping) focada na emoção /
estratégia de manejo focado no problema; o antagonismo reatividade / recin; o antagonismo
crise de sofrimento / crise de crescimento; o antagonismo distresse / eustresse; o antagonismo
cético-otimista-cosmoético (COC) / Poliana; o antagonismo personalidade tipo A / personalidade
tipo B; o antagonismo fibra muscular / fibra neuronial; o antagonismo instinto / autodiscernimento;
o antagonismo abstinência da Baratrosfera / senso intermissivista; o antagonismo enfrentamento
ectópico / enfrentamento proexológico; o antagonismo perspectiva trafarista / perspectiva
traforista; o antagonismo minidissidência / maxidissidência; o antagonismo reação de
Enci clopédia da Consci enciologia
11
medo / reação contrafóbica; o antagonismo omissão deficitária / omissão superavitária; o antagonismo
retrocondicionamentos / neoestratégias evolutivas.
Paradoxologia: o paradoxo da agressividade sadia; o paradoxo da técnica do estoque
regulador de ouvintes; o paradoxo do modo disfuncional ser funcional em certos contextos específicos;
o paradoxo das estratégias de enfrentamento primitivas ter origem na autopreservação
do soma destrutível e o parafato da consciência ser indestrutível.
Politicologia: a lucidocracia superando a belicosocracia; a discernimentocracia; a pacienciocracia;
a cosmoeticocracia; a eliminação da autocracia; a meritocracia.
Legislogia: a lei do menor esforço; a lei do maior esforço no expurgo das excrescências
intraconscienciais; a lei do retorno; a lei da inseparabilidade grupocármica.
Filiologia: a recexofilia; a sociofilia; a conviviofilia; a evoluciofilia; a autocogniciofilia;
a logicofilia; a raciocinofilia; a criticofilia; a fatofilia.
Fobiologia: a autocriticofobia; a decidofobia; a autopesquisofobia; a panicofobia; a neofobia;
a tanatofobia; a fracassofobia; a biofobia.
Sindromologia: a síndrome da adaptação geral; a síndrome de burnout; a síndrome de
Atlas; a síndrome de Sísifo nas recomposições grupocármicas; as síndromes de ansiedade; as síndromes
de humor (depressão, bipolaridade); a síndrome da ectopia afetiva ou dos amores errados
(SEA); a síndrome do estrangeiro; a síndrome da autovitimização; a síndrome do fracasso; a síndrome
de Jonas; a síndrome da mediocrização ou normose; as síndromes regressivas; a síndrome
de Gabriela sabotando as autorreciclagens; a síndrome do segredo resultando resposta desadaptativa
a trauma sexual; os raptus na síndrome da raiva ou transtorno explosivo intermitente; a hipercompensação
presente na estratégia contrafóbica da vítima da síndrome de Estocolmo.
Maniologia: a apriorismomania; a riscomania; a toxicomania; a nosomania; a ergasiomania;
a fracassomania; a megalomania.
Mitologia: o mito da evolução consciencial sem oscilações regressivas até a desperticidade;
o mito de evoluir sem errar.
Holotecologia: a psicopatoteca; a psicoteca; a conflitoteca; a problematicoteca; a nosoteca;
a trafaroteca; a criticoteca; a convivioteca; cosmoeticoteca; evolucioteca.
Interdisciplinologia: a Etologia; a Psicopatologia; a Parapsicopatologia; a Psicossomatologia;
a Nosologia; a Psiconeuroimunologia; a Neurociência; a Temperamentologia; a Psicologia
Evolutiva; a Psicologia Cognitivo-Comportamental; a Conscienciometrologia; a Consciencioterapia;
a Interprisiologia; a Desassediologia; a Reeducaciologia.
IV. Perfilologia
Elencologia: a conscin lúcida; a isca humana lúcida; o ser desperto; o ser interassistencial;
a conscin enciclopedista; a consciênçula; a consréu ressomada; a conscin baratrosférica; a isca
humana inconsciente; a consciência em subnível nas autorrealizações.
Masculinologia: o workaholic; o estressado; o buscador-borboleta; o professor da Conscienciologia;
o acoplamentista; o agente retrocognitor; o amparador intrafísico; o atacadista consciencial;
o autodecisor; o intermissivista; o cognopolita; o compassageiro evolutivo; o comunicólogo;
o conscienciólogo; o conscienciômetra; o consciencioterapeuta; o macrossômata; o conviviólogo;
o duplista; o duplólogo; o proexista; o proexólogo; o reeducador; o epicon lúcido; o escritor;
o evoluciente; o exemplarista; o intelectual; o pensador; o reciclante existencial; o inversor
existencial; o maxidissidente ideológico; o minidissidente ideológico; o retomador de tarefa; o debatedor;
o tenepessista; o ofiexista; o parapercepciologista; o pesquisador; o pré-serenão vulgar;
o projetor consciente; o sistemata; o tertuliano; o verbetólogo; o voluntário; o tocador de obra;
o homem de ação; o calculista cosmoético; o autodecisor; o tertuliano; o pesquisador independente;
o paracientista.
Femininologia: a workaholic; a estressada; a buscadora-borboleta; a professora da
Conscienciologia; a acoplamentista; a agente retrocognitora; a amparadora intrafísica; a atacadista
Enci clopédia da Consci enciologia
12
consciencial; a autodecisora; a intermissivista; a cognopolita; a compassageira evolutiva; a comunicóloga;
a consciencióloga; a conscienciômetra; a consciencioterapeuta; a macrossômata; a convivióloga;
a duplista; a duplóloga; a proexista; a proexóloga; a reeducadora; a epicon lúcida; a escritora;
a evoluciente; a exemplarista; a intelectual; a pensadora; a reciclante existencial; a inversora
existencial; a maxidissidente ideológica; a minidissidente ideológica; a retomadora de tarefa;
a debatedora; a tenepessista; a ofiexista; a parapercepciologista; a pesquisadora; a pré-serenona
vulgar; a projetora consciente; a sistemata; a tertuliana; a verbetóloga; a voluntária; a tocadora de
obra; a mulher de ação; a calculista cosmoética; a autodecisora; a tertuliana; a pesquisadora independente;
a paracientista.
Hominologia: o Homo sapiens agens; o Homo sapiens autodecisor; o Homo sapiens
inadaptatus; o Homo sapiens bellicosus; o Homo sapiens anxius; o Homo sapiens carnifex;
o Homo sapiens polyedricus; o Homo sapiens ratiocinator; o Homo sapiens lucidologus; o Homo
sapiens holomaturologus; o Homo sapiens despertus; o Homo sapiens pacificus; o Homo sapiens
logicus; o Homo sapiens scientificus.
V. Argumentologia
Exemplologia: estratégia de enfrentamento primitiva = o modo de ação da conscin, diante
de ameaça ou desafio, predominantemente assentado na instintividade das emoções primárias;
estratégia de enfrentamento avançada = o modo de ação da conscin, diante de ameaça ou desafio,
predominantemente assentado no autodiscernimento da inteligência evolutiva.
Culturologia: os idiotismos culturais recrudescendo certos modos de enfrentamento da
conscin; a superação da cultura do medo; a cultura da Dessomatologia; a cultura da megafraternidade
suplantando o darwinismo social; a cultura do autodiscernimento; a cultura da Reeducaciologia.
Regressismo. Conforme a Etologia, eis, por exemplo, em ordem alfabética, cotejo de 11
modos atávicos de enfrentamento, reforçados em inúmeras retrovidas, com as respectivas respostas
nosográficas atuais, relacionadas, passíveis de serem observadas no universo da conscin
pré-serenona:
01. Belicismo. A violência primária do tacape na solução de conflitos. A reatividade expressa
no argumento ad baculum, no uso deslocado do argumento ad hominem, na ironia e na satisfação
malévola.
02. Dependência. A compensação da fraqueza alinhando-se aos mais fortes ou capazes.
A conscin dependente subestimando os trafores e não assumindo as autorresponsabilidades
perante a interdependência evolutiva.
03. Depressão. A condição de anedonia pós-trauma em resposta à situação aversiva recorrente
não controlável ou mesmo favorecendo a recuperação ou “cicatrização”. A depressão
reativa da conscin frustrada em interesses egoicos.
04. Disfarce. A dissimulação de fraqueza, ferimento ou vulnerabilidade somática a fim
de não se tornar alvo de predadores. A conscin bifronte, sociofóbica, evitando exposição social,
escrutínio alheio e heterocríticas.
05. Esquiva. A estratégia de evitação diante de situação ou estímulo ameaçador.
A conscin sem ousadia evolutiva esquivando-se das autorreciclagens consideradas ameçadoras às
próprias convicções ultrapassadas.
06. Imobilidade. A autodefesa da letissimulação ao lidar com ameaça dissuadindo
o predador estimulado por movimento. A conscin em ponto morto, decidofóbica, em autocobrança
paralizadora, superestimando ameaças e rendendo-se aos próprios trafares.
07. Narcisismo. A dominância do macho alfa ou da fêmea alfa sobre os demais a fim de
garantir a sobrevivência, evitar concorrência e propagar genes. A conscin invejosa, funcionando
em modo autengrandecedor, siderada em poder, prestígio e status. Libido dominandi.
Enci clopédia da Consci enciologia
13
08. Pânico. A resposta fisiológica instintiva extrema perante situação ameaçadora à sobrevivência.
A conscin vítima de transtornos de ansiedade acionando estratégia instintiva de autopreservação
incompatível com a natureza do problema confrontado.
09. Paranoia. O modo hiperalerta ativado a fim de não se tornar presa em ambiente
consistentemente perigoso. A desconfiança monopolizadora da conscin nas relações interpessoais
no universo da Conviviologia.
10. Sociopatia. A estratégia predatória de sobrevivência em circunstâncias de escassez
de recursos. A sociopatia da conscin escaladora social, anticosmoética, autocentrada e com baixa
empatia.
11. Subjugação. A submissão reduzindo as chances de produzir raiva e consequente
agressão por parte de dominante hostil. A conscin genuflexa evitando suposta desaprovação ou
retaliação no âmbito das interprisões grupocármicas.
Atualização. As estratégias de enfrentamento desadaptativas e estagnadoras da autevolução
refletem matrizes mentais anacrônicas confirmadas por distorções cognitivas (autassédio / heterassédio)
requerendo reestruturação e atualização.
Casuística. Caso ilustrativo de estratégia extemporânea de enfrentamento é o de Hiroo
Onoda (1922–), oficial japonês da inteligência do exército, alocado nas Filipinas durante a Segunda
Guerra Mundial. Após inúmeras tentativas de convencê-lo do término da guerra, somente depois
de 29 anos da rendição do Japão, Onoda aceitou o fato e rendeu-se emergindo da selva, vestindo
uniforme e espada, com seu rifle Arisaka ainda em condições operacionais, com 500 cartuchos
de munição e diversas granadas de mão.
Conviviologia. A fixação da conscin em determinado modus operandi traz desajustes
importantes na socialização, com repercussões multidimensionais. Tal condição pode estender-se
em quadros de parapsicose pós-dessomática ampliando os contingentes das reurbanizações extrafísicas.
Personalidade. No universo da Psicopatologia, inúmeros transtornos podem ser avaliados
à luz da ativação de modos primitivos ou anacrônicos de enfrentamento (porão consciencial).
Eis, a título de reflexão, em ordem alfabética, 9 exemplos de transtornos de personalidade com as
respectivas ameaças (medos), estratégias de enfrentamento excessivas e estratégias sadias a desenvolver:
A. Personalidade antissocial.
1. Ameaças: ser vítima; explorar por julgar-se vitimado.
2. Estratégias excessivas: combatividade; exploração; fraude; predação.
3. Estratégias sadias a desenvolver: empatia; reciprocidade; sensibilidade social.
B. Personalidade dependente.
1. Ameaças: abandono; rejeição.
2. Estratégias excessivas: apego extremo; buscar ajuda.
3. Estratégias sadias a desenvolver: autossuficiência; mobilidade.
C. Personalidade esquiva.
1. Ameaças: parecer “fraude”; ser desprezado; ser humilhado; ser rejeitado.
2. Estratégias excessivas: autexclusão; evitação; inibição.
3. Estratégias sadias a desenvolver: agressividade sadia; assertividade; socialização.
D. Personalidade esquizoide.
1. Ameaças: perder a liberdade de ação nos relacionamentos; os outros são frustrantes.
2. Estratégias excessivas: autonomia; isolamento.
Enci clopédia da Consci enciologia
14
3. Estratégias sadias a desenvolver: intimidade; reciprocidade.
E. Personalidade histriônica.
1. Ameaças: não ser o centro das atenções; ser preterido.
2. Estratégia excessivas: exibicionismo; expressividade; impressionismo; sedução.
3. Estratégias sadias a desenvolver: controle; reflexão; sistematização.
F. Personalidade narcisista.
1. Ameaças: não estar no topo; derrotas; ser mediano.
2. Estratégias excessivas: autengrandecimento; competitividade; manipulação.
3. Estratégias sadias a desenvolver: compartilhamento; identificação com o grupo.
G. Personalidade obsessivo-compulsiva.
1. Ameaças: desorganização; erros; falhas; imperfeições.
2. Estratégias excessivas: controle; catastrofismo; responsabilidade; sistematização.
3. Estratégias sadias a desenvolver: divertimento; lazer; relaxamento.
H. Personalidade paranoide.
1. Ameaças: controle; discriminação; humilhação; manipulação.
2. Estratégias excessivas: desconfiança; suspeita; vigilância.
3. Estratégias sadias a desenvolver: aceitação; confiança; serenidade.
I. Personalidade passivo-agressiva.
1. Ameaças: perda de aprovação; redução de autonomia.
2. Estratégias excessivas: autonomia; parecer submisso; resistência; sabotagem.
3. Estratégias sadias a desenvolver: atividade; assertividade; cooperação; intimidade.
VI. Acabativa
Remissiologia. Pelos critérios da Mentalsomatologia, eis, por exemplo, na ordem alfabética,
15 verbetes da Enciclopédia da Conscienciologia, e respectivas especialidades e temas centrais,
evidenciando relação estreita com a estratégia de enfrentamento, indicados para a expansão
das abordagens detalhistas, mais exaustivas, dos pesquisadores, mulheres e homens interessados:
01. Adaptabilidade: Adaptaciologia; Neutro.
02. Adaptaciofilia: Adaptaciologia; Homeostático.
03. Adulto-criança: Consciencioterapia; Nosográfico.
04. Antivitimologia: Holomaturologia; Homeostático.
05. Autofuga: Psicossomatologia; Nosográfico.
06. Autoimunidade consciencial: Despertologia; Homeostático.
07. Autovitimização: Parapatologia; Nosográfico.
08. Distorção cognitiva: Parapatologia; Nosográfico.
09. Escolha evolutiva: Experimentologia; Homeostático.
10. Know-how evolutivo: Evoluciologia; Homeostático.
11. Mimeticologia: Intrafisicologia; Neutro.
12. Paraetologia: Parassociologia; Neutro.
13. Parêntese patológico: Grafopensenologia; Nosográfico.
14. Racionalidade completa: Autodiscernimentologia; Neutro.
15. Relevalidade: Holomaturologia; Homeostático.
Enci clopédia da Consci enciologia
15
AS ESTRATÉGIAS DE ENFRENTAMENTO APLICADAS NOS
MOMENTOS CRÍTICOS E DESAFIOS EVOLUTIVOS, TRADUZEM
O REAL PATAMAR DE AUTODISCERNIMENTO, HOLOMATURIDADE
E INTELIGÊNCIA EVOLUTIVA DA CONSCIN.
Questionologia. Você, leitor ou leitora, já avaliou a qualificação das próprias estratégias
de enfrentamento diante dos percalços e desafios cotidianos? Qual o saldo de anticonflituosidade
e homeostase holossomática atual?
Bibliografia Específica:
1. Beck, Aaron T.; Freeman, Arthur; Davis, Denise D.; & Colaboradores; Terapia Cognitiva dos Transtornos
da Personalidade (Cognitive Therapy of Personality Disorders); revisor Cristiano Nabuco de Abreu; trad. Maria
Adriana Veríssimo Veronese; 342 p.; 16 caps.; 415 refs.; 25 x 17,5 cm; br.; Artmed; Porto Alegre, RS; 2005; páginas 31
a 57.
2. Bortoloti, Marcelo; A Batalha do Senhor Onoda; Veja; Revista; Semanário; Ed. 1.997; Ano 40; N. 08;
Seção: História; 3 ilus.; São Paulo, SP; 28.02.07; páginas 80 a 82.
3. Gazzaniga, Michael S.; & Heatherton, Todd F.; Ciência Psicológica: Mente, Cérebro e Comportamento
(Psychological Sience: Mind, Brain and Behavior); trad. Maria Adriana Veríssimo Veronese; 624 p.; 17 caps.; 904 refs.;
28 x 21 cm; br.; Artmed; Porto Alegre, RS; 2005; páginas 332 a 341.
4. Solomon, Andrew; O Demônio do Meio-dia: Uma Anatomia da Depressão (The Noonday Demon: An
Anatomy of Depression); revisoras Fátima Fadel; & Clarisse Cintra; trad. Myriam Campello; 816 p.; 12 caps.; 891 refs.;
17 x 12 cm; br.; Objetiva; Rio de Janeiro, RJ; 2010; páginas 568 a 598.
5. Young, Jeffrey E.; Klosko, Janet S.; & Weishaar, Marjorie; Terapia do Esquema: Guia de Técnicas Cognitivo-
Comportamentais Inovadoras (Schema Therapy); revisor Paulo Knapp; trad. Roberto Cataldo Costa; 368 p.; 10
caps.; 104 refs.; 25 x 17,5 cm; br.; Artmed; Porto Alegre, RS; 2008; páginas 44 a 54, 242 e 243.
R. B.