ESCRÚPULO (COSMOETICOLOGIA)


ESCRÚPULO
(COSMOETICOLOGIA)

I.  Conformática

Definologia. O  escrúpulo  é a qualidade, trafor ou condição da consciência dotada de
sentido cosmoético, expressando o caráter íntegro com cuidado, rigor e meticulosidade, por meio
de manifestações pensênicas, a partir da intencionalidade discernida.
Tematologia. Tema central homeostático.
Etimologia. O termo escrúpulo deriva do idioma Latim, scrupulum ou scripulum, “pe-
drinha; seixinho; escrópulo; 24a
 parte da onça; embaraço; dificuldade; cuidado; inquietação;
temor; medo; receio”. Surgiu no Século XV. 
Sinonimologia:  01.  Consciencialidade; cosmoeticidade. 02.  Lisura; pudor. 03.  Zelo
moral. 04.  Dignidade. 05.  Autocorreção; magnanimidade; meticulosidade. 06.  Autoincorruptibi-
lidade. 07.  Autoprobidade. 08.  Autenticidade. 09.  Ortopensenidade. 10.  Moralidade.
Cognatologia. Eis, na ordem alfabética, 17 cognatos derivados do vocábulo escrúpulo:
escrupularia; escrupulear; escrupulidade; escrupulidão; escrupulização; escrupulizador; escru-
pulizadora; escrupulizar; escrupulosa; escrupulosidade; escrupuloso; inescrúpulo; inescrupulo-
sa; inescrupuloso; miniescrúpulo; semiescrúpulo; superescrúpulo.  
Neologia.  Os 2 vocábulos  semiescrúpulo  e  inescrúpulo  são neologismos técnicos da
Cosmoeticologia.
Antonimologia: 01.  Inconsciencialidade; inescrúpulo. 02.  Anticosmoeticidade; negli-
gência moral. 03.  Canalhismo; velhacaria. 04.  Desfaçatez. 05.  Descaramento; despudor; desver-
gonha. 06.  Hipocrisia. 07.  Perfídia. 08.  Edulcoração. 09.  Inautenticidade. 10.  Amoralidade.  
Estrangeirismologia: a uneasiness of conscience; a properness of an action.
Atributologia: predomínio das faculdades mentais, notadamente do autodiscernimento
quanto à autocosmoeticidade.

II.  Fatuística

Pensenologia: o holopensene pessoal da escrupulosidade; os ortopensenes; a ortopense-
nidade; os nexopensenes; a nexopensenidade; os lucidopensenes; a lucidopensenidade; os evolu-
ciopensenes; a evoluciopensenidade.

Fatologia: o escrúpulo; a incorruptibilidade; o caráter íntegro da personalidade; a intei-
reza da consciência; a estrutura moral da consciencialidade da pessoa; o senso moral; a considera-
ção ética da pré-atividade; a licitude da ação pessoal; a identificação exata da bondade ou da ruin-
dade do ato; os negócios com escrúpulos; a omissuper; a retidão no cumprimento do dever; a acri-
bia; a investigação escrupulosa; a boa conduta; os bons costumes; os hábitos sadios.

Parafatologia:  a autovivência do estado vibracional (EV) profilático; a heterodesasse-
dialidade; a interassistencialidade.

III.  Detalhismo


Sinergismologia: o sinergismo inteligência evolutiva–escrúpulo.
Principiologia: o princípio da cosmoeticidade.
Codigologia: o  código pessoal de Cosmoética  (CPC); o  código grupal de Cosmoética
(CGC).
Teoriologia: a teoria da evolução moral.
Tecnologia: a técnica da exaustividade aplicada à moral.
Laboratoriologia: o laboratório conscienciológico da Cosmoeticologia. 
Enciclopédia  da  Conscienciologia

27

Colegiologia: o Colégio Invisível dos Cosmoeticistas.
Efeitologia: o efeito evolutivo dos atos cosmoéticos.
Ciclologia: o ciclo biológico evolutivo subumanidade-Humanidade.
Enumerologia: o brio; a honra; a dignidade; a vergonha; a correção; a moral; a Cosmo-
ética.
Binomiologia: o binômio pensene cosmoético–manifestação cosmoética.
Interaciologia: a interação autolucidez-Cosmoética.
Crescendologia: o crescendo da cosmoeticidade pessoal. 
Antagonismologia: o antagonismo pessoa escrupulosa / pessoa inescrupulosa; o anta-
gonismo ficha evolutiva íntegra / ficha evolutiva ambígua.
Paradoxologia: o paradoxo da conscin inteligente mas autocorrupta.
Politicologia: a cosmoeticocracia; a lucidocracia; a evoluciocracia.
Legislogia: a lei da interassistencialidade evolutiva.
Filiologia: a cosmoeticofilia; a evoluciofilia.
Holotecologia: a cosmoeticoteca; a eticoteca; a evolucioteca; a maturoteca; a mentalso-
maticoteca; a cognoteca; a prioroteca.
Interdisciplinologia: a Cosmoeticologia; a Conviviologia; a Holomaturologia; a Auto-
discernimentologia; a Caracterologia; a Verbaciologia; a Desassediologia; a Policarmologia; a Pa-
radireitologia; a Axiologia.

IV.  Perfilologia

Elencologia:  a consciênçula; a consréu ressomada;  a conscin baratrosférica; a conscin
eletronótica; a conscin lúcida; a isca humana inconsciente; a isca humana lúcida; o ser desperto; 
o ser interassistencial; a pessoa escrupulosa; a  conscin conscienciosa;  a conscin cosmoética; 
a pessoa sem escrúpulos; a conscin anticosmoética.

Masculinologia:  o acoplamentista; o agente retrocognitor; o amparador intrafísico; 
o atacadista consciencial; o autodecisor; o intermissivista; o cognopolita; o compassageiro evolu-
tivo; o completista; o comunicólogo; o conscienciólogo; o conscienciômetra; o conscienciotera-
peuta; o macrossômata; o conviviólogo; o duplista; o duplólogo; o proexista; o proexólogo; o ree-
ducador; o epicon lúcido; o escritor; o evoluciente; o exemplarista; o intelectual; o reciclante exis-
tencial; o inversor existencial; o maxidissidente ideológico; o tenepessista; o ofiexista; o paraper-
cepciologista; o pesquisador; o pré-serenão vulgar; o projetor consciente; o sistemata; o tertulia-
no; o verbetólogo; o voluntário; o tocador de obra; o homem de ação.

Femininologia:  a acoplamentista; a agente retrocognitora; a amparadora intrafísica; 
a atacadista consciencial; a autodecisora; a intermissivista; a cognopolita; a compassageira evolu-
tiva; a completista; a comunicóloga; a consciencióloga; a conscienciômetra; a conscienciotera-
peuta; a macrossômata; a convivióloga; a duplista; a duplóloga; a proexista; a proexóloga; a ree-
ducadora; a epicon lúcida; a escritora; a evoluciente; a exemplarista; a intelectual; a reciclante
existencial; a inversora existencial; a maxidissidente ideológica; a tenepessista; a ofiexista; a pa-
rapercepciologista; a pesquisadora; a pré-serenona  vulgar; a projetora consciente; a sistemata; 
a tertuliana; a verbetóloga; a voluntária; a tocadora de obra; a mulher de ação.

Hominologia:  o Homo sapiens cosmoethicus; o Homo sapiens fraternus; o Homo sa-
piens conscientiologus; o Homo sapiens exemplar; o Homo sapiens benevolens; o Homo sapiens
autolucidus; o Homo sapiens despertus.

V.  Argumentologia

Exemplologia:  escrúpulo  = a condição homeostática de  Florence Nightingale (1820–
–1910), a heroína da enfermagem; semiescrúpulo = a condição superambígua de Jacques Vergès 
Enciclopédia  da  Conscienciologia



28
(1925–), o chamado advogado do terror, atraído pelo mal, ideólogo do terrorismo e do genocídio;
inescrúpulo = a condição superpatológica de Klaus Barbie (1913–1991), o nazista chamado carni-
ceiro de Lyon, cliente de Jacques Vergès.

Culturologia: a cultura da cosmoeticidade.

VI.  Acabativa

Remissiologia. Pelos critérios da Mentalsomatologia, eis, por exemplo, na ordem alfabé-
tica, 10 verbetes da Enciclopédia da Conscienciologia, e respectivas especialidades e temas cen-
trais, evidenciando relação estreita com o escrúpulo, indicados para a expansão das abordagens
detalhistas, mais exaustivas, dos pesquisadores, mulheres e homens interessados:
01.  Autabnegação  cosmoética:  Cosmoeticologia;  Homeostático.
02.  Autexemplificação:  Cosmoeticologia;  Neutro.
03.  Autocorreção:  Autocosmoeticologia;  Homeostático.
04.  Autoincorruptibilidade:  Cosmoeticologia;  Homeostático.
05.  Calculismo  cosmoético:  Cosmoeticologia;  Homeostático.
06.  Cinismo:  Parapatologia;  Nosográfico.
07.  Intencionologia:  Holomaturologia;  Neutro.
08.  Lisura:  Cosmoeticologia;  Homeostático.
09.  Ortopensenidade:  Cosmoeticologia;  Homeostático.
10.  Satisfação  benévola:  Psicossomática;  Homeostático.

NO  ÂMBITO  DA  HUMANIDADE  E  DA  HISTÓRIA  HUMA-
NA,  A  CONDIÇÃO  EVOLUÍDA  DO  ESCRÚPULO  RECEBE  
PERMANENTES  REFERÊNCIAS  E  ENCÔMIOS,  CONTUDO  
AINDA  É  POUCO  EXEMPLIFICADA  TEATICAMENTE. 

Questionologia. Como convive você, leitor ou leitora, com a condição do escrúpulo na
vida dia-a-dia? O escrúpulo é assunto merecedor de atenção por você?

Filmografia  Específica:

1.  O Advogado do Terror. Título original: Avocat de la terreur, L’. Título nos EUA: The Terror’s Advocate.
País: França. Data: 2007. Duração: 131 min. Gênero: Documentário. Idade (Censura): 12 anos. Idiomas: Francês, Ale-
mão, Inglês.  Cor: Colorido.  Legendado: Português (em DVD).  Direção: Barbet Shroeder.  Elenco (Produção): Rita
Dagher; & Brahim Chioua (co-produtor). Fotografia: Caroline Champetier; & Jean-Luc Perréard. Música: Jorge Arriaga-
da. Montagem: Nelly Quettier. Companhia: La Sofica Uni Etoile 3. Canal +; Centre National de la Cinématrographie
(CNC); Magnolia Pictures; Wild Bunch; & Yalla Film. Sinopse: Documentário sobre o controvertível advogado Jacques
Vergès, famoso por ter defendido criminosos de guerra, terroristas e genocidas. Entre os clientes atendidos por Vergès es-
tão o terrorista Carlos, o Chacal, e o ex-ditador sérvio Slobodan Milosevic.