Fisiognomonia

(def.): do Gr. physiognomonía < physis, natureza + gnomon, o que conhece. A arte deconhecer o caráter dos homens pelas feições do corpo.

   A Fisiognomonia teve seu berço na Índia, quando os antigos habitantes daquele país estudavam as rugas do corpo, e as causas e origens das mesmas. Foi levada para a China, desenvolvida e estudada como diagnóstico, principalmente pelo Dr. Pen Chião, considerado o verdadeiro pai dessa ciência.
   Tida como uma subdivisão da Medicina Chinesa, a Fisiognomonia é estudada atualmente por monges, acupunturistas, e por toda uma legião de leigos e profissionais que reconhecem seu valor e importância como diagnóstico. Além de permitir que o especialista conheça certas particularidades do caráter da pessoa, a Fisiognomonia fornece outras informações através dos traços faciais, relacionando-os à sua saúde física, emocional e mental. A causa pura está na sensibilidade do especialista perceber, no rosto do paciente, o diagnóstico que se manifesta, quando os detalhes são reforçados e as pequenas mudanças são tratadas como grandes mudanças, e averiguadas as mazelas

Regras de uso da vírgula

1. Use a vírgula para separar elementos que você poderia listar

Veja esta frase:
João Maria Ricardo Pedro e Augusto foram almoçar.
Note que os nomes das pessoas poderiam ser separados em uma lista:
Foram almoçar:
  • João
  • Maria
  • Ricardo
  • Pedro
  • Augusto
Isso significa que devem ser separados por vírgula na frase original:
João, Maria, Ricardo, Pedro e Augusto foram almoçar.
Note que antes de “e Augusto” não vai vírgula. Como regra geral, não se usa vírgula antes de “e”. Há um caso específico que eu explico daqui a pouco. Um outro exemplo:
A sua fronte, a sua boca, o seu riso, as suas lágrimas, enchem-lhe a voz de formas e de cores… (Teixeira de Pascoaes)

2. Use a vírgula para separar explicações que estão no meio da frase

Explicações que interrompem a frase são mudanças de pensamento e devem ser separadas por vírgula. Exemplos:
Mário, o moço que traz o pão, não veio hoje.
Dá-se uma explicação sobre quem é Mário. Se tivéssemos que classificar sintaticamente o trecho, seria umaposto.
Eu e você, que somos amigos, não devemos brigar.
O trecho destacado explica algo sobre “Eu e você”, portanto deve vir entre vírgulas. A classificação do trecho seria oração adjetiva explicativa.

3. Use a vírgula para separar o lugar, o tempo ou o modo que vier no início da frase.

Quando um tipo específico de expressão — aquela que indica tempo, lugar, modo e outros — iniciar a frase, usa-se vírgula. Em outras palavras, separa-se o adjunto adverbial antecipado. Exemplos:
Lá fora, o sol está de rachar!
“Lá fora” é uma expressão que indica “lugar”. Um adjunto adverbial de lugar.
Semana passada, todos vieram jantar aqui em casa.
“Semana passada” indica tempo. Adjunto adverbial de tempo.
De um modo geral, não gostamos de pessoas estranhas.
“De um modo geral” é sinônimo de “geralmente”, adjunto adverbial de modo, por isso vai vírgula.

4. Use a vírgula para separar orações independentes

Orações independentes são aquelas que têm sentido, mesmo estando fora do texto. Nós já vimos um tipo dessas, que são as orações coordenadas assindéticas, mas também há outros casos. Vamos ver os exemplos:
Acendeu um cigarro, cruzou as pernas, estalou as unhas, demorou o olhar em Mana Maria. (A. de Alcântara Machado)
Nesse exemplo, cada vírgula separa uma oração independente. Elas são coordenadas assindéticas.
Eu gosto muito de chocolate, mas não posso comer para não engordar.
Eu gosto muito de chocolate, porém não posso comer para não engordar.
Eu gosto muito de chocolate, contudo não posso comer para não engordar.
Eu gosto muito de chocolate, no entanto não posso comer para não engordar.
Eu gosto muito de chocolate, entretanto não posso comer para não engordar.
Eu gosto muito de chocolate, todavia não posso comer para não engordar.
Capiche? Antes de todas essas palavras aí, chamadas de conjunções adversativas, vai vírgula. Pra quem gosta de saber os nomes (se é que tem alguém), elas se chamam orações coordenadas sindéticas adversativas. (medo!)
Agora só faltam mais duas coisinhas:

Quando se usa vírgula antes de “e”?

Vimos aí em cima que, como regra geral, não se usa vírgula antes de “e”. Tem só um caso em que vai vírgula, que é quando a frase depois do “e” fala de uma pessoa, coisa, ou objeto (sujeito) diferente da que vem antes dele. Assim:
O sol já ia fraco, e a tarde era amena. (Graça Aranha)
Note que a primeira frase fala do sol, enquanto a segunda fala da tarde. Os sujeitos são diferentes. Portanto, usamos vírgula. Outro exemplo:
A mulher morreu, e cada um dos filhos procurou o seu destino (F. Namora)
Mesmo caso, a primeira oração diz respeito à mulher, a segunda aos filhos.

Existem casos em que a vírgula é opcional?

Existe um caso. Lembra do item 3, aí em cima? Se a expressão de tempo, modo, lugar etc. não for uma expressão, mas sim uma palavra só, então a vírgula é facultativa. Vai depender do sentido, do ritmo, da velocidade que você quer dar para a frase. Exemplos:
Depois vamos sair para jantar.
Depois, vamos sair para jantar.
Geralmente gosto de almoçar no shopping.
Geralmente, gosto de almoçar no shopping.
Semana passada, todos vieram jantar aqui em casa.
Semana passada todos vieram jantar aqui em casa.
Note que esse último é o mesmo exemplo do item 3. Vê como sem a vírgula a frase também fica correta? Mesmo não sendo apenas uma palavra, dificilmente algum professor dará errado se você omitir a vírgula.

Não se usa a vírgula!

Com as regras acima, pode ter certeza de que você vai acertar 99% dos casos em que precisará da vírgula. Um erro muito comum que vejo é gente separando sujeito e predicado com vírgulaIsso é errado, e você pode ser preso se for pego usando!
Jeito errado:
João, gosta de comer batatas.
Alice, Maria e Luíza, querem ir para a escola amanhã.
Jeito certo:
João gosta de comer batatas.
Alice, Maria e Luíza querem ir para a escola amanhã.

NICHOLAS SPARKS - O Resgate

 
  Kyle não é um menino igual aos outros. A mãe começou a perceber isso logo após seus primeiros meses de vida.
  De especialista em especialista, eles passaram por vários diagnósticos: surdez, autismo, transtorno do déficit de atenção. A cada novo parecer, a mãe lia tudo a respeito do problema, se empenhava, buscava informações – para no fim, uma a uma, descobrir que a avaliação estava incorreta e que ninguém sabia que tratamento oferecer a Kyle.
  Mas Denise não desistiria do filho. Depois de tantas pesquisas, acabou desenvolvendo um método para estimular o menino. Agora eles treinam juntos, quatro horas por dia, seis dias por semana.
  O método vem dando resultado, porém a doença fez com que eles se isolassem. Para cuidar do filho, Denise abriu mão da carreira, dos amigos e da vida na cidade grande. E o menino, que aos 4 anos ainda tem dificuldade em formar frases curtas, não consegue interagir com outras crianças.
  Porém o destino está prestes a surpreendê-los pondo Taylor McAden em seu caminho. O gentil e corajoso bombeiro pode ser o que faltava na vida da mãe e filho, sua ponte para o resto do mundo. E talvez Denise e Kyle sejam a serenidade que Taylor nunca pensou alcançar

Alain de Botton: Livro on love - Traduzido com google tradutor


Alain de Botton: Essays in love 1 Fatalismo Romântico 1. O desejo de um destino está em nenhuma parte mais forte do que no nosso romântico vida. Tudo demasiado frequentemente forçados a dividir a cama com aqueles que não podem sondar nossa alma, não podemos ser desculpado por acreditar (ao contrário de todas as regras de nossa era iluminada) que estamos fadados um dia para correr para o homem ou a mulher dos nossos sonhos? Podemos não ser permitida uma certa fé supersticiosa que acabará por localizar uma criatura que pode aplacar nossa dolorosa anseios? Embora nossas orações podem nunca ser respondidas, embora possa haver um fim para as relações marcadas pela incompreensão mútua, se o céus deve vir a ter pena de nós, então podemos realmente esperar que Atribuímos nosso encontro com o nosso príncipe ou princesa a uma mera Coincidência? Ou podemos não por uma vez escapar lógica e lê-lo como nada que não seja um sinal do destino romântico? 2. Um meio da manhã no início de dezembro, sem nenhuma idéia de amor ou histórias, eu estava sentada na seção de economia de um jato da British Airways fazendo o seu caminho de Paris a Londres. Tivemos recentemente atravessou o Costa da Normandia, onde um cobertor de inverno nuvem tinha dado lugar a uma visão ininterrupta de águas azuis brilhantes. Furada e incapaz de concentrar, eu tinha pego a revista de bordo, absorvendo passivamente informações sobre os hotéis do resort e instalações aeroportuárias. Havia algo reconfortante sobre o vôo, o fundo maçante pulsar dos motores, o interior cinza silenciado, os sorrisos dos doces dos empregados de companhias aéreas. Um carrinho carregando uma selecção de bebidas e lanches foi fazendo o seu caminho até a corredor e, embora eu não era nem fome nem sede, encheu-me com o antecipação vaga que as refeições podem provocar nos aviões.
Page 2

Chá de Gengibre - Benefícios

Ajuda na Prevenção e Tratamento de Doenças: Esta planta contém compostos naturais que ajudam a prevenir e tratar uma ampla quantidade de doenças, incluindo câncer. Estudos recentes sugerem que o Chá de Gengibre mata células do câncer de ovário e protege contra a doença de Alzheimer. Além disso,  o Chá de Gengibre Também melhora a função neurológica e retarda a perda de células cerebrais. Pessoas que sofrem de síndrome do intestino irritável devem beber Chá de Gengibre para seus efeitos calmante sobre o sistema digestivo.

Devido ao seu alto teor de Vitamina C, O Chá de Gengibre fortalece o sistema imunológico e ajuda a prevenir a gripe. Ele também alivia a congestão nasal e combate problemas respiratórios. Se você sofre de asma ou tem um fraco sistema imunológico, beber uma xícara de Chá de Gengibre por dia, é uma das melhores coisas que você pode fazer para sua saúde. Estudos Realizados descobriram que o Chá de Gengibre alivia náuseas, melhora a circulação sanguínea e previne problemas cardiovasculares. Uma vez que tem fortes efeitos antioxidantes, e combate os danos dos radicais livres e atrasa o envelhecimento.
O Chá de Gengibre, não só melhora a saúde gastrointestinal, mas também aumenta o seu metabolismo. Esta planta tem efeitos termogênicos poderosos e pode aumentar a sua taxa metabólica em até 20%. Ele basicamente faz com que seu corpo queime a gordura com mais eficiência. Outros estudos mostraram que o Chá de Gengibre ajuda a reduzir o colesterol e os níveis de triglicérides. Se você beber este chá junto com as refeições, você vai se sentir completo mais rápido e comer menos.
Chá de Gengibre Reduzir a Dor Muscular e Recuperar Mais Rapidamente: Beber um ou dois copos de Chá de Gengibre por dia vai diminuir a dor muscular e melhorar o tempo de recuperação entre os treinos ou exercícios. O Gengibre contém compostos anti-inflamatórios poderosos conhecidos como gingerols. Estas substâncias promovem a reparação muscular e pode ajudá-lo na recupera do exercício mais rápido. Eles também reduzem dores musculares e inflamação após exercícios extenuantes. Atletas que consomem Chá de Gengibre, algumas vezes por dia a recuperação dos músculos mais rápida e têm um sistema imunológico mais forte.

Para preparar o Chá de Gengibre, rale a raiz de gengibre fresco em água e deixe ferver a mistura. Adicione o suco de limão e mel. Se você está em uma dieta baixa em carboidratos, use um substituto do açúcar. O consumo regular de Chá de Gengibre vai melhorar sua saúde e bem-estar. Ela também ajuda a prevenir doenças, desintoxica o seu corpo, e reduz os efeitos nocivos de radicais livres.

Como Prepara O Chá de Gengibre e como usa-ló:
Ingredientes

1 xicara de chá de água.
1 colher de chá de gengibre ralado ou 4 rodelas da raiz.
Modo de Fazer:

Opção 1: Deixe a panela com água sobre o fogo até que chegue ao mesmo ponto de criar bolinhas, antes de levantar fervura. Neste momento, adicione as rodelas de gengibre à agua, tampe a panela e desligue o fogo. Deixe descansar por 10 minutos, coe e beba em seguida.

Opção 2: Coloque a água em uma panela ao fogo e despeje o gengibre ralado nela. Deixe exposto ao calor até que a água comece a fazer bolinhas, mas antes de levantar fervura. Depois disso, desligue o fogo.

Benefícios do chá de semente de sucupira

A sucupira é uma popular planta medicinal também conhecida como sucupira-branca, sucupira-lisa, faveiro, fava-de-sucupira, fava-de-Santo-Inácio, sapupira, supupira-do-campo, sebepira, sebipira, cutiúba, macanaíba e paracarana.

O chá das sementes da sucupira é utilizado no combate ao excesso de ácido úrico do corpo, amigdalite, artrite, asma, blenorragia, cistos ovarianos e no útero, debilidade orgânica, dermatoses, diabetes, dor de garganta, dores espasmódicas, feridas, hemorragias, inflamações, reumatismo, sífilis e vermes. O óleo volátil retirado da casca e das sementes, além de ser aromático, é muito utilizado no tratamento de reumatismo e outras dores nas articulações.

A sucupira possui ação anticancerígena, além de ser um ótimo tônico. Os tubérculos ou nódulos da raiz de sucupira, também conhecidos como batatas-de-sucupira, são utilizados no controle do diabetes. Um estudo publicado também concluiu que os óleos essenciais das sementes de sucupira são úteis no combate de tumores de próstata.
Estudos comprovaram que as sementes de sucupira da espécie Pterodon emarginatus possuem flavonoides, cumarinas, saponinas, triterpenos, esteroides e óleo essencial. O óleo da semente de sucupira possui beta-cariofileno, substância química com atividade anti-inflamatória, antibiótica, antioxidante, anti-carcinogênica e anestésica, o que comprova as propriedades medicinais da sucupira.

Como fazer o chá de semente de sucupira

Para fazer o chá da semente de sucupira, deve-se partir as as sementes em cerca de quatro pedaços. Após ferver um litro de água por cerca de dez minutos, cinco sementes de sucupira devem ser mergulhadas por um minuto na água quente. Deixar as sementes fervendo por cerca de dois minutos fortalecerá o chá, o que o tornará recomendado para casos de dores persistentes. Após ferver as sementes com a água, o chá medicinal deve ser esfriado e conservado na geladeira para consumo nos duas subsequentes. Outra forma de preparar o chá consiste em ferver por cerca de 10 minutos em cerca de um litro de água alguns pedaços da semente ou casca.
O chá deve ser tomado com intervalos de algumas horas, intercalados com o consumo de água. A recomendação é de que o chá seja tomado preferencialmente fresco. O chá pode ser utilizado no tratamento de dores, vez que possui efeito analgésico e anti-inflamatório.

A tintura e o extrato de sucupira

A tintura de sucupira é preparada através de seus frutos e usada na forma diluída, em mínimas quantidades, de 3 a 5 vezes ao dia. O extrato é normalmente vendido em cápsulas. O uso é indicado principalmente para casos de dor de garganta. O extrato também é utilizado para o tratamento de artrite, artrose, gota e reumatismo, além de aliviar dores nas costas e joelhos.

Contraindicações e efeitos colaterais da sucupira

A sucupira é considerada muito segura para o consumo e não possui contraindicações. No entanto, algumas pessoas recomendam que o chá de sucupira seja consumido por até quinze dias consecutivos, retomando seu uso após descansar por outros quinze dias, para que ocorra um equilíbrio no sistema endócrino. No entanto, não há suficientes estudos publicados correlacionados aos efeitos colaterais da sucupira. Também não foi encontrada nenhuma contraindicação quanto ao uso contínuo do extrato ou da tintura de sucupira.
Curiosidades
Sucupira – Pterodon pubescens
A sucupira (Pterodon emarginatus) é uma árvore rústica com floração azulada, ocorre no cerrado e na faixa de transição para a Mata Atlântica, nos Estados de Minas Gerais, Mato Grosso, Tocantins, São Paulo, Goiás e Mato Grosso do Sul. É uma árvore de porte médio. Sempre foi muito utilizada por tribos indígenas brasileiras, como é o caso da tribo Pataxós, incidente na região onde ocorre a sucupira. Sua madeira é nobre e usada como matéria-prima na fabricação de pisos e móveis. O fruto só possui uma semente.
A sucupira de nome popular inclui espécies de outras cinco famílias botânicas diferentes, que apesar de terem morfologias semelhantes, possuem frutos diferentes. As espécies mais conhecidas são Pterodon pubescens Benth e Pterodon emarginatus. Também inclui a Pterodon polygalaeflorusBowdichia nitidaBowdichia virgilioides (sucupira-preta).