Tertulia 2856 - Ensaio dessomático projetivo (Projeciologia)

O que é Bitcoin?

Bitcoin é uma criptomoeda onde a criação e transferência é baseada em protocolos código aberto de criptografia que é independente de qualquer autoridade central. Um bitcoin pode ser transferido por um computador ou smartphone sem recurso a uma instituição financeira intermediária . O conceito foi introduzido em 2008 num paper publicado por um programador com o pseudônimo de Satoshi Nakamoto que o chamou de sistema eletrônico de pagamento peer to peer.
O nome também se refere ao programa código aberto que ele projetou para o uso da moeda e a respectiva rede peer-to-peer que é formada. Diferente da maioria das moedas, a bitcoin não depende da confiança em nenhum emissor centralizado, como um servidor de um grande banco por exemplo. A bitcoin usa um banco de dados distribuídos espalhados pelos nós da rede peer-to-peer para registrar as transações, e usa criptografia para prover funções básicas de segurança, como certificar que bitcoins só podem ser gastas pelo dono, e evitar gastos duplos.
O projeto de Bitcoin permite propriedade e transferências anônimas de valores. Bitcoins podem ser salvas em computadores na forma de um arquivo carteira, ou em serviços de carteira provido por terceiros; e em ambos os casos bitcoins podem ser enviadas pela Internet para qualquer pessoa que tenha um endereço de Bitcoin. A topologia P2P da rede Bitcoin, e a ausência de uma entidade administradora central torna inviável que qualquer autoridade, governamental ou não, manipule o valor de bitcoins ou induza inflação "imprimindo" mais notas, no entanto, grandes movimentos de procura podem fazer com que o seu valor aumente no mercado de câmbio.

Tertúlia 1282 - Qualidade da intenção (Intencionologia)

Tertúlia 1281 - Priorização da proéxis (Proexologia)

Tertúlia 1280 - Engano parapsíquico (Autoenganologia)

Tertúlia 1279 - Paratécnica didática (Parapedagogia)

Tertúlia 1278 - Nível da interassistencialidade (Interassistenciologia)

Tertúlia 1277 - Nível intermissivo (Intermissiologia)

Tertúlia 2854 - Precognição projetiva docente (Projeciologia)

Tertúlia 1275 - Fator ambíguo (Ambiguologia)

Tertúlia 1274 - Megarretrocesso (Autorretrocessologia)

Tertúlia 1270 - Megatolice indefensável (Parapatologia)

Tertúlia 1271 - Parestação de Trabalho (Extrafisicologia)

Tertúlia 1269 - Autotortura (Autoconscienciometrologia)

Tertúlia 1268 - Microuniverso intransitável (Intraconscienciologia)

Tertúlia 1266 - Papel social (Sociologia)

Tertúlia 1265 - Linguagem corruptora (Parapatologia)

Tertúlia 1262 - Curiosidade pesquisística (Cosmovisiologia)

Tertúlia 2853 Infante resiliente Autevoluciologia

Tertúlia 1285 - Manifestação parapsíquica (Parafenomenologia)

Tertulia 2855 - Sinoteca (Culturologia)

A língua sem nacionalidade

Links para aprender
http://pt.lernu.net/
http://www.uea.org/
http://esperanto.org.br/bel/
http://www.esperanto.ufc.br/
http://www.easp.org.br/portal/
http://esperanto.brazilo.org/wp2/
http://www.kurso.com.br/index.php?pt
http://www.aleph.com.br/kce/oquee.htm 

O esperanto é uma língua auxiliar para a comunicação internacional, de aprendizado rápido e fácil. Iniciado em 1887 pelo médico polonês Dr. Lázaro Luís Zamenhof, é amplamente utilizado, em escala mundial, tanto em congressos internacionais quanto em redes sociais, como o Orkut e o Facebook. É essencialmente um idioma neutro, isto é, que não pertence a nenhuma nação, e por isso é um eficiente instrumento para a preservação de todas as línguas e culturas do globo e para a promoção da igualdade entre os povos. A principal proposta do esperanto é a de que cada povo continue a falar sua própria língua materna e possa, conjuntamente, fazer uso de um idioma neutro nas comunicações internacionais.
Apesar de seus mais de 120 anos de existência, ainda hoje, porém, muitas pessoas se perguntam o que vem a ser o esperanto, e aquelas que já ouviram falar dele geralmente têm ideias preconcebidas que muitas vezes não condizem com a realidade.
Hoje, o esperanto é, acima de tudo, uma língua viva. É um instrumento de comunicação entre pessoas, com história, cultura e evolução, usado diariamente para o tratamento dos mais diversos assuntos, por uma comunidade ativa e consideravelmente grande. ontem, porém, podemos também dizer que o esperanto era, de fato, um projeto de língua internacional.
Por que isso? Primeiramente porque, tendo surgido como projeto, o esperanto é uma língua “criada”, isto é, teve suas bases pensadas por pelo menos uma pessoa, que definiu regras gramaticais, palavras, fonética e tudo o mais que um língua precisa para funcionar. No caso do esperanto, esta pessoa foi o jovem médico polonês Luís Lázaro Zamenhof, que, em 1887, quando tinha apenas 28 anos, apresentou ao mundo uma brochura em russo que ensinava o idioma. E por que “de língua internacional”? Porque sua proposta é a de que o mundo utilize uma mesma língua, neutra, para a comunicação entre países, sem que cada nação deixe de cultivar seus próprios idiomas e sua riqueza cultural. – Não à toa, um dos motes do chamado movimento esperantista é: “para cada povo sua língua, e para todos os povos o esperanto”.
Esta ideia, mesmo tendo sido lançada em uma Rússia problemática e censória, em menos de uma década já possuía livros didáticos em pelo menos polonês, alemão, francês, inglês, tcheco, sueco, italiano e português, além do russo e do próprio esperanto, tendo atingido diversos pontos da Europa. A partir de então, já se formava uma comunidade que usaria o esperanto para comunicação, produção literária e viagens. Esta comunidade, formada por homens e mulheres, trabalhadores da linha de frente e intelectuais, católicos e judeus, políticos, militares e civis, foi a primeira responsável por dar, àquele projeto, vida, retirando-o do estado de simples proposta e levando-o para o estado de uso, produção e constante transformação. Portanto, já nas primeiras horas, o esperanto não era mais fruto do pensamento de um único homem, mas de todos que dele faziam uso e para ele contribuíam, constituindo-se aí a primeira fasa da língua viva dos dias de hoje.

Tertúlia 1258 - Conotação parapsíquica (Parapercepciologia)

Tertúlia 1257 - Marca parapsíquica (Parapercepciologia)

Tertúlia 1256 - Dragona parapsíquica (Parapercepciologia)

Tertúlia 1255 - Efeito (Efeitologia)

Tertúlia 1254 - Arbitrariedade somática (Somatologia)

Tertúlia 1253 - Equívoco (Parapatologia)

Tertúlia 1252 - Enumeração generalizada (Enumerologia)

Tertúlia 1251 - Nulificação da infância (Autevoluciologia)

Tertúlia 1249 - Inteligência (Conscienciometrologia)

Tertúlia 1250 - Inteligência técnica (Tecnologia)

Tertúlia 2852 - Ethos Assistencial (Assistenciologia)

A queda de cabelos nas crianças

A queda de cabelos nas crianças.  A criança tem alopécia quando tem perda de cabelo. Diz-se placa alopécica, quando é somente uma região bem específica do cabelo que carece de cabelo. Informações sobre a queda de cabelo em meninos e meninas.
O termo alopécia, define a diminuição ou perda do cabelo, localizada ou generalizada, temporal ou definitiva de qualquer tipo ou origem. Para um entendimento adequado das alopécias, é necessário conhecer que o crescimento do cabelo é cíclico. O cabelo apresenta um ciclo de crescimento com três fases: a anágena (crescimento), a catágena (regressão) e a telógena (repouso). Ao final desse processo, o pêlo na fase telógena é expelido , surgindo um outro folículo piloso para substituí-lo.
Uma pessoa perde, em geral, de 100 a 150 fios por dia, e cresce 0,35mm a cada 24 horas. Felizmente, cada um dos fios tem seu próprio ciclo; caso contrário, todos eles cairiam ao mesmo tempo. Em geral, o ciclo do cabelo programado geneticamente resulta numa troca de todos os fios num período de 3 a 5 anos, variando de pessoa para pessoa.
As alopécias representam entre 3% e 8% das primeiras consultas dermatológicas. O paciente mais comum é um homem jovem que consulta por alopécia androgenética (calvície comum). Existem diversas classificações das alopécias, mas desde um ponto de vista prognóstico vamos distinguir dois tipos básicos: cicatriciais (portanto irreversíveis) e não cicatriciais (potencialmente reversíveis). Em ambas se produz um desprendimento do cabelo a nível do folículo, mas no primeiro caso, existe uma destruição deste que o torna irrecuperável e no caso das não cicatriciais, o folículo não se destrói, sofre mudanças funcionais que poderiam ser recuperáveis.

Tertúlia 1246 - Garantia evolutiva (Autevoluciologia)

Tertúlia 1247 - Egocarmologia (Holocarmologia)

Tertúlia 1243 - Intencionalidade continuada (Holomaturologia)

Tertúlia 1244 - Teleguiado autocrítico (Evoluciologia)

Tertúlia 1245 - Ectopia consciencial (Parapatologia)

Tertúlia 1241 - Frustração cosmoética (Psicossomatologia)

Tertúlia 1242 - Parexcursão interplanetária (Intermissiologia)

Tertúlia 1237 - Codesaparecimento Dessomático (Dessomatologia)

Tertúlia 1236 - Epiconscienciologia (Evoluciologia)

Tertúlia 1234 - Superestimação pontual (Parapatologia)

Tertúlia 2850 - Conscin poliqueixosa (Autovitimologia)

Tertúlia 1211 - Viveiro evolutivo (Evoluciologia)

Tertúlia 1212 - Minifalha (Parapatologia)

Tertúlia 1210 - Preferenciologia (Autodiscernimentologia)

Tertúlia 1208 - Acepipe (Autopolicarmologia)

Tertúlia 1205 - Pré-intermissivista (Intrafisicologia)

Tertúlia 1198 - Exposição pública (Conviviologia)

Tertúlia 1199 - Aglutinação interconsciencial (Conviviologia)

Tertúlia 1201 - Autoconsciexiabilidade retrocognitiva (Intrafisicologia)

Tertúlia 2847 - Voluntariado propulsor (Evoluciologia)

Tertúlia 1200 - Lucidologia (Autoconscienciologia)

Tertúlia 1197 - Olhar de fraternidade (Interassistenciologia)

Tertúlia 2848 - Crescendo Antropologia-Conscienciologia (Evoluciologia)

Tertúlia 1220 - Autesfoço convergente (Autodiscernimentologia)

Tertúlia 1218 - Hiperacuidade interassistencial (Interassistenciologia)

Tertúlia 1219 - Teste da vontade (Voluciologia)

Tertúlia 1221 - Cosmoética formal (Cosmoeticologia)

Tertúlia 1217 - Conscienciólogo (Conscienciometrologia)

Tertúlia 1216 - Bússola intraconsciencial (Holomaturologia)

Tertúlia 1213 - Autoidentificação somática (Autossomatologia)

Tertúlia 1214 - Meio de sobrevida (Intrafisicologia)

Tertúlia 1196 - Campo energético (Energossomatologia)

Tertúlia 1194 - Cumunicação modular (Comunicologia)

Tertúlia 1192 - Megatarefa final (Megagesconologia)

Tertúlia 1193 - Polaridade extrema (Autevoluciologia)

Tertúlia 1191 - Linha de abertura (Autoproexologia)

Tertúlia 1189 - Realização humana (Intrafisicologia)

Tertúlia 1183 - Macroconsciencialidade (Reeducaciologia)

Tertúlia 1168 - Megacompléxis (Autoproexologia)

Tertúlia 1169 - Nanotecnologia pró paz (Tecnologia)

Tertúlia 1161 - Maternidade lacrimogênica (Maternologia)

Tertúlia 1160 - Antimaternidade sadia (Invexologia)

Tertúlia 1167 - Instrumento pró-saúde (Somatologia)

Tertúlia 2844 - Autosseriedade (Autodeterminologia)

Tertúlia 1164 - Escrúpulo (Cosmoeticologia)

Tertúlia 1159 - Integridade consciencial (Autevoluciologia)

Tertúlia 1166 - Medida justa (Autodiscernimentologia)

Tertúlia 1165 - Ilusão da regularidade (Autocogniciologia)

Tertúlia 1158 - Autabertismo neopensênico (Neopensenologia)

Tertúlia 1156 - Pedágio parapsíquico (Parapercepciologia)

Tertúlia 1171 - Logos (Raciocinologia)

Tertúlia 1176 - Centrifugação do egão (Egologia)

Tertúlia 1156 - Pedágio parapsíquico (Parapercepciologia)

Tertúlia 1157 - Autopensenização (Autopensenologia)

O QUE SE GANHA E SE PERDE COM O PEDIDO DE DEMISSÃO


Muitos empregados têm muitas dúvidas quanto a Pedir Demissão, pois por vezes tomam essa decisão e não sabem de alguns ônus que terão de suportar.

Ao se pedir o afastamento da empresa, o obreiro tem que, primeiramente, observar se irá cumprir o Aviso Prévio ou não, posto que, caso não o cumpra, a empresa terá a faculdade, isto é, a escolha em descontar nas deduções da rescisão o valor da maior remuneração.

Os direitos pecuniários (em dinheiro) recebidos pelo trabalhador são parcelas referentes ao saldo de salário, ao 13º salário, férias + 1/3 constitucional, salário-família (se tiver), comissões e RSR, gratificação, premiações, todas proporcionais ao mês. Já nas deduções, além da possibilidade de desconto do aviso prévio, terão os descontos legais de INSS e IR, e, outros descontos previamente autorizados.

O ônus, que mais causa dificuldade, é a não possibilidade do saque imediato do saldo de FGTS, já depositado pela empresa, e, a perda do recebimento do benefício do Seguro Desemprego.

As exceções para o saque do FGTS, regra geral, são para financiamento de imóvel pela Caixa Econômica Federal; ficar 03 (três) anos conseutivos sem registro em Carteira de Trabalho; ou doença grave própria ou de ascendentes e dependentes.

Tertúlia 1155 - Micrassediador invisível (Parapatologia)

Tertúlia 1154 - Holopensene desassediado (Holopensenologia)

Tertúlia 1153 - Ilegalidade segregada (Sociologia)

A 4ª Semana de Gestação

Tertúlia 1151 - Ponto transitório (Evoluciologia)

Tertúlia 1150 - Dia da incompletude (Assincronologia)

Tertúlia 1147 - Pseudo harmonia (Harmoniologia)

Tertúlia 1146 - Quebra de regras (Recexologia)

Tertúlia 1144 - Atividade omnidimensional (Autexperimentologia)

Tertúlia 1142 - Consciência política (Politicologia)

Tertúlia 1139 - Saúde intelectual (Autoconscienciometrologia)

Tertúlia 1140 - Saúde física (Autoconscienciometrologia)

Tertúlia 1143 - Cronoevoluciologia (Autevoluciologia)

Tertúlia 1141 - Saúde mental (Autoconscienciometrologia)

Tertúlia 1138 - Saúde parapsíquica (Autoconscienciometrologia)

Tertúlia 1137 - Saúde emocional (Autoconscienciometrologia)

Tertúlia 1127 - Conhecimento conscienciológico (Autocogniciologia)

Tertúlia 2841 Conscin terminal Dessomatologia

Tertúlia 1126 - Campo de coexistência (Geopoliticologia)

Tertúlia 1125 - Omnileitura (Omnileiturologia)

Tertúlia 1121 - Autocorreção (Autocosmoeticologia)

Tertúlia 1118 - Tradução parapsíquica (Parapercepciologia)

Tertúlia 1119 - Parapercepção patológica (Autoparapercepciologia)

Tertúlia 1115 - Círculo de relações (Conviviologia)

Tertúlia 1114 - Silêncio cosmoetificador (Cosmoeticologia)

Tertúlia 1116 - Encapsulamento consciencial (Energossomatologia)

Tertúlia 2833 Perfil criativo artístico Perfilologia

Tertúlia 1108 - Somatório de esforços (Maxiproexologia)

Tertúlia 2835 Autodeterminação recexológica Autossuperaciologia

Tertúlia 1107 - Mutualidade da comunicação (Comunicologia)

Tertúlia 1112 - Evolução agonística (Evoluciologia)

Tertúlia 1111 - Crescendum Linguística Imagética (Crescendologia)

Tertúlia 1106 - Fenomenalidade (Fenomenologia)

Tertulia 1105 - Ideia sutil (Heuristicologia)

Tertúlia 1136 - Eficácia evolutiva (Evoluciologia)

Tertúlia 1130 - Categoria de consciência (Conscienciometrologia)

Tertúlia 1129 - Coerção social (Sociologia)

Tertúlia 1128 - Cultura conscienciocêntrica (Autoproexologia)

Tertúlia 1131 - Tema homeostático (Tematologia)

Tertúlia 1135 - Autolucidez antecipada (Autolucidologia)

Tertúlia 1124 - Fonte cognitiva (Autocogniciologia)

Tertúlia 2834 Futura retrocognição Holomnemossomatologia

Tertúlia 1123 - Inspirador humano (Perfilologia)

Tertúlia 1122 - Diversificação holopensênica (Holopensenologia)

ame>

Tertúlia 1103 - Recurso parapsíquico (Parapercepciologia)

Tertulia 1104 - Momento da circunspecção (Autexperimentologia)

Tertúlia 1100 - Retrospectiva autodesassediadora (Mnemossomatologia)

Tertúlia 1099 - Paradoxo da autorreflexão (Paradoxologia)

Tertúlia 1098 - Analise egológica (Heterocriticologia)

Tertúlia 1097 - Holopensene automimético (Holopensenologia)

Tertúlia 2832 Fitoconvivialidade Conviviologia

Tertúlia 1085 - Justificativa lógica (Cosmoeticologia)

Tertúlia 2831 Técnica da amparabilidade parajurídica (Paradireitologia)

Tertúlia 1082 - Desbarbarização da humanidade (Reeducaciologia)

Tertúlia 1071 - Zum mnemônico (Autorretrocogniciologia)

Tertúlia 1076 Autorreflexão de 5 horas (Autoconscienciometrologia)

Tertúlia 1073 - Industria paralela (Intrafisicologia)

Tertúlia 1075 - Banho energético (Energossomatologia)

Tertúlia 1051 - Hibernante (Evoluciologia)

Tertúlia 2830 Ego políitico cosmoético Parapoliticologia