Você é organizado?


A coerência de nossas ações, planejadas no tempo e no espaço da
vida humana, está entre as mais legítimas demonstrações de maturidade
consciencial.
A premissa inteligente, neste caso, é o fato de que todo excesso
tende a prejudicar a organização evolutiva da consciência.
O monstro existe porque é excessivo de algum modo.
A teratologia é crescimento anormal, patológico, de algo que devia
ser normal e sadio.
Faltou, no contexto, a organização dos efeitos entrópicos.
Moderação é inteligência madura.
Radicalismo é ignorância crassa.
Se a consciência humana esquece a multidimensionalidade, ela
perde as 8 horas de sono diário necessárias ao soma, mas desnecessárias
à consciência.
Quem permanece se projetando extrafisicamente, com lucidez, o tempo
todo, pode acabar se alienando das obrigações naturais da vida
intrafísica e da execução da proéxis.
A projetabilidade lúcida tem suas regras lógicas e sábias.
Conjugar tempo, espaço e esforço, através da organização pessoal,
evidencia o discernimento maior do ego.
Fora disso, só existem imaturidades.
Nossa organização pessoal importa mais que a organização alheia.
Empurrar com a barriga é autocorrupção primária.
Não ter pontualidade nos compromissos é mau negócio.
Deixar-se viciar por alguma paixão animal pode ser suicídio lento.
Priorizar é o caminho ideal para se agilizar a autevolução.
Organizar se é diminuir repetições de vidas humanas e automimeses
dispensáveis.
Questionar é evoluir.
Veja o gabarito da sua organização através das respostas a perguntas-
teste simples.
Vivo supervalorizando atividades secundárias no todo dos meus
atos?
Conduzo minhas coisas em conjunto, ao mesmo tempo, de eito,
sem deixar rastro negativo para trás?
Termino corretamente meu esforço social, intelectual ou esportivo
bem começado?
A estrutura disciplinar de minha vida é a que melhor corresponde
aos objetivos da organização consciencial?
Sou organizado, em meus horários, a ponto de saber quando devo
parar, na hora certa, para recomeçar no dia seguinte?
Aplico excessiva paixão naquilo a que me dedico?
Desempenho diversas tarefas simultaneamente sem negligenciar
nenhuma, cumprindo novos deveres sem passar por cima de certas
obrigações antigas?
Minhas priorizações são inteligentes ou podem ser aperfeiçoadas?
Venho cumprindo minhas atribuições e objetivos existenciais e evolutivos
na Sociedade Humana?
Sei conviver com a Biologia do corpo físico a fim de não sacrificá-
lo?