O que são escalas Musicais?

O que são escalas?

As oitavas (veja intervalos) são igualmente divididas em doze notas. A escala é uma série de notas selecionadas dentre essas doze. Devemos ressaltar também que a escala é a base de qualquer música, a "régua musical" que permite ao músico construir seu mundo.
Cada uma dessas notas é um grau e cada grau tem seu próprio nome (veja mais adiante), mas é também frequentemente designado por um número romano:
teoria90
Duas escalas são distinguidas uma da outra pelo número de notas que tem e a distância entre seus graus.
Por exemplo, sete diferente escalas podem ser construídas com sete notas naturais.
Cada uma dessas figuras mostra uma ordem característica de tons e semitons. A primeira é uma escala maior, a segunda o terceiro modo gregoriano ou modo Frígio. Esses nomes referem-se à estrutura específica de cada escala.

teoria91

Porém, para que se possa manter a ordem de tons e semitons (conforme mostrado na figura com T e ST), as notas são alteradas através de acidentes. Por exemplo, para se construir uma escala Maior a partir da nota Ré, é necessário alterar o Fá e Dó um semitom acima.
teoria92
Temos então a escala de Ré Maior. Na verdade existem infinitas escalas e podem ser criadas enquanto se está compondo. Compositores tais como Claude Debussy, Olivier Messiaen e Bela Bartok fizeram isso em sua época.

A ESCALA MAIOR

A Escala Maior tem 7 notas que são separadas por um tom, exceto entre os graus III-IV e VII-VIII.
teoria93
A escala maior e a menor (veja mais adiante) são as mais comuns, tem sido usadas pelos últimos 400 anos.
As escalas Maiores tem a sequência (abaixo) de tons (T) e semitons (ST), ou seja, somente entre os graus III pra IV e VII pra VIII é que tem a distância de meio tom, os demais tem 1 tom de distância. Lembrando que, o VII grau é o mesmo que o I (a nota inicial).
teoria94

A ESCALA MENOR

Assim como a escala maior, a Escala menor tem 7 notas que são separadas por tons, exceto entre os graus II-III e V-VI que tem meio tom de distância. A escala menor tem 3 tipos:
Pura: mesmos acidentes fixos da sua relativa maior tanto na ascendência como na descendência.
teoria95
Harmônica: tem os mesmos acidentes fixos da sua relativa maior e mais o 7º grau alterado meio tom acima, tanto na ascendência como na descendência.
teoria96
Melódica: tem os mesmos acidentes fixos da sua relativa maior, porém na ascendência tem o 6º e 7º graus alterados e na descendência volta como uma escala pura.
teoria97

RELATIVAS

Para se encontrar a relativa menor de uma escala maior, pode-se contar 3 notas pra baixo a partir do I grau da maior. Exemplo, da escala de Dó, contamos Dó-Si-Lá, então a relativa é Lá menor.
teoria98
Outra maneira de se encontrar a relativa menor da escala maior, é identificando o VI grau.
Exemplo, a escala de Fá Maior, o VI grau de Fá é Ré, então a relativa é Ré menor.
E do contrário, quando se quer encontrar a relativa maior, pode-se contar 3 notas pra cima a partir do I grau da menor. Mas não devemos esquecer os acidentes fixos. Exemplo, a escala de Dó menor, contamos Dó-Ré-Mi, portanto a relativa é Mi bemol, não pode ser de Mi porque na escala de Mi Maior o Dó é sustenido, então teria que ser Dó# menor.

ACIDENTES FIXOS

A escala de Dó maior e suas relativas menores de Lá, não tem nenhum acidente fixo. Mas para se construir as outras escalas, é necessário que se use esses acidentes que aparecem junto da clave, também chamados de "Armadura de Clave". Por exemplo, a escala de Sol Maior tem o Fá#, uma música construída nessa escala, significa que todos os Fás devem ser sustenidos. Se caso a pessoa queira que algum Fá seja natural, então deve colocar o sinal de bequadro (veja em acidentes) ao lado da nota.
Os acidentes fixos existem para que não seja necessário escrever tantas vezes o mesmo acidente, e deve ser colocado entre a clave e os números que indicam o compasso.
teoria99
As escalas com sustenidos são as seguintes:
teoria100
E as escalas com bemóis são:
teoria101

IDENTIFICANDO ACIDENTES FIXOS

Cada acidente fixo está relacionado à uma escala maior e sua relativa menor. Com prática, é possível memorizar os acidentes de cada escala. Lembre-se que a ordem dos sustenidos é Fá, Dó, Sol, Ré, Lá, Mi, Si e a dos bemóis o inverso Si. Mi, Lá, Ré, Sol, Dó, Fá.
Eis aqui duas maneiras de se identificá-las:

Sustenidos
Observa-se o que fica na frente e conte uma nota acima. Por exemplo, o acidente fixo é Fá, a nota seguinte é Sol, então é escala de Sol Maior.
Ou senão, pode-se pensar assim: o sustenido da frente é o Fá, a nota que está meio tom acima de Fá# é o Sol, portanto, escala de Sol Maior. Observe esses outros exemplos:
teoria102
Bemóis
Com exceção da escala de Fá Maior que tem somente o Sib, observe o bemol que fica na frente e o de trás. Exemplo, os bemóis são Si, Mi, Lá, Ré. O Ré é o da frente, o de trás é o Lá, então é uma escala de Láb Maior.
Ou senão, pode-se contar a quarta nota abaixo, a partir da nota que é bemol na frente. O mesmo citado acima, Si, Mi, Lá e Ré. O Ré é o da frente, então conta-se Ré-Dó-Si-Lá, portanto escala de Láb Maior.
Outros exemplos:
teoria103

CONSTRUINDO ESCALAS MAIORES

Ao construir as escalas maiores, é importante lembrar a ordem de tons e semitons entre os graus:
teoria104
As figuras abaixo mostram a construção de escalas com acidentes a partir da escala de Dó Maior, sempre seguindo a ordem da distância que as notas devem ter (mostrada acima).
Isso é apenas uma demonstração, não se esqueça que se você for escrever uma escala à parte, deve colocar os acidentes fixos ao lado da clave.
Primeiramente, traçamos uma linha no meio, e então temos 4 notas de cada lado, dois tetracordes. Parase encontrar as escalas com sustenidos, passamos as notas do 2º tetracorde para o primeiro lado da pauta seguinte e completamos o segundo lado com as 4 notas acima:
teoria105
No caso dos bemóis, passamos o 1º tetracorde para o segundo lado da pauta seguinte e completamos o primeiro lado com as quatro notas abaixo:
teoria106

NOMES DOS GRAUS

Além de referirmos aos graus das escalas maiores e menores por números romanos, os seguintes nomes também podem ser usados. A tabela em cinza indica os termos atuais, em que nomes se repetem.
A tabela em azul mostra os termos tradicionais, com nomes diferentes.
teoria107
teoria108

TONALIDADE

O conceito de tonalidade surgiu durante o período renascentista e foi estabelecido durante o período Barroco, é relacionado ao uso de escalas maiores e menores.
Quando uma peça é construída em uma dessas escalas, a tônica da escala se torna o tom central. A peça então está na tonalidade dessa escala.
Em peças musicais Barrocas, Clássicas e Românticas, o acidente fixo significava o tom principal. Contudo,númeras modulações (mudanças momentâneas de tons) ocorriam durante a peça.
Acordes (principalmente acordes de sétima) e harmonia ajudam a definir tonalidade e processo de modulações. Um exemplo, é o campo harmônico, que é uma série de acordes que se formam em determinada escala harmonizando uma música feita naquela tonalidade.

MODOS GREGORIANOS

Modos Gregorianos foram usados durante a Idade Média e o Renascentismo.
Progressivamente, tornaram-se nossas escalas maiores e menores. O número de modos varia de acordo com o período e visão dos teoristas, mas no geral, oito modos gregorianos foram identificados.
Modos Gregorianos tinham um final, uma nota na qual a melodia terminava e na qual era baseada. Sua função era similar à que tem a tônica em escalas maiores e menores. E também tinham uma dominante que era a nota sobre a qual havia muita insistência durante a melodia.
Modos são dividos em duas categorias: autênticos e plagais. Cada modo plagal é associado com um autêntico. Ambos tem as mesmas notas e o mesmo final. A diferença entre o modo autêntico e sua plagal relativa está na natureza da nota dominante e na extensão.
Teóricos em Canto Gregoriano associam os números I, III, V e VII à modos autênticos. A relativa plagal aos números II, IV, VI e VIII. Ou seja, a relação é I-II, III-IV...etc..
Alguns teóricos usam nomes gregos tais como Dórico, Frigio, Lídio e Mixolídio para se referir aos modos autênticos I, III, V e VII respectivamente. E para os modos plagais, o prefixo hipo é adicionado ao nome da relativa autêntica: modo II torna-se modo Hipodórico, IV o Hipofrigio..etc..
Esses modos foram esquecidos por vários séculos. Contudo, variações tem surgido e usados novamente na música Clássica e também no Jazz. Abaixo estão os modos gregorianos. Finais estão indicados com a letra F e dominantes com D.

Modos Autênticos
teoria109
Modos Plagais
teoria110

MODOS DE JAZZ

Esses modos, que são variações dos modos gregorianos, são usados hoje em dia no Jazz e foram usados no fim do século passado por compositores tais como Claude Debussy.
Alguns desses modos tem sobrevivido dentro da música folk em algumas regiões, este é o caso do modo Frigio na música em Andaluzia (Espanha).
teoria111
teoria112
teoria113

ESCALA PENTATÔNICA

Conforme o nome diz, Escalas Pentatônicas são formadas de cinco tons (do grego "pente"). Essas escalas são muito usadas em música folk em vários países. Compositores clássicos como Claude Debussy e Maurice Ravel usaram em suas peças também.
Apesar de que qualquer escala formada de cinco tons pode teoricamente ser chamada de pentatônica, as formas mais comuns são as seguintes:

1) Dó-Ré, 2) Ré-Mi, 3) Mi-Sol, 4) Sol-Lá, 5) Lá-Dó
teoria114

ESCALA CROMÁTICA

Na Escala Cromática, as notas são separadas umas das outras por um semitom.
teoria115

ESCALA DE TOM INTEIRO

Nas Escala de Tons inteiros, as notas são separadas uma das outras por um tom. Isso se destaca no trabalho de Debussy.
teoria116

A ESCALA DIMINUTA

Na Escala Diminuta, a distância entre as notas pode ser de um tom ou meio tom. O termo diminuta vem do fato que os graus I, III, V e VII formam um acorde de sétima diminuta.
teoria117