Aprendendo sobre as cifras


O que São Cifras?

Tanto na música Barroca, como no jazz e na música pop contemporânea, os compositores têm buscado formas de indicar a utilização de acordes através do uso de símbolos, os quais lhes economizam trabalho ao escreverem a notação musical que deve acompanhar a música.
Este tipo de notação ou cifragem indica ao executante o acorde que ele deve usar, mas deixa a cargo de sua sensibilidade musical a maneira exata na qual ele executará os acordes.

Cifras no Jazz

Para indicar as tríades maiores, menores, diminutas e aumentadas, usamos as letras correspondentes às notas musicais, conforme indicado abaixo:
teoria166
Tríades Maiores

A letra sozinha simboliza uma tríade maior, em sua posição fundamental:
teoria167
Tríades Menores
Acrescenta-se uma letra m (minúscula), min, ou o símbolo - (menos):
teoria168

Tríades Aumentadas

Acrescenta-se aum (ou, do Inglês, a expressão aug), ou o símbolo #5
teoria169

Inversões

Para indicar uma inversão, acrescenta-se uma linha diagonal (barra) e especifica-se a nota que deve ser tocada no baixo:
teoria170
Cifras na Música Barroca

Era costume entre os compositores barrocos escrever a linha melódica do baixo - a ser tocada por instrumentos como violoncelo, contrabaixo e a mão esquerda dos instrumentos de teclado - acrescentando uma cifras que indicavam ao tecladista os acordes que deveriam ser utilizados:
teoria171
A seção escrita para os instrumentos que tocam este baixo e os instrumentos que a executam harmonicamente, recebem o nome de baixo contínuo.
Este costume foi posteriormente abandonado, com os compositores preferindo escrever exatamente o que deveria ser tocado. Contudo, o baixo cifrado continua sendo utilizado no estudo da harmonia até os nossos dias.

Cifras das Tríades no Baixo Contínuo

O princípio do baixo contínuo, ou o baixo cifrado, é simples: especificamos, com números, ou cifras, os intervalos que queremos acrescentar sobre o baixo escrito. As notas são acrescentadas mantendo-se as alterações próprias da tonalidade. Desta forma, as mesmas cifras se aplicam a diferentes tipos de tríades. Por exemplo, uma tríade na posição fundamental seria indicada com as cifras 5 (quinta) e 3 (terça):
teoria172

Posição fundamental
Entretanto, para evitar de usar uma quantidade enorme de cifras que dificultariam a leitura e complicariam o processo de copiar a música, assumimos que o acorde é uma tríade em posição fundamental se não houver qualquer cifra escrita. No exemplo seguinte, todos os baixos sem cifras devem ser harmonizados com tríades na posição fundamental:
teoria173
Algumas escolas utilizam a cifra para o acorde de VII grau, por ser um acorde com a 5ta diminuta.
Na primeira inversão, usamos 6 e 3. Porém, geralmente se simplifica e se usa apenas o 6.
Por esta razão, estes acordes são conhecidos como acordes de sexta.

Na segunda inversão usamos 6 e 4, e não se simplifica a cifra. Estes acordes também são conhecidos pelo nome de sexta e quarta ou de quarta e sexta:
teoria174
Segunda inversão
Algumas escolas precedem o 4 de um acorde de VII grau com o sinal +, já que esta 4ª é a sensível da tonalidade.

Alterações no Baixo Contínuo

Caso seja necessário especificar uma alteração (que não aparece na armadura de clave), escreve-se a alteração antes ou depois da cifra correspondente à nota afetada por ela. Se a alteração aparece sozinha, ela é aplicada na 3ª, com relação ao baixo. Temos alguns exemplos a seguir:
teoria175

Cifras de Sétimas no Jazz

Sétimas de Dominante
Acrescenta-se um 7 à letra:
teoria176
Sétimas Maiores
Acrescenta-se Maj7, 7 ou :
teoria177
Sétimas Menores
Acrescenta-se min7, m7 ou -7:
teoria178
Sétima Diminuta
Acrescenta-se dim7 ou °7:
teoria179
Sétima de Sensível, ou Meio-Diminuta
teoria180
Inversões

Assim como nas outras tríades, para indicar uma inversão, acrescenta-se uma linha diagonal (barra) e se especifica a nota que devemos tocar no baixo.

Cifras de Sétima no Baixo Contínuo

Assim como no caso das tríades, podemos usar as mesmas cifras para qualquer acorde de sétima (para mais informações, veja Cifras das Tríades no Baixo Contínuo).
A cifra completa do acorde de Sétima de Dominante aparece sob o primeiro exemplo. No segundo exemplo ele aparece simplificado e como é geralmente utilizado:
teoria181

Primeira Inversão
teoria182
Terceira Inversão
Algumas escolas usam uma cifra diferente para os acordes de 7ª de dominante, 7ª diminuta e 7ª de sensível:
teoria183

Sétima de Dominante
teoria184
Sétima Diminuta
teoria185