O Repertório Aromático

O Repertório Aromático

Quando se inicia um estudo para a prática da Aromaterapia é bastante recomendável que se defina um repertório de óleos essenciais que, embora abrangente na sua aplicação, não seja muito extenso em número de espécies vegetais utilizadas. E assim é, para que se possa introduzir-se no conhecimento mais efetivo de cada um, sua manipulação, seus componentes ativos, seu esquema característico e as sutilezas de sua bioenergética.
Esse conhecimento só é viável se houver um estudo mais concentrado e uma observação dirigida, o que se pode realizar quando há dedicação voltada para um número mais reduzido de espécies, evitando a dispersão, que é uma tendência natural, principalmente pelo fascínio que esse conhecimento desperta.
Quando, no entanto, só há um interesse mais genérico, pode-se fazer uso da já extensa bibliografia disponível com centenas de espécies e suas respectivas aplicações.
Sugere-se, portanto, que se faça uso de um repertório de óleos essenciais definido de maneira a familiarizar o pesquisador com as diversas possibilidades de sua aplicação e as várias formas de seu preparo e sua utilização, até que já se tenha efetivamente assimilado esse conhecimento na prática.
O repertório é um rol de plantas e seus respectivos óleos essenciais que se vão eleger para serem estudados, pesquisados e realmente conhecidos. É uma lista de algumas poucas espécies das quais se terá um profundo conhecimento de suas características botânicas, farmacológicas e tipológicas.
Sugere-se que sejam escolhidos 3 a 5 óleos essenciais para que se possa desenvolver um trabalho de resultado consistente. Quando já houver intimidade suficiente com as espécies trabalhadas e aqueles aspectos referidos anteriormente já estiverem bem dominados, parte-se para um novo conjunto de espécies, as quais virão não só ampliar o repertório existente mas, principalmente, complementá-lo.
Deve-se observar, sempre que possível, a existência de alguma sensação de simpatia, ou interesse, ou qualquer outro aspecto demonstrativo de afinidade entre o pesquisador e a espécie estudada. Onde há vínculo, pode haver maior profundidade.
Pode-se eleger entre aquelas das quais já se tem algum conhecimento, com a qual já se trabalhou alguma vez ou que se tem informação disponível de modo suficiente para um bom começo.
A seguir é oferecido um repertório básico inicial para referência, onde estão relacionados 10 óleos essenciais, as espécies de onde são extraídos, suas características, princípios ativos, suas respectivas aplicações e observações pertinentes.


Alecrim
Rosmarinus officinalis
ORIGEM. PRODUÇÃO
Originário do Sul da Europa e Norte da África, o alecrim hoje é cultivado em quase todo o mundo.
O óleo essencial do alecrim é obtido a partir da destilação de suas folhas e flores.
Depois de colhidas, folhas e flores vão perdendo seu teor em componentes aromáticos, oferecendo um óleo essencial cada vez mais fraco, quanto mais tarde forem utilizadas para a destilação. É produzido em toda a região mediterrânea.
O rendimento da destilação do alecrim fica em torno de 1,5%. Tem sido observada com freqüência a adulteração do óleo essencial de alecrim. O óleo puro quase não apresenta coloração, ou seja, é praticamente incolor, com um aroma que lembra o eucalipto.

DESCRIÇÃO. CARACTERÍSTICAS
O alecrim é uma planta semi-arbustiva, de caule semi-lenhoso retorcido, bastante ramificado, podendo atingir cerca de 2 metros de altura. Os ramos novos do alecrim são verdes e flexíveis, tornando-se lenhosos e adquirindo uma coloração amarronzada à medida que vão se desenvolvendo.
As folhas são opostas e cruzadas, muito estreitas e coriáceas, com as margens recurvadas para baixo, verdes na face ventral (superior) e verde-acinzentada na face inferior (dorsal), onde existem inúmeros pelos quase microscópicos. As flores do alecrim podem ser azuis, brancas ou rosadas, reunidas em pequenos cachos nas axilas das folhas superiores.
O alecrim é símbolo de felicidade e amizade. É um elemento estimulante e tônico e, portanto, utilizado para “levantar o astral”, estimular o humor e reduzir a apatia. Também estimula a circulação sangüínea e age auxiliando a menstruação difícil. Como agente hipertensor, pode ser indicado para pessoas com pressão sangüínea baixa. Apresenta ainda algumas propriedades rejuvenescedoras da pele, auxiliando na redução das rugas, no controle da acne e na assepsia da pele, sendo adequado para a desinfecção de feridas e para auxiliar sua cicatrização.

PRINCIPAIS CONSTITUINTES DO ÓLEO ESSENCIAL
· cineol
· borneol
· canfeno
· lineol
· pinemo
· cânfora

PROPRIEDADES RECONHECIDAS
· anti-reumático
· anti-séptico
· cardiotônico
· colagogo
· emenagogo
· estimulante geral
· hepático
· hipertensor

INDICAÇÕES TERAPÊUTICAS
· reumatismo, gota
· lesões da pele, queimaduras, sarna, pediculose
· fraqueza geral, fadiga mental, estafa, anemia
· distúrbios hepato-biliares diversos, colesterol elevado
· distúrbios digestivos
· hipotensão (pressão baixa)

OBSERVAÇÕES
1. As dosagens estipuladas para o uso do óleo de alecrim devem ser rigidamente respeitadas; este óleo pode ser tóxico se utilizado em excesso.
2. Pessoas portadoras de epilepsia devem evitar o contato com o óleo de alecrim, pois pode desencadear um ataque.
3. Gestantes devem evitar o uso do óleo de alecrim, pois pode induzir ao aborto.
4. O óleo de alecrim é uma excelente indicação para recomposição mental após o excessivo exercício intelectual.



Bergamota
Citrus bergamia

ORIGEM. PRODUÇÃO
A bergamota é originária do Marrocos.
O óleo essencial da bergamota é obtido a partir da pressão a frio da casca da fruta. É produzido na Itália, na Costa do Marfim e na Guiné. A produção mundial do óleo essencial de bergamota está praticamente concentrada na Itália.
A extração do óleo apresenta rendimentos da ordem de 0,5% e fornece um óleo de coloração variando do amarelo-esverdeado até o verde-esmeralda. A intensidade do verde é devida aos recipientes de cobre utilizados na extração. Apresenta um odor parecido com o do limão.
O óleo essencial da bergamota possui elevados teores de ésteres, em especial o acetato de linalilo.

DESCRIÇÃO. CARACTERÍSTICAS
A bergamota é uma laranjeira, uma pequena árvore com cerca de 4 a 5 metros de altura. Suas folhas, bastante numerosas, são inteiras, oval-acuminadas, de coloração verde intensa, e que lhe conferem uma copa compacta. O caule é um tronco curto, intensamente ramificado e muito resistente. As flores são brancas e numerosas, bastante prolíficas, gerando inúmeros frutos, de coloração variando do verde ao amarelado, de cujas cascas é extraído o óleo essencial.
O fruto da bergamota tem sido utilizado pela medicina popular por centenas de anos na Itália, mas era desconhecido do resto do mundo até recentemente. Seu nome se deve à cidade de Bergamo onde o óleo essencial foi comercializado pela primeira vez.
O óleo de bergamota está entre os mais agradáveis e estimulantes óleos, misturando muito bem com aromas florais. Possui uma intensa afinidade com o trato urinário e é considerado um dos melhores tratamentos para distúrbios deste sistema como cistite, leucorréia, uretrite e leucorréia, além de ser adequado para assepsia através de banhos e lavagens.
Da mesma forma, é indicado para a assepsia da pele, principalmente as oleosas.
Encontra ainda aplicação nos casos de cólicas e náuseas e como estimulante das funções digestivas. É de efetiva aplicação nos estados febris. Nos casos de depressão e ansiedade apresenta bons efeitos quando empregado em massagens ou no banho diário.

PRINCIPAIS CONSTITUINTES DO ÓLEO ESSENCIAL
· linalol
· nerol
· acetato de linalilo
· limonemo
· canfeno
· bergateno
· bergamotino

PROPRIEDADES RECONHECIDAS
· anti-espasmódico
· anti-séptico
· carminativo
· digestivo
· estomáquico
· febrífugo
· tônico

INDICAÇÕES TERAPÊUTICAS
· cólicas, náuseas
· acne, afecções da pele, dermatite, afecções da boca
· flatulência, indigestão, dispepsia
· febres
· distúrbios nervosos

OBSERVAÇÕES
1. Existe uma erva nativa da América do Norte chamada bergamota com a qual não deve ser confundida a fruta cítrica em questão.
2. O óleo essencial de bergamota é o principal constituinte da famosa água-de-colônia.
3. O óleo de bergamota mistura muito bem com praticamente qualquer outro óleo essencial.
4. Concentrações acima de 1% podem provocar irritações na pele.




Camomila
Matricaria chamomilla

ORIGEM. PRODUÇÃO
A camomila-dos-alemães é originária do Sul da Europa.
O óleo essencial da camomila-dos-alemães é obtido a partir da destilação de suas flores. A produção do óleo ocorre principalmente na França, Inglaterra, Marrocos, Egito, Bélgica, Alemanha, e Hungria.
A colheita das flores da camomila deve ser feita apenas em dias secos, após o orvalho, e quando os capítulos tenham acabado de se abrir, sem que se aguarde pelo seu amadurecimento.
O processo de extração apresenta rendimentos da ordem de 0,22%, fornecendo um óleo azulado claro. Seu componente principal é o azuleno, excelente agente antiinflamatório, que aparece no óleo essencial em concentrações de ate 30%.

DESCRIÇÃO. CARACTERÍSTICAS
A camomila é uma planta herbácea, de haste ereta e ramificada, com cerca de 50 centímetros de altura. As folhas são filiformes, isto é, como fios. As flores aparecem em capítulos como as conhecidas margaridas, com o centro do capítulo amarelo e as lígulas brancas.
O óleo essencial da camomila-dos-alemães é especialmente recomendado para ocorrências femininas, como irregularidades na menstruação, hemorragia, cólicas, etc.
A camomila é uma das plantas medicinais de uso mais antigo. Por sua ação antiespasmódica e carminativa, a camomila tem sido utilizada por muitos séculos como um dos melhores digestivos, com sucesso nos casos de dispepsia, digestão difícil, flatulência e distúrbios hepáticos. É também um excelente agente anti-depressivo e calmante suave, muito bem indicado para insônia. Além de sua ação diurética, ainda é um ótimo anti-séptico para o sistema excretor intestinal e urinário.

PRINCIPAIS CONSTITUINTES DO ÓLEO ESSENCIAL
· azuleno
· farneseno
· cadineno
· bisabolol

PROPRIEDADES RECONHECIDAS
· analgésico
· anti-anêmico
· anti-depressivo
· anti-espasmódico
· anti-inflamatório
· carminativo
· cicatrizante
· colagogo
· emenagogo
· hepático
· sedativo

INDICAÇÕES TERAPÊUTICAS
· dores musculares, dores nas articulações
· estados depressivos
· cólicas, dismenorréia, TPM
· inflamações da pele, nevralgia, conjuntivite
· erupções alérgicas
· dispepsia, flatulência, indigestão
· afecções do fígado
· fadiga, insônia, acessos de histeria

OBSERVAÇÕES
1. Em misturas de óleos, a camomila tende a predominar.
2. É dos poucos óleos essenciais que podem ser utilizados para o tratamento de crianças pequenas.
3. O azuleno, o componente responsável pela ação antiinflamatória da camomila, não é encontrado nas flores frescas da planta, mas somente no seu óleo essencial destilado.




Capim-limão
Cymbopogon citratus
ORIGEM. PRODUÇÃO
O capim-limão é originário da Índia.
O óleo de capim-limão é obtido a partir da destilação a vapor de suas folhas. É produzido na Índia, América Central e Brasil.
O óleo tem coloração entre o amarelo e o marrom avermelhado, com aroma que lembra o do limão, ao qual lhe deve o nome “capim-limão”. Seu principal componente é o citral, que aparece com teores entre 75% a 85%.
Como o óleo do capim-limão possui uma certa ação corrosiva, o equipamento de destilação deve ser inoxidável ou de alumínio em suas partes metálicas. Da mesma forma, os tambores utilizados na sua armazenagem em grandes quantidades devem ser apropriados para tal.

DESCRIÇÃO. CARACTERÍSTICAS
O capim-limão é uma gramínea ereta, com cerca de 80 centímetros de altura, formando grandes touceiras. As folhas são estreitas e bem longas, de coloração verde-claro, com um forte e característico odor cítrico.
A planta é bastante rústica e de desenvolvimento relativamente rápido sem, no entanto, deixar de ser perene: uma mesma touceira de capim-limão vive durante vários anos pois constantemente se renova com a emissão de novos brotos.
O seu doce e intenso aroma de limão o faz uma refrescante e desodorizante fragrância para ambientes internos. Como bactericida e anti-séptico, é indicado para a assepsia dos pés e suas afecções. Da mesma forma, encontra aplicação nos distúrbios respiratórios, como desinfetante das vias aéreas. Age sobre o trato digestivo aliviando cólicas e distúrbios deste sistema.

PRINCIPAIS CONSTITUINTES DO ÓLEO ESSENCIAL
· citral
· linalol
· geraniol

PROPRIEDADES RECONHECIDAS
· anti-séptico
· bactericida
· carminativo
· digestivo
· diurético

INDICAÇÕES TERAPÊUTICAS
· desodorização, assepsia, pé-de-atleta
· afecções das vias respiratórias
· distúrbios digestivos, cólicas, dispepsia
· pediculose

OBSERVAÇÕES
1. O óleo essencial de capim-limão pode causar irritação da pele em concentrações maiores que 1%.
2. O óleo de capim-limão pode ser utilizado como repelente de insetos, principalmente mosquitos e pernilongos.
3. Na prática veterinária, o óleo de capim-limão pode ser empregado como vermífugo.




Eucalipto
Eucalyptus globulus
ORIGEM. PRODUÇÃO
Originário da Austrália, onde também é conhecido como árvore-da-febre, o eucalipto posteriormente foi levado para a Tasmânia, China, Brasil e outros países.
O óleo essencial de eucalipto é obtido através da destilação das folhas da árvore.Devem ser empregadas as folhas mais velhas originárias de ramos maduros. É produzido na Austrália, Tasmânia, França, Espanha, Portugal, Argélia e Américas.
O óleo essencial de eucalipto possui uma coloração amarelo-pálido, com aroma muito parecido com o da cânfora. Seu principal constituinte é o eucaliptol, de acentuada ação anti-séptica. As folhas frescas fornecem um óleo mais concentrado.

DESCRIÇÃO. CARACTERÍSTICAS
Existem mais de 200 espécies desta que se inclui entre as maiores árvores do mundo, porém a mais adequada tem sido o Eucalyptus globulus.
O eucalipto pode atingir até cerca de 90 metros de altura. É uma árvore constantemente verde, cujas folhas novas, de formato mais ovalado, tem uma coloração de verde mais intensa do que as folhas mais velhas, que são mais alongadas. As flores do eucalipto são pequenas e de coloração branca ou creme.
Os aborígines australianos devem ter sido os primeiros a fazer uso medicinal da planta, e empregam suas folhas para o tratamento de ferimentos graves.
Banhos, inalação e massagem são as formas de aplicação mais comuns do óleo de eucalipto.
A absorção e a eliminação parciais do óleo de eucalipto se dão ao nível do pulmão, onde agem antisepticamente e estimulando a expectoração.

PRINCIPAIS CONSTITUINTES DO ÓLEO ESSENCIAL
· eucaliptol
· cineol
· pinemo
· canfeno
· felandreno
· aromadendreno
· eudesmol

PROPRIEDADES RECONHECIDAS
· anti-séptico
· anti-espasmódico
· expectorante
· febrífugo
· hipoglicêmico
· rubefaciente
· vermífugo

INDICAÇÕES TERAPÊUTICAS
· afecções das vias respiratórias, afecções das vias urinárias
· queimaduras, ferimentos, desinfecção ambiental
· febres
· diabetes
· articulações doloridas
· vermes intestinais

OBSERVAÇÕES
1. O óleo essencial de eucalipto, junto com o óleo de tomilho é excelente para desinfecção de ambientes; podem ser misturado com outros óleos para conferir-lhes um aroma familiar, mais facilmente aceito.
2. Sua utilização deve ser evitada por mulheres durante o período de gestação e de lactação.
3. Algumas pessoas apresentam sensibilidade ao óleo de eucalipto, traduzida em dermatite; deve-se, portanto, estar atento e, antes do uso, fazer um teste para confirmar a ausência de sensibilidade.
4. Alguns anestésicos, analgésicos e ansiolíticos podem ter seu metabolismo hepático acelerado na presença do óleo de eucalipto.
5. Aromaterapeutas europeus e americanos têm observado bons resultados na aplicação spray da diluição do óleo de eucalipto nos casos de doenças como catapora, sarampo, tifo, e outras.
6. O óleo de eucalipto não deve ser utilizado internamente; embora para uso externo não tenha nenhum efeito tóxico, seu uso interno apresenta toxidez mesmo em doses pequenas.
7. O óleo de eucalipto não deve ser utilizado em crianças com menos de 2 anos de idade, principalmente próximo ao nariz, pois há risco de espasmos da faringe e a conseqüente dificuldade respiratória.




Lavanda
Lavandula officinalis
ORIGEM. PRODUÇÃO
A lavanda (ou alfazema) é originária da Europa mediterrânea.
O óleo essencial da lavanda é obtido a partir da destilação por vapor de suas flores.Para o uso doméstico da planta colhem-se os botões florais. Para a extração de seu óleo essencial, no entanto, colhem-se as flores já abertas. Os rendimentos do processo de destilação são da ordem de 0,7% a 1,7%.
A destilação comercial da lavanda parece ter-se iniciado em princípios do século XVII. A produção comercial é originária da França, Bulgária, Espanha, Inglaterra, Austrália e Rússia.

DESCRIÇÃO. CARACTERÍSTICAS
A lavanda é um subarbusto com cerca de 30 a 90 centímetros de altura, ereto e frondoso. O caule é nu na base, semi-lenhoso, logo se ramificando, muito parecido com o do alecrim, descrito anteriormente. As folhas são verde-acinzentadas, muito estreitas e lanceoladas, com os bordos enrolados. As flores são de uma coloração azul-violácea e ocorrem em espigas terminais.
As melhores plantas para a produção de óleo essencial desenvolvem-se em ambientes ensolarados, em altitudes a partir de 1.000 metros.
A lavanda é considerada uma planta nobre, e de onde emana paz. A difusão do seu óleo essencial ajuda a tranqüilizar o ambiente e reduzir o atrito entre as pessoas deste ambiente. O óleo de lavanda é dos óleos mais versáteis e mais apreciados na arte da Aromaterapia. Historicamente tem sido empregado em cosméticos e em perfumaria em quase todo o mundo.

PRINCIPAIS CONSTITUINTES DO ÓLEO ESSENCIAL
· linalol
· geraniol
· cineol
· borneol
· limonemo
· l-pinemo
· ésteres de linalil
· acetato de geranil

PROPRIEDADES RECONHECIDAS
· anti-séptico
· cicatrizante
· analgésico
· hipotensor
· tranqüilizante
· anti-depressiva

INDICAÇÕES TERAPÊUTICAS
· depressão
· insônia
· ansiedade
· taquicardia
· afecções das vias respiratórias
· distúrbios digestivos
· feridas
· queimaduras
· afecções da pele

OBSERVAÇÕES
1. O uso interno do óleo essencial de lavanda deve ser totalmente evitado; pequenas dose já provocam náuseas violentas.
2. A denominação lavanda tem sua origem na palavra latina lavare (=lavar), pois desde a antigüidade é utilizada para banhos.

Limão
Citrus limonum

ORIGEM. PRODUÇÃO
O limão parece ter sido originário da Índia, tendo sido disseminado pelo mundo, inicialmente pelos árabes para a Europa.
O óleo essencial de limão fica alojado em pequenas bolsas na casca do fruto, e é obtido a partir da expressão a frio das cascas de frutos verdes, com rendimentos que variam da ordem de 0,1 a 0,3%. Na prática, são necessários cerca de 4.000 frutos para obter-se 1 kg de óleo essencial.
O óleo tem uma coloração que varia do verde ao verde-amarelado. A produção ocorre em Portugal, Espanha, Brasil, Argentina, na região do Mediterrâneo e nos Estados Unidos (Califórnia).

DESCRIÇÃO. CARACTERÍSTICAS
O limoeiro é uma pequena árvore, com cerca de 4 metros de altura. Suas folhas, pecioladas, são de um verde muito intenso e brilhante, e lhe conferem uma copa compacta e de aspecto muito saudável. O caule é um tronco que se ramifica desde pouca altura, apresentando uma coloração acinzentada. As flores, de coloração branca ou creme, surgem nas axilas solitárias ou aos pares, e são muito aromáticas.
O óleo essencial de limão é um dos mais ricos em vitaminas, sobretudo a vitamina C e o betacaroteno (precursor da vitamina A). Além de sua forte ação bactericida, é um agente estimulante do sistema imunológico, incrementando a produção de leucócitos. Possui ação alcalina no sistema digestivo, equilibrando os excessos de acidez do estômago e do intestino. Depurativo, auxilia na manutenção da maior fluidez do sangue. Possui uma ação refrescante e é indicado para corrigir os estados febris.

PRINCIPAIS CONSTITUINTES DO ÓLEO ESSENCIAL
· limonemo
· canfeno
· pinemo
· felandreno
· linalol
· citral
· acetato de linalil
· acetato de geranil

PROPRIEDADES RECONHECIDAS
· anti-séptica
· bactericida
· estomáquica
· carminativa
· depurativa
· anti-reumática

INDICAÇÕES TERAPÊUTICAS
· infecções diversas
· febres
· dispepsia
· acidez
· insuficiência hepática
· hipertensão
· artrite
· reumatismo
· afecções da pele
· varizes

OBSERVAÇÕES
1. Após contato com da pele com o óleo essencial de limão, é preciso evitar a exposição ao sol, ou lavar o local para retirar o óleo, pois esta essência é fotossensibilizante, podendo provocar reações alérgicas e queimaduras.

Néroli
Citrus aurantium
ORIGEM. PRODUÇÃO
Esta espécie de Citrus é a conhecida laranja-azeda ou laranja-da-terra, oriunda de inúmeras regiões da Ásia e da Europa, acredita-se que tenha surgido na Índia.
Posteriormente foi introduzida na Europa pelos Cruzados.
Néroli é o óleo obtido a partir da destilação das flores da árvore da laranja-da-terra.
A mesma planta fornece os frutos dos quais se extrai o óleo essencial de laranja azeda. O néroli é produzido na Índia, China, França, Itália, Marrocos, México, América do Sul e Antilhas.
O nome é devido à admiração que a esposa do príncipe Nerola tinha pelo produto e que tornou-o muito popular no século XVI.
Para a extração do óleo, as flores colhidas precisam ser logo processadas pois perdem rapidamente o teor de óleo essencial que possuem. O óleo assim obtido, é de coloração clara e límpida.

DESCRIÇÃO. CARACTERÍSTICAS
A laranjeira-da-terra é uma pequena árvore com cerca de 5 metros de altura. O caule é um tronco irregular, com muitos espinhos. As folhas são ovais, com pecíolos alados. Os frutos são de um amarelo forte, de pericarpo muito espesso (casca bem grossa) e de sabor amargo (o que lhe deve o nome de laranja-azeda). As flores são pequenas e de coloração branca.
O néroli é empregado em massagens e compressas para aliviar as cólicas. Também é um ótimo rejuvenescedor e hidratante para a pele. Levemente sedativo, é indicado para ansiedade, depressão e insônia.

PRINCIPAIS CONSTITUINTES DO ÓLEO ESSENCIAL
· linalol
· geraniol
· nerol
· éster antranílico
· éster fenilacético

PROPRIEDADES RECONHECIDAS
· anti-espasmódica
· anti-depressiva
· anti-séptica
· sedativa
· hidratante

INDICAÇÕES TERAPÊUTICAS
· cólicas, dispesia nervosa, diarréia
· estados depressivos, ansiedade
· pele seca, pele sensível
· insônia, palpitações, estados de choque

OBSERVAÇÕES
1. O néroli é recomendável para os casos de cólicas infantis.
2. Como o óleo de bergamota, o néroli também entra na composição da água-decolônia.
3. O néroli pode ser usado na água do banho (banheira) para alívio dos sintomas da TPM (tensão pré-menstrual).

Rosa
Rosa damascena

ORIGEM. PRODUÇÃO
Não se tem como certo o local de origem da rosa, acreditando-se vir do Oriente. No entanto, esta é hoje uma planta universal, com inúmeras variedades em todo o mundo.
O óleo essencial de rosa é produzido na Bulgária, Marrocos, Turquia, Síria, França, Inglaterra, Índia e União Soviética. O principal método de extração para fins aromaterápicos é a destilação. Enfleurage e extração por solventes também são utilizados.
Para sua produção, os botões de rosa devem ser colhidos manualmente bem cedo pela manhã, e imediatamente destilados. O óleo obtido pela destilação é bastante espesso e apresenta coloração amarelada. É, talvez, o óleo com o menor rendimento na extração e um dos mais caros, consumindo cerca de 1.400 kg de pétalas para a produção de 1 kg de óleo essencial.
O hidrolato resultante da destilação das pétalas da rosa é a conhecida “água de rosas”, de inúmeras aplicações em cosmética e perfumaria.

DESCRIÇÃO. CARACTERÍSTICAS
A rosa é um arbusto de cerca de 1 a 2 metros de altura, bastante resistente. O caule, ramificado desde a base, é de pequeno diâmetro mas lenhoso e cheio de acúleos (aparentes “espinhos” que se soltam se arrancados).
O óleo de rosas é uma poderosa ferramenta para trabalhar os aspectos emocionais.
Pelo seu preço elevado, é dos mais adulterados com óleos de outras flores. Portanto, ao trabalhar a constituição emocional em um tratamento, é importante que se tenha a certeza da idoneidade do fornecedor e, assim, da pureza do óleo empregado.
A rosa, ao longo da história da humanidade, tem sido símbolo de elevação espiritual e, ao mesmo tempo, de amor e paixão. É refrescante e relaxante. É útil nos aspectos femininos como no pós-parto e na regularização do fluxo menstrual. Além de ser um excelente anti-séptico, é um ótimo tônico para a pele.

PRINCIPAIS CONSTITUINTES DO ÓLEO ESSENCIAL
· citronelol
· geraniol
· serol
· acetatos diversos

PROPRIEDADES RECONHECIDAS
· anti-séptica
· anti-depressiva
· antiinflamatória
· sedativa
· hepática
· emenagoga

INDICAÇÕES TERAPÊUTICAS
· tônico para a pele
· depressão, estados mórbidos, frigidez
· digestões difíceis
· dismenorréia (menstruações irregulares)

OBSERVAÇÕES
1. O uso do óleo essencial de rosa deve ser evitado durante o período de gestação.
2. A tecnologia de adulteração de óleos essenciais atingiu o seu clímax talvez na falsificação do óleo de rosa.

Sândalo
Santalum album

ORIGEM. PRODUÇÃO
O sândalo é originário da Índia.
O óleo essencial de sândalo é obtido a partir da destilação da madeira, isto é, do cerne do tronco da árvore, com rendimentos da ordem de 3,5%. É um óleo grosso e possui uma coloração amarelada.
Após a destilação, o óleo é maturado por cerca de 6 meses, até que atinja a maturidade e o aroma adequados.
A produção do óleo de sândalo vem da Índia, Indonésia, China e Austrália. Apenas árvores com quase 30 anos apresentam óleo economicamente viável. Na Índia o governo controla a exploração devido aos excessos do passado que quase levaram à extinção da árvore.

DESCRIÇÃO. CARACTERÍSTICAS
O sândalo é uma pequena árvore com cerca de 3 a 10 metros de altura. O tronco apresenta muitos ramos pendentes, de casca lisa e de coloração marrom-acinzentada. As folhas são opostas e ocorrem aos pares, ao longo dos ramos. As flores são pequenas, numerosas e aparecem nas axilas dos ramos.
As raízes do sândalo parasitam o sistema radicular de árvores vizinhas em busca de nutrientes. Algumas pesquisas, no entanto, têm demonstrado haver desenvolvimento da árvore hospedeiro.
Ao contrário do óleo de rosa, de natureza feminina, o óleo de sândalo tem uma natureza masculina, seca e fria. Sua ação se faz de maneira profunda e quase permanente.
Mistura muito bem com o óleo de rosa. É adequado para as infecções respiratórias, como bronquite e laringite, assim como aquelas ligadas ao trato urinário, como a cistite, pelo seu alto poder anti-séptico.

PRINCIPAIS CONSTITUINTES DO ÓLEO ESSENCIAL
· santalol
· fusanol
· ácido santálico

PROPRIEDADES RECONHECIDAS
· anti-séptico
· adstringente
· diurético
· anti-depressivo
· anti-espasmódico

INDICAÇÕES TERAPÊUTICAS
· afecções do trato urinário
· afecções do sistema respiratório
· diarréias
· depressão
· insônia

OBSERVAÇÕES
1. Algumas pessoas podem apresentar pequenas reações alérgicas ao uso tópico do óleo essencial de sândalo.
2. Pessoas com distúrbios renais não devem fazer uso interno do sândalo.