Processadores


Processadores

O microprocessador é o principal componente de um computador. Um
computador equipado com um processador Pentium, será chamado de
"Pentium" e um outro com um processador 486 será chamado de "486".
Porém, é importante entender que o desempenho de um computador não é
determinado apenas pelo processador, e sim pelo trabalho conjunto de
todos os componentes: placa mãe, memória RAM, HD, Placa de Vídeo,
etc. Caso apenas um desses componentes ofereça uma performance muito
baixa, o desempenho do computador ficará seriamente prejudicado. Não
adianta colocar um motor de Ferrari num "carocha". Um mero Pentium MMX
com bastante memória RAM, um HD Rápido e uma boa placa de vídeo pode
facilmente bater em performance um Pentium II com um conjunto fraco.

Vamos agora falar sobre as características dos microprocessadores
utilizados nos computadores PC s, tanto os produzidos pela Intel como
por outros fabricantes como a Cyrix e a AMD.

Processadores Risc x Processadores Cisc


Sempre houve uma grande polémica em torno de qual dessas plataformas
é melhor. Talvez ache inútil estarmos a falar sobre isso, mas é
interessante compreender a diferença entre estas duas plataformas,
para entender vários aspectos dos processadores modernos.
Um processador Cisc (Complex instruction set computer), é capaz de
executar várias centenas de instruções complexas, sendo extremamente
versátil. Exemplos de processadores CISC, são o 386 e o 486.
No começo da década de 80, a tendência era construir chips com
conjuntos de instruções cada vez mais complexos. Mas alguns
fabricantes resolveram seguir o caminho oposto, criando o padrão
Risc (Reduced instruction set computer). Ao contrário dos complexos
Cisc, os processadores Risc são capazes de executar apenas algumas
poucas instruções simples. Justamente por isso, os chips baseados
nesta arquitetura são mais simples e muito mais baratos. Outra
vantagem dos processadores Risc, é que por terem um menor número de
circuitos internos, podem trabalhar com clocks mais altos.
Pode parecer estranho que um chip que é capaz de executar algumas
poucas instruções, possa ser considerado, por muitos, mais rápido do
que outro que executa centenas delas. Seria como comparar um
professor de matemática com alguém que sabe apenas as quatro
operações. O que acontece, é que um processador Risc é capaz de
executar tais instruções muito mais rapidamente. Assim, em conjunto
com um software adequado, estes processadores são capazes de
desempenhar todas as funções de um processador Cisc, compensando
as suas limitações com uma velocidade maior de operação.
É indiscutível porém, que em instruções complexas, os processadores
Cisc saem-se muito melhor. Por isso, ao invés da vitória de uma das
duas tecnologias, atualmente vemos processadores híbridos, que são
essencialmente processadores Cisc, porém que possuem internamente
núcleos Risc. Assim, a parte Cisc do processador pode cuidar das
instruções mais complexas, enquanto que o núcleo Risc pode cuidar
das mais simples, nas quais é mais rápido. Parece que o futuro nos
reserva uma fusão destas duas tecnologias. Um bom exemplo de
processador híbrido é o Pentium Pro.

Do 8086 ao Pentium
Talvez ache pouco interessante ler sobre estes processadores
obsoletos, mas é interessante conhecer o seu funcionamento para
entender muitos dos recursos utilizados nos processadores mais
modernos. Na pior das hipóteses, irá aprender um pouco mais
sobre a história da Informática :-)

Intel 8086
Lançado em 1978, foi o primeiro processador de 16 bits a ser criado.
Acabou sendo um grande fracasso, pois na época não existiam
circuitos de apoio que pudessem trabalhar a 16 bits, sendo utilizado
apenas em alguns sistemas corporativos. O 8086 podia aceder até 1
MB de memória RAM e permitia o uso de um coprocessador aritmético
externo, o 8087 que poderia ser adquirido separadamente.

Intel 8088
O 8088 era idêntico ao 8086, mas apesar de internamente funcionar
com palavras binárias de 16 bits, externamente trabalhava com
palavras de 8 bits. Isto permite o seu uso em conjunto com periféricos
como placas de vídeo e discos de 8 bits, que eram muito mais baratos
na época, sendo justamente este o motivo da sua popularização. O
8088 foi usado nos computadors IBM PC e IBM XT, e também em clones de
outros fabricantes, e possuía velocidade de operação de 4,77 Mhz

Intel 286
O i286 trabalhava usando palavras de 16 bits tanto interna quanto
externamente. Foi lançado quando já existiam circuitos de apoio 16
bits a preços acessíveis, conseguindo uma espantosa aceitação. O 286
permitia também o uso de um coprocessador aritmético, o 80287 que
deveria ser adquirido à parte. O 286 foi utilizado nos computadors PC-AT
da IBM e em clones de vários concorrentes.
O 286 trouxe um grande avanço sobre o 8086, os seus dois modos de
operação: o "Modo Real" e o "Modo Protegido". No modo real, o 286 se
comporta exatamente como um 8086 (apesar de mais rápido) oferecendo
total compatibilidade com os programas já existentes. Já no modo
protegido, ele incorpora funções mais avançadas, como a capacidade
de aceder até 16 megabytes de memória RAM, multitarefa e memória
virtual em disco.
Assim que ligado, o processador opera em modo real, e com uma certa
instrução passa para o modo protegido. O problema é que, quando em
modo protegido, o 286 deixa de ser compatível com os programas
escritos para 8088. E uma vez em modo protegido, não havia uma
instrução que o fizesse voltar para o modo real, (somente
reiniciando o computador). Assim, apesar de oferecer os recursos do modo
protegido, poucos foram os programas capazes de usa-lo. Por este
motivo, os computadores equipados com processadores 286 eram
geralmente utilizados simplesmente como XT's mais rápidos.

Intel 386
Lançado pela Intel em 85, o 386 trabalha interna e externamente com
palavras de 32 bits, sendo capaz de aceder até 4 gigabytes de
memória RAM e ao contrario do 286, ele pode alternar entre o modo
real e o modo protegido. Foram então desenvolvidos vários sistemas
operativos como o Windows 3.1, OS/2, Windows 95 e Windows NT que
funcionavam usando o modo protegido do 386.
O 386 era muito rápido para as memórias RAM existentes na época. Por
isso, muitas vezes ele tinha que ficar "esperando" os dados serem
libertados pela memória RAM para poder concluir as suas tarefas,
perdendo muito em desempenho. Para solucionar esse problema, foram
inventadas as memórias cache (SRAM) que são utilizadas em pequena
quantidade na grande maioria das placas mãe para computadores 386 e
superiores. Esta memória cache é um tipo de memória ultra-rápida que
armazena os dados da memória RAM mais usados pelo processador, de
modo que mesmo uma pequena quantidade dela melhora bastante a
velocidade da troca de dados entre o processador e a RAM.
O 386 exige o uso de periféricos de 32 bits, que eram muito caros na
época, por isso, a Intel lançou uma versão do 386 de baixo custo,
chamada de 386 SX, que internamente trabalhava à 32 bits, porém
externamente funcionava à 16 bits, possibilitando a fabricação de
placas mãe mais baratas usando basicamente os mesmos componentes das
placas de 286. Para não haver confusão, o 386 original passou a ser
chamado de 386 DX.
O 386 permite o uso dos coprocessadores aritméticos 80387SX (para o
386 SX) e o 80387DX (para o 386 DX). Outros fabricantes como a AMD
também lançaram os seus modelos de 386.

486DLC e 486SLC
Lançados pela Cyrix, esses processadores nada mais são do que
processadores 386 (respectivamente o DX e o SX) que possuíam um
cache interno de 8 KB, usando inclusive placas mãe de 386. Apesar
disso, devido ao cache, o seu desempenho era bastante superior aos
processadores 386, e como se podia trocar apenas o processador num
upgrade, acabou tornando-se uma boa opção para Upgrades de baixo
custo.

Modo real e modo protegido
Operando em modo real, o processador opera exatamente como um 8086,
apenas funcionando a um clock maior. Não somente o 286 e o 386, mas
todos os processadores atuais, podem alternar entre o modo real e o
modo protegido. No modo real, usamos o MS-DOS e alguns aplicativos
mais antigos, enquanto no modo protegido usamos o Windows e os seus
programas.
Com certeza, alguma vez ao tentar usar um programa antigo, já
se deparou com uma enigmática mensagem de falta de memória, apesar
dos manuais do programa dizerem que ele precisa apenas de 500 ou 600
KB de memória e você ter instalados 16, 32, 64 ou mesmo 128
megabytes no seu computador. Estas mensagens surgem por que estes
programas funcionam com o processador operando em modo real, onde -como
o 8086- ele é capaz apenas de reconhecer o primeiro megabyte da
memória RAM. Este primeiro megabyte é subdividido em dois blocos,
chamados de memória convencional e memória estendida.
A memória convencional corresponde aos primeiros 640 KB da memória e
é a área de memória usada pelos programas que operam em modo real.
Os 384 KBytes restantes, são chamados de memória superior, e são
reservados para uso do Bios. Nesta faixa de memória, são gravadas as
ROMs de vários dispositivos, como da placa vídeo e também do próprio
Bios.
Mesmo assim, o programa não deveria funcionar, já que ele precisa apenas
de 600 Kbytes, e eu possuo 640 Kbytes de memória convencional? A
resposta é não, pois apesar de possuirmos 640 bytes de memória
convencional, pronta para ser usada por qualquer programa que opere
em modo real, nem toda esta memória fica disponível, já que parte
dela é usada pelo MS-DOS e drivers de dispositivos de modo real. Mas
de qualquer forma é possível libertar mais memória convencional,
editando os arquivos de inicialização do DOS ou do Windows 95,
conseguindo assim usar estes programas.
Quando o computador é ligado, o processador está a operar em modo
real. Quem dá o comando para que ele mude para o modo protegido é o
sistema operativo. No caso do Windows, este comando é dado durante
o carregamento do sistema.
Em modo protegido, o processador é capaz de reconhecer toda a RAM
instalada no sistema, além de incorporar recursos como a multitarefa
e a memória virtual em disco, é neste modo que usamos a interface
gráfica do Windows e usamos os seus aplicativos.

Intel 486
Ao contrario dos processadores anteriores, fora a maior velocidade
de processamento, o 486 não trouxe nenhuma grande inovação. Como o
386, ele trabalha a 32 bits e é capaz de aceder até 4 gigabytes de
memória RAM. A diferença ficou por conta do acréscimo de um cache
interno (L1) de 8KB e da adoção de um coprocessador aritmético
interno. Apesar disso, devido às brutais mudanças na arquitetura, o
486 é cerca de duas vezes mais rápido do que um 386 do mesmo clock.
Como anteriormente, a Intel criou um 486 de baixo custo, chamado de
486 SX, que era idêntico ao original, porém sem o coprocessador
aritmético interno, podendo ser acoplado a ele o 80487SX. O 486
original passou então a ser chamado de 486 DX.

Foram lançadas versões do 486 à 25 Mhz, 33 Mhz e 40 Mhz, porém
criou-se uma barreira, pois não haviam na época circuitos de apoio
capazes de trabalhar a mais de 40 Mhz. Para solucionar esse
problema, foi criado o recurso de Multiplicação de Clock no qual o
processador trabalha internamente à uma velocidade maior do que a da
placa mãe. Foram lançados então os 486 DX-2 (que trabalhavam ao
dobro da freqüência da placa mãe) e logo depois os 486 DX-4 (que
trabalhavam ao triplo da freqüência da placa mãe)

Velocidade do Processador Velocidade da placa mãe
Multiplicador
486DX-2 50 Mhz 25 Mhz 2x
486DX-2 66 Mhz 33 Mhz 2x
486DX-2 80 Mhz 40 Mhz 2x
486DX-4 75 Mhz 25 Mhz 3x
486DX-4 100 Mhz 33 Mhz 3x
486DX-4 120 Mhz 40 Mhz 3x


Com isso, surgiram também as placas mães "up-gradable" que
suportavam a troca direta de um DX 33 por um DX-2 66 por exemplo,
simplesmente mudando-se a posição de alguns jumpers localizados na
placa.
Mais uma novidade trazida pelos processadores 486, é a necessidade do
uso de um ventilador (cooler) sobre o processador para evitar que
ele aqueça demais. O uso do cooler é obrigatório em todos os
processadores 486 DX-2 e posteriores.

Multiplicação de Clock
Este recurso consiste em fazer o processador trabalhar internamente
a uma freqüência maior do que a placa mãe e os demais componentes do
computador. Assim, apesar do processador trabalhar à sua velocidade
nominal, ele comunica-se com os demais componentes na freqüência da
placa mãe, que geralmente é de 66 ou 100 Mhz nos processadores mais
recentes, sendo geralmente de 40 Mhz nos computadors 486.
O uso da multiplicação de clock permite atingir velocidades
elevadas, pois é muito mais fácil desenvolver processadores velozes
do que placas mãe e circuitos de apoio que funcionem a tal
velocidade. Claro que existe um limite, pouco adianta criar um
processador super veloz e utilizar um multiplicador muito alto para
faze-lo funcionar, se a todo momento o processador tem que ficar
à espera para aceder a dados na memória RAM ou HD, ou mesmo ficar
à espera que a placa de vídeo termine de exibir uma imagem para poder
enviar a próxima. Devido a isto, um computador equipado com um
processador Pentium de 200 Mhz não é duas vezes mais rápido do que
um de 100 Mhz com configuração semelhante, pois em ambos a placa mãe
funciona a 66 Mhz. Na prática, o Pentium 200 mal chega a ser 70%
mais rápido.

Coprocessador Aritmético
A função deste processador é auxiliar o processador principal no
cálculo de números fracionários, ou de ponto flutuante. Em
aplicações que fazem uso intenso deste tipo de cálculo, como
programas gráficos e jogos com gráficos poligonais, a presença deste
auxiliar é indispensável. Apesar do processador principal também ser
capaz de executar tais funções, isto prejudicaria muito o
desempenho. Por isso, apartir dos computadores 486, o coprocessador passou
a ser um item obrigatório. O desempenho do coprocessador aritmético é
tratado como "fpu" em benchmark comparativos.
Este recurso de criar chips auxiliares do processador principal é um
recurso muito usado. Pois é muito mais racional usar chips baratos
para executar ações simples que antes congestionavam o processador
principal, do que investir em processadores mais velozes. Por
exemplo, todos os modems atuais possuem Uart, que é um conjunto de
circuitos que permitem ao modem gerir ele mesmo o envio e
recepção de dados, deixando o processador principal livre para
executar outras tarefas. Como não poderia deixar de ser, alguns
fabricantes "espertos" lançaram versões de modems sem a Uart, que
obrigam o processador a fazer todo o trabalho, degradando muito o
desempenho geral do sistema. Tais modems são chamados de WinModems e
não são uma boa opção de compra.

Intel Pentium
Sucessor do 486, o Pentium ainda é um processador de 32 bits.
Pode-se pensar, então, que já que ele continua a trabalhar com
palavras binárias de 32 bits, qual seria a vantagem dele sobre o
486. São basicamente duas:
A primeira, é que ao contrário do 486, o Pentium acede à memória
usando palavras binárias de 64 bits. São acedidos dois bits por vez
ao contrário de apenas um, o que melhora a velocidade de acesso às
memórias, ajudando a solucionar o antigo problema da lentidão da
memória RAM. Outra novidade é a sua arquitetura superescalar. O
Pentium funciona internamente com dois processadores de 32 bits
distintos, sendo capaz de executar 2 instruções por ciclo de clock,
preservando também a compatibilidade com programas escritos para
processadores mais antigos.
A segunda é que o Pentium possui um cache L1 de 16 KB embutido e
trabalha com velocidades de barramento de 50 à 66 Mhz, o que somado
à maior velocidade de acesso à memória RAM, o torna cerca de 2 vezes
mais rápido do que um 486 do mesmo clock.
Como no 486, os processadores Pentium possuem um coprocessador
aritmético embutido e usam multiplicador de clock:

Velocidade do Processador Velocidade da Placa Mãe
Multiplicador
P-50 Mhz 50 Mhz 1x
P-55 Mhz 55 Mhz 1x
P-60 Mhz 60 Mhz 1x
P-66 Mhz 66 Mhz 1x
P-75 Mhz 50 Mhz 1,5 x
P-80 Mhz 55 Mhz 1,5 x
P-90 Mhz 60 Mhz 1,5 x
P-100 Mhz 66 Mhz 1,5 x
P-120 Mhz 60 Mhz 2 x
P-133 Mhz 66 Mhz 2 x
P-150 Mhz 60 Mhz 2,5 x
P-166 Mhz 66 Mhz 2,5 x
P-180 Mhz 60 Mhz 3 x
P-200 Mhz 66 Mhz 3 x


Como nos 486, as placas mãe para Pentium mais recentes suportam
várias freqüências de barramento e vários multiplicadores distintos,
podendo ser configuradas para o uso com todos os processadores da
família.

Processadores In-a-Box
"In-a-Box" significa numa tradução livre "numa caixa". Geralmente,
um mesmo processador é vendido em duas versões, a In-a-Box e a OEM.
Na versão in-a-box o processador vem dentro de uma caixa,
acompanhado de holografias, manuais, e de uma garantia maior. A
versão OEM é vendida para integradores, e não acompanha nenhuma das
quinquilharias da versão in-a-box, tendo também uma garantia bem
menor, passando segundo as más línguas, também por um controle de
qualidade menos rigoroso.

A principal vantagem dos processadores in-a-box, é o fato de virem
acompanhados de um cooler de ótima qualidade, que é fixo sobre o
processador.
Apesar de um pouco mais caros, vale investir um pouco a mais num
processador in-a-box, pois além do ótimo cooler, temos a certeza de
não se tratar de um processador remarcado.

AMD "586"
Este processador foi lançado pela AMD pouco depois do lançamento do
Pentium pela Intel. Porém, ao contrário do que se pode pensar pelo
nome, de Pentium esse processador não tem muita coisa. Ele usa
placas de 486 utilizando barramento de 33 Mhz e multiplicador de 4x,
totalizando os seus 133 Mhz. Devido à estratégia de Marketing,
muitos pensavam se tratar de um "Pentium Overdrive" porém este
processador não passa de um 486 um pouco mais rápido. Comparado com
um 486 DX-4 100 a diferença de performance é de apenas 33%, servindo
apenas como uma alternativa barata de upgrade. A Cyrix também lançou
um processador muito parecido, chamado de Cyrix 586.

AMD K5
Pentium Compatível da AMD, oferece um desempenho bastante semelhante
ao Pentium da Intel. Perde apenas no desempenho do coprocessador
aritmético que é lento se comparado ao da concorrente. O K5 não
chegou a tornar-se muito popular devido ao seu lançamento atrasado.
Quando finalmente saíram as versões de 100 e 133 Mhz do K5, a Intel
já havia lançado as versões de 166 e 200 Mhz do Pentium, ficando
difícil a concorrência.

Pentium Overdrive
Como fez com os antigos 386 SX, a Intel lançou também um Pentium
"Low Cost". Este processador apesar de internamente ter um
funcionamento idêntico a um Pentium, utiliza placas mãe para
processadores 486, sendo por isso chamado de Overdrive. Foi lançado
em duas versões: de 63 Mhz (25 Mhz x 2,5) e 83 Mhz (33 Mhz x 2,5).
Devido à baixa velocidade de barramento e à compatibilidade com os
antigos componentes das placas de 486, estes processadores perdem
muito em performance se comparados com um Pentium "de verdade": o de
63 Mhz apresenta performance idêntica ao 486 DX4 100 e o de 83 Mhz
uma performance pouco superior. Não fizeram muito sucesso devido a
serem muito caros considerando-se o ganho em performance, por isso é
quase impossível encontrar um. Em termos de custo-beneficio o 586 da
AMD é muito melhor.

Nos dias de Hoje
Finalmente acabamos a nossa "aula de história" e vamos agora falar
sobre os processadores mais modernos. Note que as tecnologias que já
discutimos, como a multiplicação de clock, modo real e modo
protegido, coprocessador aritmético, Risc, Cisc e cache, entre
outras, continuarão sendo utilizadas.

Pentium MMX
Lançado no inicio de 1997, o MMX é muito parecido com o Pentium
clássico na arquitetura. Foram porém adicionadas 57 novas instruções
ao conjunto x86, que era o mesmo desde o 8086. As novas instruções
visam melhorar o desempenho do processador em aplicações multimídia
e processamento de imagens. Nestas aplicações, algumas rotinas podem
ficar até 400% mais rápidas com o uso das instruções MMX. É
necessário porém que o software adotado faça uso de tais instruções,
caso contrário não haverá nenhum ganho de performance.
Foi aumentado também o cache primário (L1) do processador, que
passou a ser de 32KB o que o torna cerca de 10% mais rápido do que
um Pentium clássico, mesmo em operações que não façam uso das
instruções MMX.
O Pentium MMX pode ser encontrado em versões de 166, 200 e 233 Mhz.
Todas usando barramento de 66 Mhz.
A Intel lançou também modelos de MMX Overdrive, que podem substituir
antigos processadores Pentium 120, 100 ou 75 simplesmente
substituindo o processador. O problema é que estes processadores são
mais caros e difíceis de encontrar, não sendo muito atraentes, em
termos de custo-beneficio. Caso a sua placa não ofereça suporte aos
processadores MMX vale muito mais à pena trocá-la também.
Falando em suporte, muitas pessoas ainda tem muitas dúvidas sobre a
instalação do MMX em placas mais antigas. A verdade é que na maioria
delas o MMX não pode ser instalado devido ao seu duplo sistema de
voltagem. No MMX, os componentes internos do processador, ou "core"
funcionam utilizando voltagem de 2.8V, enquanto que os circuitos de
I/O que fazem a ligação do processador com o meio externo continuam
funcionando a 3.3V como no Pentium Clássico.
Este sistema duplo foi criado para diminuir o calor dissipado pelo
processador. Acontece que placas mais antigas estão preparadas para
fornecer apenas as voltagens de 3.3V e 3.5V utilizadas pelo Pentium
Standart e VRE, sendo unicamente por isso incompatíveis com o MMX.
Até podemos instalar um MMX nessas placas, setando a voltagem para
3.3V porém, este procedimento é arriscado, pois estaríamos obrigando
o processador a trabalhar com uma voltagem bem superior à original.
Isso fará com que o processador aqueça muito mais do que o normal
podendo danificá-lo. Você pode tentar minimizar isso melhorando a
refrigeração do processador, mas de qualquer forma este não é um
procedimento recomendável.
Na verdade qualquer placa que suporta o Pentium comum, poderia
suportar também o MMX, pois o que muda são apenas os circuitos
reguladores de voltagem, que além dos 3.3, e 3.5V devem suportar a
voltagem dual de 2.8 e 3.3V. As instruções MMX são apenas software,
e não requerem nenhum tipo de suporte por parte da placa mãe.
Justamente por isso, todas as placas mãe para MMX suportam também o
Pentium clássico, bastando setar corretamente os jumpers que
determinam a voltagem.

AMD K6
O K6, concorrente da AMD para o Pentium MMX, apresenta vantagens e
desvantagens sobre ele. O K6 possui um cache L1 de 64 KB, contra os
32 KB do MMX, porem, é capaz de executar apenas uma instrução MMX
por ciclo de clock contra duas do concorrente, perdendo em
aplicativos que façam uso destas instruções. O coprocessador
aritmético interno também é bem mais lento do que o encontrado nos
processadores Pentium, por isso, o K6 perde também em aplicativos
que façam muito uso de cálculos de ponto flutuante como a maioria
dos jogos por exemplo.
Outro problema do K6 é o aquecimento exagerado apresentado por esse
processador, que apesar de não oferecer problemas de operação,
dificulta o overclock (overclock é um método para envenenar o
processador, que vamos ver com detalhes mais à frente) .
Apesar das limitações, o K6 é mais veloz do que um MMX, de mesmo
clock, em muitas aplicações. Usando o Business Winstone 97, famoso
programa de benchmark para medir a performance do K6, obtemos os
seguintes resultados:

Processador Performance usando o Windows 95 Performance
usando o Windows NT 4.0 Performance em aplicativos que façam
uso das instruções MMX
K6 233 Mhz 54.8 71.0 246.52
K6 200 Mhz 51.9 67.6 214.46
K6 166 Mhz 48.6 63.3 181.58
Pentium 200 Mhz MMX 50.2 64.3 246.57


Podemos notar através do Benchmark que a performance do K6 em
ambiente Windows é levemente superior à do MMX. Em aplicações MMX
porém ele perde, sendo um K6 233 mais lento até mesmo do que um 200
MMX. Como dito anteriormente, ele perde também em programas e jogos
que façam uso intensivo de cálculos de ponto flutuante, como o Quake
2, por exemplo.
Para aplicações de escritório como o Office, o K6 é uma boa opção,
pois nestas aplicações ele é mais rápido do que o MMX, sendo bem
mais barato.
A escolha entre estes dois processadores, depende da aplicação à
qual o computador se destina. Para jogos ou edição de imagens, o MMX é
melhor, enquanto que para aplicações mais corriqueiras, o K6 é
superior (e mais barato).
Quanto mais elevada for a velocidade de operação de um processador,
maior será a quantidade de calor gerado. Justamente por isso, os
fabricantes procuram desenvolver novos sistemas de arrefecimento.